Consultor Jurídico

Fraqueza da carne

Delegados temem que erros da PF façam tipificação de abuso de autoridade avançar

Retornar ao texto

Comentários de leitores

7 comentários

Iludido Advogado autônomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

De fato. A única contribuição que posso dar aos mais novos é que devem correr MESMO para o poder. Se pensa em conseguir algo excepcional e que lhe dê prazer, não afronte o poder. Junte-se a ele. Nunca fale a verdade. Use a mentira e a bajulação como suporte de promoção. Gostamos disso. Esqueça o que aprendeu no catecismo. A vida real não é a que vai na sua cabeça nascente de herói do bem dos gibis dos seus sonhadores antepassados. Faça como o xerife de Apallosa quando prendeu um prefeito da cidade por crime e logo em seguida demitido de seu cargo: "Às vezes nem sempre devemos levar a lei a sério. " No poder você aprenderá rápido esse tipo de ação e reação. Recebeu uma ordem, esqueça sua consciência e faça tudo para agradar só ao seu chefe. Ele é o seu fiel da balança. Junte-se a nós e juntos faremos nosso mundo. PENSE NISSO!

Rejane

Gustavo P (Outros)

em um país com a corrupção completamente disseminada no seio congressista, que faz as leis, e cujo executivo tem sua liderança e asseclas citados em diversas delacoes, só sendo muito ingênuo, cínico ou maldoso para acreditar que leis obtusas e pornograficas não serão gestadas, no desespero de paralisar a lava jato

Sr. Gustavo P (Outros)

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Eu entendo a sua manifestação emocional. O que eu quis dizer é que uma Lei que regulamenta condutas de abuso de autoridade não é motivo para temor. A aplicação da Lei é que pode atemorizar, conforme sejam desrespeitadas garantias constitucionais, o princípio da verdade real e outros tantos. Se é isso que a PF e outras autoridades temem, é porque conhecem o sistema muito melhor do que os cidadãos comuns, que, diga-se de passagem, há décadas têm sido vítimas de arbitrariedades, as quais se tornaram mais intensas nos últimos tempos, mais recentemente numa ordem de condução coercitiva e apreensão de arquivos de um blogueiro desafeto de um magistrado, ordem essa cumprida prontamente pela PF.

Quem nada deve pode temer sim, Rejane...

Gustavo P (Outros)

Ou então vc nunca ouviu falar dos processos de Moscou e dos expurgos da segunda parte dos anos 30 na finada CCCP, bem como do holocausto da WWII.

Sem falar que, quem pensa desta forma, nada entende acerca da natureza humana e dos jogos de poder.

Muita ingenuidade, hipocrisia, maldade ou inocência acreditar que quem não deve não teme.

Papelão da pf

olhovivo (Outros)

Esse tipo de papelão da PF, com erros grotescos de seus intérpretes de conversas telefônicas, é mais comum do que se pensa. É que, no caso da Carne, isso ficou mais evidente porque causará um estrago gigantesco à economia do País, não só às vítimas/investigados dos tais intérpretes.

A PF e a Lei

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Estou entre os milhões de brasileiros que manifestam confiança e aprovação à Polícia Federal. No entanto, nunca vejo com bons olhos "autoridades" que se manifestam contra um projeto de lei de abuso de autoridade. No meu entender, quem não deve não teme. Os profissionais que atuam seguindo rigorosamente a Lei e sempre têm presente a preservação dos direitos fundamentais do cidadão, não se preocupam com o abuso de autoridade porque não praticam. A meu ver, as últimas operações da PF foram espalhafatosas e, em alguns casos, abalaram a credibilidade. A PF também deve estar diligente para não cumprir ordens ilegais, notadamente quando podem causar lesão ao direito à vida e à liberdade de qualquer cidadão.

Cadê

Jurista Sincero (Advogado Autônomo - Criminal)

Onde está o nexo de causalidade entre o reconhecimento de erro na divulgação (e não da operação em si) da Carne Fraca e o posicionamento contrário ao Projeto de nova Lei de Abuso de Autoridade?
A matéria da Conjur coloca palavras que não estão na nota da ADPF.
Que eu saiba todas as carreiras jurídicas se posicionaram contra o projeto, por criminalizar interpretações que as autoridades façam no legítimo exercício de sua independência funcional...

Comentar

Comentários encerrados em 31/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.