Consultor Jurídico

Notícias

Trial by media

Suicídio de reitor da UFSC mostra face da cruzada cega "contra a corrupção"

Comentários de leitores

20 comentários

Cruzados da corrupção:

Valentin (Advogado Sócio de Escritório - Internacional)

Se persecução criminal levasse ao suicídio não teríamos cadeias superlotadas e criminalidade descontrolada! O poderio econômico dos "onestos" que roubam bilhões dos cofres públicos permite o aparecimento de teses estapafúrdias. No resto do mundo civilizado, "depressão" é a causa mais comum para suicídios...

Observador.. (Economista)

Marcelo-ADV (Outros)

Citação: “O Brasil foi roubado, expoliado, sofre uma onda terrível de violência (60.000 homicídios/ano há mais de década) e ninguém parece querer discutir os porquês”.

Observador,

Notícias sobre homicídios saíram de moda, apesar de ser um problema muito sério entre nós. 92% de impunidade de cara, pois não se descobre a autoria. Há pouco tempo, promotores que trabalham no Tribunal do Júri, por exemplo, eram os mais requisitados dos programas de TV.

Agora é a vez da “guerra” contra a corrupção (o resto não importa), o pior de todos os crimes, blá-blá-blá. Ninguém sabe qual será o novo inimigo público número 1. Talvez seja o crime de falar: “Ou você está com os acusadores, ou está contra o Brasil”.

Observador.. (Economista)

Paulo Moreira (Advogado Autônomo - Civil)

Não é a primeira vez que me deparo com essa pergunta que o senhor costuma fazer.
Então, vale repetir: Onde estavam todos esses paladinos quando tudo corria "normalmente"?

Lamentável, mas...

Aiolia (Serventuário)

Já pensou se é o Lula que se suicida? O Aécio? Dirceu? A comoção que não iria causar? Vamos parar as investigações agora, antes que mais gente faça o mesmo!!! Censura à imprensa! Segredo absoluto de justiça para processos contra criminosos do colarinho branco já!!!

Ceticismo moderado

Célio Jacinto (Outros)

Pode-se afirmar que há um consenso sobre a necessidade de enfrentamento da corrupção e o debelamento da violência, no Brasil, como, também, que este enfrentamento siga as normas legais e do devido processo legal, sem abusos etc.
Mas, estigmatizar àqueles que estão levando a cabo isso, não é o melhor caminho, principalmente, servindo-se da morte de uma pessoa como álibi pra isso.
Ao mesmo tempo que o Estado-investigador deve proteger a personalidade do investigado, também milita o importante direito de informação da sociedade e pela matéria denota-se que o articulista está abdicando de seu sagrado direito de buscar a informação, defendido nas cartilhas jornalísticas.
A imprensa tem de saber separar o joio do trigo e nós leitores o mesmo, agindo com ceticismo moderado diante de algumas notícias.

Provavelmente será rotina

Paulo Moreira (Advogado Autônomo - Civil)

Com essa história de as instituições vazarem dados sigilosos, bem como em razão de muito jornalistazinho por aí que se acha o dono da verdade, o caso retratado será apenas o primeiro de muitos.

Keyboard Warriors

Observador.. (Economista)

São os valentes que adoram "bater" no General Desinformado, pois no PC sempre é possível sobrar valentia e faltar lhaneza.
Ganha-se pontos, em certos círculos, agindo assim.
Adiante.

O Brasil foi roubado, expoliado, sofre uma onda terrível de violência (60.000 homicídios/ano há mais de década) e ninguém parece querer discutir os porquês.
Por que chegamos a esse ponto?
Ninguém via nada?
Onde estavam nossas instituições este tempo todo?
Nada era possível ser feito?

Lamento pela morte do Reitor.
Qualquer ser humano que morre de forma brutal, leva junto um pedaço da nossa humanidade.

Mas o que me choca é que certos debates e questões não levam em consideração uma coisa...
Onde estavam todos enquanto tudo isso acontecia?

Abuso de autoridade

Le Roy Soleil (Outros)

Corrupção ativa e corrupção passiva são crimes que merecem a sanção penal, como qualquer outro crime. Mas o ABUSO DE AUTORIDADE também é reprovável, repulsivo e merece punição. Porém, para tanto, necessário se faz uma nova lei de abuso de autoridade, não aquele texto frouxo e pífio que está no Congresso, mas uma lei forte, rigorosa e que permita uma punição efetiva de seus infratores. Concordo com a CRUZADA contra a corrupção, desde que de mãos dadas com a CRUZADA contra o abuso de autoridade. É só andar na linha. QUEM NÃO DEVE NÃO TEME.

