Consultor Jurídico

Notícias

Dupla punição

TST reverte justa causa de motorista de caminhão que dirigiu bêbado

Comentários de leitores

15 comentários

Indução a erro

Adir Campos (Advogado Autônomo - Administrativa)

O título induz o leitor a erro. Matérias jurídicas deveriam ser informadas e narradas com maior rigor técnico de redação.

Responder

Título bem sensacionalista...

TACIG (Jornalista)

Equivocado o título da matéria, bem como os comentários na notícia. O empregador tem direito de aplicar a punição que quiser e no caso específico optou pela suspensão de 2 dias. Depois mudou de ideia e aplicou a demissão por justa causa. E foi isso que o TST analisou. O empregador não pode aplicar uma sanção e depois mudar de ideia e aplicar outra. Basta ler o acórdão e ver o que realmente foi julgado. Título sensacionalista, Conjur... triste ver isso em um veículo jurídico, que deveria esclarecer a população.

Responder

Injustiça

Sperandeo (Prestador de Serviço)

É por esta razão, de que tem que se mudar a legislação trabalhista, e limitar a autoridade da (in) Justiça do Trabalho, que está acabando com as empresas, em razão destas decisões absurdas.
Seria interessante saber o posicionamento de suas Exas., caso este maluco irresponsável, provocasse um acidente fatal com algum de seus pares. Será que o entendimento seria o mesmo?

Responder

Inacreditável

ABSipos (Advogado Autônomo)

Seria válido anular a punição anterior com pagamento das verbas salariais e reflexos e manter a justa causa, mas essa decisão é um crime.

Responder

O TST tem que acabar.

Professor Edson (Professor)

Um tribunal que legisla em vez de cumprir a lei deveria ser extinto.

Responder

Não concordo,mas concordo!

Neli (Procurador do Município)

Se a empresa achou por bem aplicar, apenas, três dias de suspensão ao motorista infrator, depois não poderia voltar atrás e demitir.
Não concordo com a pena baixa.
Uma irresponsabilidade dirigir embriagado.
Mas, concordo com a r. decisão!
Mas, para não ter dupla punição, o Tribunal está corretíssimo.

Responder

Invenção

JB (Outros)

Se a empresa não inventasse tanto e fosse direto na justa causa tinha conseguido êxito, o tribunal explicou muito bem. A empresa quis primeiro humilhar, fazer o sofrimento psicológico no trabalhador e dançou, bem feito para esta empresa parar de fazer gracinha com seus trabalhadores.

Responder

Indentifique seu inimigo e trate-o como tal...

Mig77 (Publicitário)

Quanto à Justiça do Trabalho, é bom continuar tendo muito medo dela, agora, respeito por ela não se deve ter qualquer.
As pessoas do polo passivo, isto é, os que não geram renda para o país, só geram despesas, continuam determinando os passos de quem produz e paga as contas delas.
O jeito é blindar o patrimônio no que for possível, identificar seu inimigo, no caso o Estado e tratá-lo como tal.

Responder

Sérgio Reis

Sergio Soares dos Reis (Advogado Autônomo - Família)

Sobre o (bis in idem). Pensão Alimentícia: Condenações:
1) - Prisão
2) - Protesto

Ainda, sem o Trânsito em Julgado perante a 2ª Instância.

Responder

TST

Professor Edson (Professor)

Esse garantismo do TST já passou do limite do aceitável, o legislador precisa dar um basta nisso urgentemente, os julgadores perderam completamente a noção.

Responder

Dizer mais o que......

Professor Edson (Professor)

Esses são os malucos que julgam as causas trabalhistas no Brasil.

Responder

absurdo!

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nos termos do art. 932 , inc. III do Código Civil , é responsável pela reparação civil o empregador ou comitente, por seus empregados, serviçais e prepostos, no exercício do trabalho que lhes competir, ou em razão dele.
Nos termos da Súmula 341 do STF, é presumida a culpa do patrão ou comitente pelo ato culposo do empregado ou preposto.
A empresa vai ter que arcar com todos os danos do acidente de trânsito. E imagine possíveis consequências em se tratando de um carregado de combustível.
E acredite quem quiser, chamam TAL COISA DE JUSTIÇA DO TRABALHO.

Responder

País das maravilhas

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Tem razão Doutor Hélio Telho, Procurador da República.
O TRT cancelaria a suspensão com aplicação da justa causa. Agora o motorista tem "carta branca" para dirigir com uma garrafa de pinga como companheira de todas as horas.

Responder

Que piada!

Leonardo BSB (Outros)

É sério mesmo isso?! Dá pra acreditar?!

Responder

País das maravilhas

Helio Telho (Procurador da República de 1ª. Instância)

Não seria mais justo então cancelar a suspensão em vez da justa causa, em razão da gravidade da conduta?

Responder



Comentar

Comentários encerrados em 25/06/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.