Consultor Jurídico

Ampla defesa

CNMP avalia permitir que advogado sem procuração acesse investigação

O Conselho Nacional do Ministério Público vai analisar a liberação do acesso aos autos de procedimentos investigatórios criminais (PIC) a todos advogados, mesmo que estejam sem procuração e independentemente da fundamentação.

Os conselheiros Leonardo Accioly e Erick Venâncio apresentaram, durante sessão ordinária do CNMP, proposta de resolução para alterar artigos da norma editada este ano que dispõe sobre os processos investigativos a cargo do MP, a fim de dar maior garantia ao contraditório e à ampla defesa.

Caso aprovada, a medida permitirá aos procuradores que façam o exame de autos administrativos instaurados pelo Ministério Público, podendo, inclusive, tirar cópia de documentos. Agora, um conselheiro será designado para relatar a matéria e, depois dessa etapa, é aberto o prazo de 30 dias para apresentação de emendas. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNMP.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de outubro de 2017, 18h31

Comentários de leitores

1 comentário

Como se coubesse este tipo de escolha..

R-A-P-H-A-E-L--S-T-E-I-N (Advogado Autônomo - Civil)

Leiamos o que se contém no inciso XIV, do artigo 7º, do Estatuto da OAB:

"Art. 7º São direitos do advogado:

XIV - examinar, em qualquer instituição responsável por conduzir investigação, mesmo sem procuração, autos de flagrante e de investigações de qualquer natureza, findos ou em andamento, ainda que conclusos à autoridade, podendo copiar peças e tomar apontamentos, em meio físico ou digital; "

Comentários encerrados em 20/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.