Cruzada contra a corrupção!

Neli (Procurador do Município)

O caso de Santa Catarina não conheço, por isso, abstenho-me em focá-lo.
Por outro lado, a cruzada contra a corrupção deve sim continuar.
Tudo de ruim que passa o Brasil, hoje, pode-se apontar que foi causado pela corrupção.
Saúde, segurança, saneamento, infraestrutura, gerações de brasileiros condenados à eterna ignorância, quem causou tudo isso?
Os corruptos!
Ativos e passivos.
Um latrocida mata uma pessoa, destrói uma ou duas famílias, já os corruptos destroem milhares de famílias brasileiras.
E gerações condenadas à eterna ignorância?
Infelizmente,a crise que o Brasil atravessa é resultado do descomprometimento com a "res publica" pelos governantes.
Lamento uma vida que se foi, mas, não é inédito no mundo.
(Nos anos 1980 )um político dos EUA acusado de corrupção se suicidou numa entrevista coletiva.E houve caso de Ministro japonês também se suicidar ao ser acusado de corrupto.)
Minha solidariedade para a família.
E nem por isso a cruzada em prol de um Brasil sem corrupção deve cessar.
Todo brasileiro deve pensar no futuro dos filhos e eles apenas terão um futuro se acabar a corrupção.
Que o dinheiro público que é amealhado de todos os brasileiros, seja respeitado como uma divindade e seja aplicado em benefício único e exclusivamente em prol do País.
Os brasileiros do futuro agradecerão o presente enviado do presente:um Brasil passado a limpo e sem corrupção.
Por isso, todo apoio para a Polícia Federal, Ministério Público Federal,Justiça Federal e Tribunais.

Lamento pela família.

J.Henrique (Funcionário público)

Um outro sistema de vigilância do patrimônio público e combate a corrupção deve ser estabelecido pois o que vigora até o momento, pelos séculos, não funcio... existe. Não acho que se deva prender somente pela menção em delações premiadas, mas quando se detecta movimentação para obstruir a aplicação da justiça, certamente a pessoa deve ser presa até que esse perigo não mais exista.
Já disse aqui que um dos grandes problemas do país é a lentidão do poder judiciário que faz por exemplo que, prisões ilegais perdurem. Quanto ao ator da notícia, muitas pessoas lamentam terem sido pegas e não o crime. Se tem filhos e esposa, não pensou neles.

Barbárie!

ajaleu (Professor)

Só entendemos a importância do Estado de Direito quando somos vítimas da barbárie do Estado!

Bárbaros, trolls e robôs

ajaleu (Professor)

Ouçamos os bárbaros, os trolls e os robôs pagos por empresários interessados no caos que se tornou este país! Afinal, eles são onipresentes na internet

Os que denunciam a "cruzada" estão atrás de um Salatino

Luiz Fernando Cabeda (Juiz do Trabalho de 2ª. Instância)

O autor do artigo, assim como aquele a quem cita e transcreve, usam de um argumento que tem efeito retórico: denunciam uma "cruzada", isto é, uma iniciativa com caráter 'redentor' mas que - na prática - é apenas opressor. Mais ainda: tratar-se-ia de uma "cruzada moralista".
Alguns erros que são apontados por ambos, pinçados de ações do MP ou da Polícia Federal, são tidos como crassos, como efeito de 'narrativas' voluntaristas e apressadas.
Porém, salta aos olhos de quem argumenta com boa fé - não no sentido moral, mas no sentido de autenticidade, como exposto por Jean-Paul Sartre - que a repressão, o combate ao crime, a coleta de provas, as medidas assecuratórias, UTILIZADOS SEMPRE NO SENTIDO TÉCNICO que o Direito lhes confere, não podem ser exercidos sob segredo absoluto.
É nas ditaduras e nos regimes totalitários que o segredo é tido como 'valor', da mesma forma como acontecia no Antigo Regime da realeza, onde os 'segredos da Corte" eram 'questão de Estado'.
Os romanos, construtores das bases do Direito como o conhecemos até hoje, já falavam do "streptus fori". Nosso Supremo tem decisões de Sepúlveda Pertence e Celso de Mello, fáceis de localizar, que identificam a anomalia de expor alguém publicamente ao processo penal APENAS QUANDO NÃO HÁ NENHUMA RAZÃO POSSÍVEL E VERIFICADA para empreender a ação persecutória.
Quem defende a INCOLUMIDADE do banqueiro Esteves ou do malfadado ex-reitor da UFSC esquece que FATOS OBJETIVOS foram considerados nas investigações e nas ordens judiciais.
NINGUÉM TEM O DIREITO DE NÃO SER PROCESSADO, pois esse 'direito' não existe.
Aceitemos um 'requiem' respeitoso aos que sucumbem, mas não criemos uma 'mea culpa' QUE NÃO EXISTE.
Temos um débito histórico irresgatável por deixar DEMAIS impune a culpa dos grandes.

