Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Preservação das investigações

Governo afasta delegado responsável por busca e apreensão na casa de filho de Lula

Por 

Alegando a necessidade de preservar as investigações, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo afastou o delegado responsável pela busca e apreensão na casa de Marcos Lula, filho adotivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O nome do servidor não foi divulgado.

Marcos Lula é filho do primeiro casamento de Dona Marisa e foi adotado pelo ex-presidente.
Reprodução

Em nota, o órgão afirmou que o secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, determinou a instauração de procedimento administrativo para investigar “em que condições ocorreu a diligência”. A busca e apreensão foi feita nesta terça-feira (10/10), em Paulínia, após uma denúncia anônima.

Segundo testemunhas, havia consumo de drogas na casa onde mora Marcos Lula, filho do primeiro casamento de Marisa Letícia Lula da Silva. No entanto, nenhuma substância foi encontrada.

Logo após a diligência, Cristiano Zanin Martins, um dos advogados do ex-presidente, classificou o ato policial como abusivo: “A busca e apreensão, feita a partir de denúncia anônima e sem base, não encontrou no local o porte de qualquer bem ou substância ilícita, o que é suficiente para revelar o caráter abusivo da medida”.

Leia a nota enviada pela secretaria:

O secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, determinou instauração de procedimento administrativo para apurar em que condições ocorreu a diligência de busca e apreensão realizada ontem (10), em uma residência no município de Paulínia. Para preservação das investigações, o delegado responsável pela diligência também será afastado do caso".

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 11 de outubro de 2017, 18h59

Comentários de leitores

6 comentários

Notícia pela metade

Silvio Curitiba (Advogado Associado a Escritório)

Tinha ordem judicial para a busca?
Presume-se, não há certeza, que não tinha uma ordem judicial para tanto.
Então, o delegado na busca de holofotes foi, no mínimo, apressado e desastrado.
Agora chora, diga que é perseguido, vá reclamar ao papa se quiser.

Como ficam Juiz e Promotor !

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

É isso que dá querer trabalhar ! Agora o Delegado será tido como um leproso no meio policial, vai para a NASA. Lamentável ... !

Safadeza no ar

HelenoOMoraes (Funcionário público)

Para preservar as investigações, não!!! Para preservar o delegado e/ou outros servidores! Canalhas!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.