Consultor Jurídico

Sessão póstuma

Requião e deputada pedem homenagem do Congresso por "compaixão" a reitor morto

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) solicitou que o Congresso Nacional promova sessão solena em 31 de outubro para homenagear Luiz Carlos Cancellier, reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, “em razão dos serviços prestados à democracia e à educação brasileira”. O pedido também é assinado pela deputada Érika Kokay (PT-DF).

Cancellier atirou-se de um shopping no dia 2, depois de ter passado dias presos sob suspeita de atrapalhar apuração da Corregedoria da UFSC sobre suposto desvio de R$ 80 milhões que seriam usados em cursos de educação a distância. Foi solto logo depois e proibido de entrar na universidade.

Para Requião e Kokay, a homenagem é necessária para demonstrar “compaixão” pelo sofrimento do professor e também o “sentimento nacional de indignação”. Os autores afirmam ainda que ele militou no movimento estudantil, foi jornalista, participou de campanhas pela Diretas Já e prestou assessoria durante a Assembleia Constituinte.

Outra iniciativa partiu da senadora Regina Sousa (PT-PI), que em 4 de outubro pediu audiência pública na Casa para debater circunstâncias que levaram à morte do reitor. Um grupo de senadores de diferentes partidos já afirmou que Cancellier foi “vítima de perseguição judicial injustificada e atentatória contra os direitos humanos fundamentais”.

Debate e responsabilidades
As associações dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), dos Procuradores da República (ANPR), dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) e dos Juízes Federais de Santa Catarina (Ajufesc) negam que o suicídio do reitor signifique exagero na condução de investigações e processos.

Em nota divulgada no sábado (7/10), as entidades disseram que “uma tragédia pessoal não deveria ser utilizada para manipular a opinião pública”, pois juízes, delegados e membros do Ministério Público Federal “norteiam-se pelos princípios da impessoalidade e da transparência, atuando de forma técnica e com base na lei”.

Já o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil criticou a espetacularização do processo penal, enquanto o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, declarou que o suicídio “serve de alerta sobre as consequências de eventual abuso de poder por parte das autoridades”.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 11 de outubro de 2017, 21h15

Comentários de leitores

1 comentário

Roberto requião

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Perdeu a oportunidade de ficar calado.

Comentários encerrados em 19/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.