Conjur sem noção...

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Havia uma grave investigação pela Corregedoria da UFSC, pela CGU e pelo MPF sobre desvios de recursos públicos no âmbito da UFSC.

Após algum tempo o Corregedor Geral da UFSC solicitou o afastamento do Reitor sob a alegação de que ele estaria fazendo pressão politica para travar as investigações e ter acesso ao andamento da mesma.

Isso fez com que o Corregedor Geral da UFSC solicitasse ao MPF o afastamento do reitor sob a alegação de ele estar atuando na tentativa de barrar as investigações sobre o ilícito.

Não bastasse tudo isso, o Reitor resolveu avocar para si a análise do processo no qual ele é acusado de estar tentando barrar e que é o fundamento para o seu afastamento da reitoria.

Me parece nítido que ele tentou travar as investigações e acabou sendo pego, ai depois que a "casa caiu" ele acabou não aguentando o tranco.

Solução

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Em recente curso com os americanos eles informaram que só é dado publicidade quando saiu a sentença condenatória, a informação de investigações em andamento é exceção lá, mas sabemos que sem a divulgação a lava a jato seria mera bolha de sabão soprada e estourada a menor brisa. A matéria traz a lamentação, o que é justo, pois perdeu-se uma vida, mas não traz fatos importantes, como por exemplo, ele confessou? Foi indiciado? O que se tem contra ele? As vezes se matou por não suportar o carcere, preferiu morrer a ser preso, como um secretário do tesouro americanos anos atrás que suicidou em uma reunião pública quando descobriram o desfalque que cometeu. Digo isso porque há diferença colossal entre a morte por vergonha de um inocente e a morte por vergonha de um culpado, não que se deseje a morte em qualquer caso, mas no segundo ele fez suas escolhas e terminou preso a elas e, ao delinquir ele sabia que a prisão era uma alternativa palatável.

Primando pela argumentação jurídica, abaixo a especulação

Osvaldir Kassburg (Oficial da Polícia Militar)

Da OAB e de um site Jurídico como o ConJur se espera ponderação e argumentação jurídica. Usar o fato (suicídio) como se fosse prova cabal de inocência não é nenhum pouco razoável. É mera especulação desprovida de qualquer supedâneo jurídico.
As razões que levam uma pessoa a esse tresloucado ato são de foro muito íntimo, no entanto, quase sempre estão ligadas à fuga, e situação em relação à qual a vítima considera total ausência de saída para um fato que lhe leva ao desespero. De regra está ligado a um evento atual ou futuro. O passado por mais traumático que possa ter sido, é passado. O suicídio não é prova de outra coisa senão de desespero. Alto lá OAB e ConJur.

Proibido investigação no brasil

Gelson de Oliveira (Servidor)

Então, se é assim, parem todas as investigações. Nenhum crime pode mais ser investigado. Extinga-se a Polícia Federal, extinga-se o Ministério Público.

Pré condenações na imprensa

Marcelo Alexandre Andrade de Almeida (Advogado Autônomo - Administrativa)

Importante observar que os mecanismos de investigação se tornaram pré condenações, no mínimo, de natureza social. Creio que haja necessidade de tratar com mais cuidado o articulado pela imprensa para não impingir desgastes morais insuportáveis, para os quais sabemos que não existem recursos suficientes à indenizar.

Caso isolado

Professor Edson (Professor)

Em um país onde assassino não fica três anos preso, mais uma vez o punitivismo inexistente ganha força entre os parciais aqui no Brasil.

Perp walk

andreluizg (Advogado Autônomo - Tributária)

A polícia deve agir sempre com muita cautela e discrição, os juízes tem que pesar muito ao decretar uma prisão temporária, e a imprensa nem se fala, seguidamente noticia boatos e inverdades. Esse é um caso entre muitos de exagero nas investigações, excesso nas medidas cautelares, e falta de ética da imprensa.

Comentar

Comentários encerrados em 10/10/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.