Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

Tudo depende da força...

Justus (Jornalista)

Enquanto isso o juiz Sérgio Moro não é julgado.

Data vênia!

Neli (Procurador do Município)

Sou pelo bom senso.
A juíza errou, mas, creio que essa pena(afastamento) é exacerbada.
Com a devida vênia, esse Conselho está aplicando uma pena altíssima, para algo que,olhando daqui, não se vislumbra dolo, má fé ou vantagem pessoal.
Aí sim, seria o caso até de expulsória, mas, no caso narrado, uma suspensão de 90 dias, estaria mais adequado para que na próxima ela não seja negligente ao julgar.
Saber julgar, em qualquer setor da vida, é uma arte que nem todos têm.
Data máxima vênia.

Interferência em decisão judicial

Roberto Strazzabosco (Advogado Autônomo - Consumidor)

Ora, trata-se de mais uma tentativa de ingerência do CNJ em decisões JUDICIAIS. Se a juíza deu as liminares sem visar qualquer vantagem pessoal - e o próprio malfadado CNJ reconheceu isto - cabe RECURSO JUDICIAL e não representação à corregedoria ou ao CNJ, que deveria atuar somente em questões ADMINISTRATIVAS. De fato, nem o regime militar ousou criar um monstro como o CNJ, criação das esquerdas para dominar o judiciário.

Manifestação da soberba

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Em termos práticos, a Juíza que incorreu em falta será premiada com dois anos de inatividade com remuneração, o que poderia ser considerado o sonho de consumo do cidadão comum moderno. Trata-se, em verdade, da expressão mais pura da soberba provinda da magistratura, humilhando o povo brasileiro com a "punições" que na verdade são notórios prêmios distribuídos aos magistrados, na prática totalmente inimputáveis.

Comentar

Comentários encerrados em 21/06/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.