Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Hierarquia obrigatória

Apenas ter os mesmos sócios não prova formação de grupo econômico, diz TST

Por 

Não é possível reconhecer que duas empresas formam um grupo econômico com base apenas no fato de que elas têm os mesmo sócios. Com este entendimento, a Subseção I Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho afastou o reconhecimento de grupo econômico da Amadeus Brasil com a Massa Falida de Rio Sul Linhas Aéreas.

Segundo o relator, ministro João Oreste Dalazen, reconhecer este vínculo baseado nos sócios em comum, sem demonstrar que existe uma relação hierárquica entre as empresas, fere a Consolidação das Leis Trabalhistas.

A CLT afirma que “não caracteriza grupo econômico a mera identidade de sócios, sendo necessárias, para a configuração do grupo, a demonstração do interesse integrado, a efetiva comunhão de interesses e a atuação conjunta das empresas dele integrantes”.

“Para o TST, não há se falar em grupo horizontal ou por coordenação, e sim na aplicação da teoria hierárquica ou por subordinação, a qual pressupõe uma relação de dominação interempresarial entre empresas, no qual o controle central é exercido por uma delas, havendo, nesta situação, identidade de direção, controle ou administração”, afirma o professor Ricardo Calcini.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 3 de novembro de 2017, 7h23

Comentários de leitores

2 comentários

Sócios, grupo econômico etc

6345 (Advogado Autônomo)

Sempre ouvi dizer, e constatei, que resposta rápida do Judiciário, e da Administração, com raríssimas exceções, é em prejuízo do autor ou requerente. Compromissado com aqueles que mandam, até o TST antecipa a vigência da vergonhosa reforma, que, essa sim, caminha para o retorno da escravidão, com uma nova roupagem, pois na miséria a maioria do provo já esta.

Decisão absurda

Aiolia (Serventuário)

A CLT não fala isso. Isso é dispositivo da reforma, ainda em período de vacatio legis.

Comentários encerrados em 11/11/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.