Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prestação de contas

Em oito anos, Dias Toffoli saiu do maior para o menor acervo do Supremo

Em oito anos de Supremo Tribunal Federal, o ministro Dias Toffoli reduziu o acervo de seu gabinete em 77,4% e hoje é o ministro com menos processos pendentes sob sua responsabilidade. Segundo as estatísticas do gabinete divulgadas nesta terça-feira (21/11), estão no acervo do ministro 2,5 mil processos, dos quais mil estão conclusos esperando decisão dele.

Toffoli proferiu 67 mil decisões e reduziu acervo em 77% desde que chegou ao Supremo, em outubro de 2009.
Carlos Moura/SCO/STF

A burocracia interna do tribunal é o que mais contribui para a lentidão do trâmite processual, pelo menos em relação ao ministro Toffoli. Ele tem 1,3 mil processos em acervo, dos quais 1,2 mil estão tramitando pelos setores internos do Supremo. Ou seja, da metade que não depende só do gabinete, 92% dependem na verdade de etapas internas do tribunal, como sair de secretarias, envio de ofícios, reclassificação etc.

O levantamento dos trabalhos do gabinete nos últimos oito anos também revela que a política do ministro de dar prioridade aos casos antigos vem dando resultados. Segundo o relatório, 20% dos processos foram autuados no Supremo há mais de três anos, mas em mais da metade deles já foi proferida a decisão final e faltam só etapas burocráticas para que sejam baixados.

Toffoli tomou posse no Supremo em outubro de 2009, no lugar do ministro Menezes Direito. Ele assumiu um gabinete com 11 mil processos pendentes de análise, o maior acervo da composição da época. Oito anos depois, contabiliza ter proferido 67,7 mil decisões e baixado mais de 50 mil processos.

“Esses dados bem retratam a hercúlea e constante empreitada de reduzir o número de processos, cujo efeito é permitir que mais tempo seja reservado à análise dos feitos remanescentes e que se encontre a melhor resposta jurisdicional para eles”, afirma, na apresentação do trabalho.

Clique aqui para ler o relatório.

Revista Consultor Jurídico, 21 de novembro de 2017, 19h07

Comentários de leitores

5 comentários

Ministro tóffoli

O IDEÓLOGO (Outros)

Um dos "gênios da raça".

Parabéns, Ministro!

Neli (Procurador do Município)

Justiça tardia não é justiça.
Se o feito for criminal: a Justiça tardia favorece o malfeitor e prejudica a vítima. Se o acusado é inocente paira sobre sua cabeça a longa e injusta espada da justiças;se for culpado, frise-se, prejudica a vítima.
Tudo bem que a Augusta Corte recebe processos em demasia, mas, quando o Ministro é galgado para a Corte sabe que deve trabalhar e muito.
O trabalho, ainda mais intelectual, não cansa ninguém.
Assim, externo meus cumprimentos ao Ministro Toffoli por ser diligente e a serviço da Justiça.
No mais, sou contra transmissão pela TV(embora sempre vejo!)
Muito bate boca em detrimento da causa maior:o Poder Judiciário.

Números estratosféricos

_Eduardo_ (Outro)

Ainda assim é muito processo por Ministro. Por mais que sejam rápido, não há como uma Corte Constitucional receber este volume de processos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/11/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.