Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Preocupações da classe

Em carta, grupo de criminalistas alega abusos de poder na operação "lava jato"

Uma entidade formada por 80 advogados divulgou carta pedindo que tribunais “retomem as rédeas da aplicação dos direitos do cidadão” fixados pela Constituição Federal e “coíbam os abusos de poder” que afirmam ocorrer na operação “lava jato”. Segundo a União dos Advogados Criminalistas, o combate à corrupção não pode permitir que aplicadores da lei deixem “um legado de sistemáticas violações ao processo penal brasileiro”.

O texto é assinado por membros da entidade que se reuniram no Recife para o 2º Seminário de Direito Penal e Processo Penal em Tempos de Lava Jato. Entre os signatários estão Antônio Nabor Bulhões; Alberto Toron; Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay; Fábio Tofic Simantob; e Geraldo Prado (parte deles atua no caso), além de nomes que integram a diretoria da Unacrim, como Carlos Barros, Gustavo Rocha, Yuri Herculano e João Vieira Neto.

Todos defendem melhor regulação da delação premiada, criticam a “banalização da prisão preventiva”, reclamam de prisões antes que condenações transitem em julgado e alegam que a “publicidade opressiva veiculada pela mídia brasileira” interfere na forma como o Judiciário vem julgando a “lava jato”.

Os assinantes da carta demonstram ainda preocupação com “o fenômeno da criminalização do exercício da advocacia por parcela da magistratura, dos órgãos responsáveis pela persecução criminal e dos meios de imprensa, que deve ser visto como um sinal de enfraquecimento de garantias do cidadão e menosprezo ao múnus público das funções do advogado no processo penal”.

Clique aqui para ler a carta da Unacrim.

Revista Consultor Jurídico, 8 de maio de 2017, 19h24

Comentários de leitores

7 comentários

Liberdade de expressão

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

A publicidade da qual reclamam faz parte do direito inalienável de expressão, que engloba o direito de saber. Pode ser ruim neste momento, mas deve ser mantido intacto e, olhem bem que a polícia é vitima diuturna desse direito, mas somente com ele evoluiremos. Se a repercussão tem sido grande é porque grande tem sido a maracutaia e grande a reprovação da sociedade. Só por isso já deviam ter mudado muita coisa em nossa Constituição e no processo, mas, somados advogados milionário, a políticos que não querem perder privilégios insistem em criar leis e se opor a moralização da sociedade brasileira e a por fim a corrupção.

Sem privilegios

mgoiatti (Auditor Fiscal)

Essa cambada de advogados não deve confundir cidadãos honestos e éticos com essa corja de bandidos que assaltaram o erário (não é preciso citar ser publico, pois erário já subentende ser publico, se alguém não sabe).
também está na hora de saber qual o dinheiro que está pagando os honorários desses advogados. Eu sou um cidadão honesto, ético e honrado e não admito que essa turma do chiqueiro seja beneficiada com qualquer direito que um cidadão comum e de bem deveria usufruir. Chega de choradeira desses advogados que estavam acostumados a apagar fichas criminais tudo com vultuosas quantias.

Mas... hein?

Ian Manau (Outros)

Sr. (a) Rivadávia Rosa, não importa se você é advogado: sugiro que, por favor, escreva de modo compreensível. Guarde seu juridiquês para seus pares. Então, mais leitores poderão se beneficiar de seus conhecimentos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/05/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.