Consultor Jurídico

Imunidade profissional

Advogado não responde por chamar parte de "sem-vergonha" em audiência

Retornar ao texto

Comentários de leitores

5 comentários

Muito barulho...

J. Henrique (Funcionário público)

Se a advogada pediu desculpa na mesma ocasião porque colocar mais um graveto nas costa do paquiderme?

Parece fofoca de vila...

Paulo Moreira (Advogado Autônomo - Civil)

Segundo a decisão, alegaram que a ofensa fora proferida tão somente na presença dos patrocinadores das partes. Caso tivesse ocorrido de fato nesses moldes, precisaria falar?

Reportagem, como de regra, incompleta

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Que lê a reportagem tem a nítida impressão de que a Advogada em questão, "do nada", passou a xingar a outra parte. Sabemos que não foi isso o que ocorreu, e que as expressões certamente foram lançadas dentro de um contexto, possivelmente no calor de uma discussão. Infelizmente brasileiro gosta de polêmica (e daí o sucesso de BBB, etc.), o Ministério Público embarca na onda, isolando frases e tirando-as de seu devido contexto, sempre com graves prejuízos ao regime jurídico e ao País.

E se...

Valdir Resende (Outros)

E se o homem tivesse chamado a advogada de sem vergonha, será que o desfecho seria exatamente o mesmo?

TJRS

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Depois da agressão verbal "sem vergonha" dirigida à parte contrária pela advogada, ilegalidade sufragada pelo TJRS, evoluiremos, brevemente, para uma reação desmedida do agredido contra o agressor.
Injusta e perigosa a decisão do TJRS.

Comentar

Comentários encerrados em 13/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.