Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Racismo presente

Ator negro é assaltado e agredido após seguranças negarem ajuda em estação

Um ator negro vítima de assalto no centro de São Paulo foi agredido pelos criminosos após ter ajuda negada por seguranças do terminal Parque Dom Pedro II. De acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, Cintra teve o celular e dinheiro roubados quando voltava para casa. Mas enquanto tentava pedir socorro, os criminosos convenceram os seguranças de que a vítima era o ladrão. 

"Sempre que eu tentava falar algo, o segurança me mandava calar a boca. Assumindo logo de cara que eu era o culpado, ele me entregou pros caras, que me arrastaram para fora da estação, e lá do lado de fora eu fui ESPANCADO por eles. O segurança chegou a perguntar o que eles iam fazer comigo, e disseram que iam me levar pro 'rio'", relatou Cintra em sua conta no Facebook junto a imagens de ferimentos causados pelas agressões.

O ator contou que foi atacado por cães que pertenciam ao grupo e só conseguiu escapar depois que uma menina que acompanhava o grupo pediu para para pararem. "Por pouco, eu não fui morto por uma injustiça e por conta de um ato racista", contou Diogo. "Por que diabos automaticamente o segurança assumiu que eu era o bandido e que os outros caras estavam falando a verdade?"

Segundo a Folha de S.Paulo, que teve acesso às imagens da estação, o vídeo confirma o relato de Cintra: os seguranças nada fizeram para impedir a agressão ao ator. Alguns agressores estão com os rostos escondidos por capuzes, mas ao menos dois deles podem ser identificados. Também de acordo com as imagens, os passageiros que esperavam ônibus nas plataformas não esboçam qualquer reação.

Ator Diogo Cintra sendo arrastado pelos agressores para fora do terminal. Reprodução 

Afastamento
Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, todos os seguranças que aparecem em imagens das câmeras de segurança no momento em que o ator pediu ajuda vão ficar longe do trabalho até o fim das investigações. A pasta não soube precisar o número de funcionários afastados.

O ator disse que irá registrar um boletim de ocorrência por conta do episódio. "O negro foi libertado da escravidão, mas não foi inserido na sociedade. Fomos jogados para as periferias. Hoje em dia temos mais direitos, o racismo é crime, mas não quero viver só de direitos. Quero poder ir ao supermercado e não receber olhares mal-encarados”, afirmou Cintra à Folha de S.Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 20 de novembro de 2017, 12h51

Comentários de leitores

6 comentários

Resultado de um povo preconceituoso de tudo

Ade Vogado (Advogado Autônomo - Tributária)

Brasileiro é preconceituoso por essência, reduz todos os seus entendimentos a preceitos curtos e vazios.
Loiro de olho azul é bom e gente boa.
Negro e pobre é potencial ladrão.
Um povo que dá primazia à imagem dá nisso, julga as pessoas pela aparência, resultado é isso que vivemos hoje e não adianta ficar brigando por condições iguais, porque isso não é só questão de cor de pele, é preconceito das mais diferentes formas como a social, educacional, regional...

Investigar pra não errar

Antonio Aparecido Tinello (Advogado Autônomo - Dano Moral)

Desculpem-me os colegas, se estou sendo muito cético quanto ao “causo” contado pelo jovem “ator” desconhecido. É muito difícil de concebermos a atuação de um grupo de ladrões, munidos de paus e cães bravos, assaltando na entrada do metro Paulista. Pior fica a “estória”, quando aceitamos o fato de que os ladravazes, ainda descontentes com a pilhagem recém empreendida, ainda decidiram, perseguir a suposta vítima para espanca-la. Sem dúvida alguma, o “causo” merece uma simples e honesta investigação antes de qualquer CONDENAÇÃO.

Simplista demais - ii

O IDEÓLOGO (Outros)

É Doutor Marcos Alves Pintar, como V.Senhoria leva a vida como um "branco", é fácil falar.
O seu discurso é aquele da velha elite brasileira, que massacra pretos e pardos, desde a época da escravidão.
Você quer um exemplo?
Verifique quem é a maioria dos presidiários? E quer mais? Em longa extensão? Vá nas cidades do Estado de Minas Gerais e verifique quem trabalha colhendo produtos nas fazendas.
Veja quantos juízes pretos e pardos temos? E promotores e procuradores de justiça? E empregadas domésticas?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/11/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.