Consultor Jurídico

Colunas

Limite Penal

Como fazer perguntas "matadoras" no processo penal?

Comentários de leitores

4 comentários

Hipocrisia

AP Advocacia (Advogado Autônomo - Criminal)

Engraçado como o colega comentarista, que se intitulou professor universitário, acusa o professor Alexandre de fazer training ou coaching, aliás como se isto fosse demérito. "Professor", qual seu nome? primeiro se identifique. No mais já deu a cara pra bater escrevendo artigos ou se limita a passar informações em sala de aula, ambiente em que normalmente não há questionamentos justamente em virtude de os estudantes não conhecerem, ainda, as nuances da área?

Texto

O IDEÓLOGO (Outros)

Excelente texto.

Tema de ponta, os bons trabalhos são pagos para download

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

O tema é instingante.
Então me ocorreu de pesquisar o que há de novo em psicologia cognitiva dos interrogatórios. Infelizmente somente aqueles que tem acesso à base de periódicos da CAPES, pesquisadores cadastrados, podem baixar de graça.
Pode se conseguir, através de um interrogatório, inclusive levar à confissão de um crime por falsas memórias.
http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0956797614562862
Acima o link ao trabalho publicado, e abaixo uma página em português comentando.
http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Psicologia/noticia/2015/01/tecnicas-de-interrogatorio-podem-fazer-acusado-confessar-crime-que-nunca-ocorreu.html

O que está acontecendo com Alexandre?

Oiracis10 (Professor Universitário)

Essa é a pergunta que não quer calar. Um juiz e professor crítico como é o Alexandre se igualando a qualquer professor de cursinho fazendo training ou coaching. Está sem assunto? Ou perdeu as estribeiras e se entregou à "onda"?

Comentar

Comentários encerrados em 21/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.