Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sem mandado

Preso há mais de um dia, filho de Amarildo ainda não teve audiência de custódia

Por 

Preso nesta quinta-feira (5/10), na favela da Rocinha, um dos filhos do pedreiro Amarildo Gomes da Silva, que tem o mesmo nome do pai, ainda não passou por audiência de custódia, mesmo após 24 horas de sua detenção.

Ele foi levado há pouco para fazer exames no IML e permanecerá custodiado até segunda-feira (9/10). Sem antecedentes criminais, Silva foi indiciado por porte ilegal de arma e associação ao tráfico. Segundo a polícia, foram encontrados com ele uma pistola 9 milímetros, munição e um cigarro de maconha de 0,7 gramas.

O advogado dele, Rafael Faria, afirma que os policiais não tinham mandado para entrar na casa do filho do pedreiro — morto em 2013 pela polícia fluminense

Filho de Amarildo foi preso durante ronda da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Em depoimento, a mãe de Amarildo Gomes da Silva, que estava com ele na casa durante a entrada dos policiais, afirmou que não sabia que seu filho guardava a arma. Ela conta que um dos policiais entrou em sua casa pulando o muro e lhe pediu a chave para que os outros agentes o acompanhassem. Ela disse ter deixado que eles entrassem.

Já no depoimento do policial, a história muda. O 1ª tenente da PM-RJ Ítalo Mario Scalercio Neto afirmou ao delegado que a mãe de Amarildo permitiu a entrada na residência, mas não cita a pulada de muro. Ele diz que foi até a casa depois que o cão treinado que o acompanhava deu sinal sobre a existência de substâncias proibidas ou armas.

“Estranho que Amarildo Júnior não tenha passado por audiência de custódia mesmo depois de encerrado o prazo de 24 horas. Causa espanto também o fato de a prisão de meu representado ter sido feita, dentro de sua casa, por policiais que não tinham sequer mandado para entrar no local”, afirmou Faria.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 6 de outubro de 2017, 18h17

Comentários de leitores

3 comentários

a ação foi legal

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Se lastreada em fato notório, que o cão tenha denunciado a presença de drogas e armas, e se a mãe acreditando que nada havia na casa autorizou a entrada da polícia, não há em falar em ilegalidades. Não temam, pois o fato do filho ser preso, ou mesmo que se comprove que seu pai era traficante de drogas, nada disse afasta o fato dele ter sido assassinado e não preso e apresentado ao Juiz, como determina a lei. Também o fato de ter o pai assassinado pelo Estado, o que se lamenta, não dá o direito de Amarildo Junior andar armado e vender drogas.

Coitadinho

Bellbird (Funcionário público)

Esse policiais não deveriam ter feito isso. O pior é que segunda, com esta noticia toda, a vítima da sociedade estará solta.

um anjinho que tinha arma de fogo...

daniel (Outros - Administrativa)

realmente uma vítima da sociedade e perseguido pelo Estado. 24 horas sem uma audiência, coitadinho.

Comentários encerrados em 14/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.