Consultor Jurídico

Tempos modernos

Elogiado por colegas, juiz é aposentado por só assinar 33 sentenças por mês

Retornar ao texto

Comentários de leitores

6 comentários

Isso é injusto

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

Se um servidor público qualquer é desidioso contumaz, a sanção administrativa a lhe ser aplicada é demissão. Obvio que depois de instaurado processo administrativo com o oferecimento direito ao contraditório e ampla defesa no seu trâmite. Aí para os membros do judiciário a sanção é um premio de aposentadoria caso cometam condutas graves. Será que ninguém neste país ainda não pensou no prejuízo patrimonial que isso causa ao erário público? Que isso representa uma grande injustiça para os contribuintes que sustentam todas as despesas com folha de pessoal de todos os poderes e de todas as unidades da federação?

Nunca ví isso ???

Flávio (Funcionário público)

A bem da verdade, se ele quiser continuar na magistratura um recurso no CNJ derruba essa decisão facil. A justiça vive nomeando assessores e o caso desse juiz é uma falta de assessor competente ao magistrado a não ser que ele tenha nomeado um burro de assessor,ai tá explicado.

Celeridade será?

dendo (Advogado Sócio de Escritório - Previdenciária)

Se eu entendi bem aposentaram o juiz porque ele lia os processos e julgava como tem que ser julgado.
Esse é o problema o TJ acha que é uma fábrica.

Novos tempos?

Guilherme - Tributário (Advogado Autônomo - Tributária)

Prazos devem ser cumpridos sim! Afinal de contas, do outro lado, os advogados, se não cumprem, perdem a causa. Estes podem ser acionados pelos clientes, em busca de reparação. Os juízes, entretanto....

seria matemática?

Ciro C. (Outros)

Inoperância crônica? Tendência a prolixidade?
E se isso chegar no STF? Tem gente que começa todo voto falando de Talião....

Dr. Haicki

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Pelos relatos, trata-se de um magistrado que tem muito conhecimento jurídico e profissional elegante no trato pessoal, mas isso não é tudo. O acúmulo crônico de processos do Poder Judiciário é o principal problema a ser combatido em nossa Justiça. Conquanto a análise, do ponto de vista do magistrado, possa parecer rigorosa, não é, do ponto de vista do jurisdicionado. A morosidade da Justiça é fator de prejuízo à saúde física e mental de pessoas que dependem do Poder judiciário para exercer direitos ou não serem lesadas. São novos tempos, de uma Justiça que luta por ser célere e efetiva. Dr. Haicli, tudo de bom para o senhor !

Comentar

Comentários encerrados em 8/07/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.