Consultor Jurídico

Contexto em debate

Reportagem de Veja que retrata advogados como magnatas revolta a classe

Retornar ao texto

Comentários de leitores

8 comentários

Apenas uma pergunta

Gil Reis (Advogado Autônomo)

Quer dizer que qualquer um pode ficar rico em qualquer profissão menos na Advocacia?

Advogados criminalistas milionários

Bia (Advogado Autônomo - Empresarial)

Sim, expuseram uma pequena ponta do iceberg ...... E, claro, agora se sentem no direito de criticar quem os critica, com distorção até dos deveres do advogado (de não expor seus clientes), citados proposital e parcialmente. Também são deveres dos advogados não convocarem a imprensa para comentar audiências recém realizadas, criticar decisões judiciais (antes de protocolado o devido recurso previsto em lei) e até ofender juízes, promotores , polícia federal e todos aqueles empenhados em diminuir os índices de impunidade que sempre assolaram esta república que nunca "decola"! Mas quando o MP o faz (e também erroneamente, no meu entender), todas os envolvidos em tais defesas e suas associações que os protegem armam "aquele" circo (também conhecido como "jus sperneandum", na falta de uma defesa eficaz dos verdadeiros crimes praticados por seus clientes ilustres) que todos conhecemos de cor e que já não mais merece nossa atenção.

Inveja

MarcolinoADV (Advogado Assalariado)

Ora, qual é o problema? Se estão ricos, sorte - e competência - deles.

Se um cliente aparecer no escritório com uma causa desse jaez, tem mais é que cobrar - e muito - mesmo. Advocacia não é filantropia.

Quisera eu ter clientes milionários para cobrar uma fortuna em honorários!

Da forma como a imprensa age, os funcionários das empresas envolvidas na lava jato também deveriam sentir-se "culpados", pois boa parte de seus salários foi paga em razão dos contratos firmados com o poder público a partir de propinas.

A Abril, por exemplo, porque não abre mão das folhas e mais folhas de propagandas de estatais e da administração direta em suas revistas? O valor dos anúncios correspondem de fato à visibilidade proporcionada pelas revistas, sobretudo quando boa parte das assinaturas era realizada pelo próprio governo do estado de SP?

OBS: Por que meus comentários levam dias para serem publicados?

Criminalistas e a revista Veja

Plinio G. Prado Garcia (Advogado Sócio de Escritório)

Não pegou nada bem essa reportagem.

Deplorável

vitorio soldano (Advogado Autônomo - Comercial)

Os fins justificam os meios. Honorários recebidos de bandidos os faz iguais sem ética, sem moral.

E daí?

Rilke Branco (Outros)

A realidade, são poucos os advogados que ganham esses milhões...pena que a maioria do país está desempregado.
A Revista e a sociedade deviam destinar essas críticas e cobranças para os "milhões" de eleitores que elegem os saqueadores da nação e que pagam a um Ministério Público paranoico e de luxo; e a um Judiciário lerdo, ineficiente e que não faz Justiça (com honrosas exceções).

Qual classe?

RICCO (Advogado Autônomo - Administrativa)

Qual classe se revolta? Não a da massa que só encontra vagas como "associado" sem registro em carteira, sem horas extras e outros e com salário de 2 mil reais com vários anos de experiência.

Baile democrático

Marco A. Kamachi (Advogado Autônomo)

Na dança das prerrogativas democráticas não há espaço para autoritarismo ou exclusividade de opinião.
Tais advogados não raras vezes encabeçam motins para vociferar contra supostos abusos dos órgãos de persecução criminal. Soletram em tom vivaz as prerrogativas institucionais como se lhes fossem instrumentos de perseguição, ou então às expõem como regalias à majestosos lordes de Cortes medievais.
Lado outro, numa liturgia quase que ensaiada, se rebelam ao menor sinal de exposição crítica acerca das "suas regalias", sendo a bandeira primeira a ser alçada são as famosas prerrogativas institucionais, como se estas fossem mais opacas e intransponíveis que aquelas dos magistrados e promotores. Logo nobres causidicos, cujo discurso espera-se coerência e, sobretudo, transparência. Divulgar contra cheque de juiz virou quase argumento jurídico de suspeição, ao passo que vultosas quantias obscuras em honorários é quase afronta a honra. Pois que se deliciem do jogo democrático. Viva a liberdade de expressão e opinião. Os meios de comunicação não tem nada com isso e se alimenta desses contrasensos. Manifestar o que quer, onde quer e quando se quer é prerrogativa fundamental do ser humano. Ultrajante tal liberdade sob auspícios institucionais, seja qual for, é restrição indevida do direito e transforma já tao vergastada liberdade em instrumento de poucos para defesa de outros poucos. Coerência nobres causidicos. Coerência.

Comentar

Comentários encerrados em 2/12/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.