Consultor Jurídico

Notícias

Apoio da classe

Barroso diz não ser punitivista, mas contra a impunidade de colarinho branco

Comentários de leitores

5 comentários

Platitudes

Advogado (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Só li platitudes...

Colarinho vermelho

Eududu (Advogado Autônomo)

É inaceitável que um Ministro tome posse no STF jurando defender a Constituição e depois resolva alterar a Carta Magna conforme suas opiniões pessoais, como se legislador fosse, e em nítida afronta à separação de poderes. Foi assim quando o Ministro se pronunciou sobre o aborto, dizendo que, se realizado até o 3º mês de gravidez, não é crime. Foi assim quando decidiu sobre a união civil gay. Também sobre a aplicação de medidas cautelares aos parlamentares. E, agora, o bem intencionado quer legislar sobre o foro por prerrogativa de função.

O Ministro pavão e demagogo continua enganando a massa ignara com frases de efeito e ações de indisfarçável viés político ideológico.

E essa revolta teatral contra o crime do colarinho branco é puro fingimento e só ressalta sua hipocrisia. Basta lembrar que abrandou penas de petistas condenados no mensalão - José Dirceu, José Genuíno, João Paulo Cunha, Delúbio Soares - dizendo que as penas eram “um ponto fora da curva”. Sua indignação é seletiva.

Atualmente, está ludibriando os incautos defendendo o fim do foro por prerrogativa de função. Apenas para parlamentares federais, segundo o próprio. Quer passar a imagem de que combate privilégios. MENTIRA! Está tirando do Supremo vários processos que já deveriam ter sido julgados. Está varrendo a sujeira para debaixo do tapete. E ajudando os acusados, pois, iniciando o processo pela 1ª instância, o acusado poderá utilizar todos os recursos para fazer seu processo ir à 2ª instância, ao STJ e, por fim, chegará novamente ao STF, onde ficará provavelmente até prescrever.

E, quanto ao foro privilegiado para magistrados e membros do MP, o ministro não tem nada contra. Que incoerência!

O Ministro Barroso é um impostor. Mais um oportunista encantador de burros.

Correto o JUIZ

Professor Edson (Professor)

Tem gente que acha que advogado quando vira juiz tem que continuar advogando, agora ele precisa julgar e não defender, existe um oceano de diferença.

Brasil o país da incoerência!

César Augusto Moreira (Advogado Sócio de Escritório)

A fala do Ministro é a fala que todo brasileiro quer ouvir (temos que punir os poderosos!!!). Contudo, Sua Exa. não ousava apresentar e sustentar essa opinião quando era advogado, especialmente quando atuava no STF (lembremos de sua inolvidável atuação na defesa do Battisti que, de certa forma, acabou ficando no Brasil, graças à atuação defensiva do hoje Ministro Barroso), até porque naquela época ele pedia ao STF a aplicação da legislação que hoje ele diz estar errada. Então, é importante saber desde quando o douto Ministro tem esse entendimento. Se desde que era advogado ou a partir de quando virou Ministro. Concessa venia, essa sanha punitivista adotada agora pelo senhor Ministro tem feito com que ele atropele (e sem qualquer constrangimento) princípios básicos e elementares tanto do direito penal quanto do processo penal nos votos que profere no STF nos quais, infelizmente, acaba sendo acompanhado por outros Ministros que demonstram o mesmo desprezo pelos princípios do direito penal e do processo penal em vigor no país nesta quadra da história. Decerto, o Ministro Barroso não sabe que ao juiz não é dado descumprir uma lei porque não concorda com ela, muito menos fazer usar na canetada. Os aplausos também eram dados nos circos romanos quando pessoas eram devoradas por feras ou trucidadas por gladiadores. Os autores a chamavam de plebe rude, porque ignorantes sobre estar sendo manipulada. O Brasil precisa de coerência de toda a sociedade.

Inacreditável

José R (Advogado Autônomo)

É incrível que esse cidadão, que parecia mas não era, possa receber qualquer espécie de apoio na libertária classe dos advogados, à qual simulava pertencer...
Ó tempos, ó costumes!

Comentar

Comentários encerrados em 7/12/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.