Consultor Jurídico

Notícias

Troca de prioridades

Governo corta verbas da ONU para retomar emissão de passaportes

O presidente Michel Temer (PMDB) sancionou nesta quarta-feira (19/7) projeto de lei que autoriza um crédito suplementar de R$ 102,4 milhões para restabelecer a emissão de passaportes no país. Segundo o próprio governo, os recursos serão transferidos de verbas que o Brasil enviaria à Organização das Nações Unidas (ONU).

Emissão de passaportes está suspensa desde 27 de junho; apesar da sanção, ainda não há data para a entrega voltar ao normal.
Marcelo Camargo/Agência Brasil

A entrega de novos passaportes foi suspensa em 27 de junho, quando a Polícia Federal anunciou ter atingido o limite de gastos do Orçamento do ano inteiro — os recursos iniciais foram contingenciados na tentativa de cumprir a meta fiscal de 2017.

A PF continuou abrindo agendamento on-line e atendendo inscritos, sem previsão de quando os documentos ficariam prontos. Ainda não foi anunciada data para resolver o problema. Depois que a lei for publicada, o Ministério do Planejamento precisa abrir o empenho de recursos e autorizar o repasse ao Ministério da Justiça, que então destinará o dinheiro à PF.

Embora os interessados paguem taxa de R$ 257,25 pela versão comum do passaporte, a arrecadação não vai diretamente para a Polícia Federal, mas para um fundo comum da instituição, destinado também a outras atividades.

Inicialmente, o governo havia decidido retirar recursos do Ministério da Educação, destinados a programas de alfabetização de jovens e adultos, capacitação para educação básica e estudos de graduação, pesquisa e extensão, por exemplo. Diante da repercussão negativa, decidiu usar verba prometida à ONU.

O Planalto espera que os R$ 102,4 milhões garantam a emissão até o fim deste ano. Em média, a PF faz 8 mil atendimentos diários relacionados a passaporte, segundo a corporação. Com informações da Agência Brasil e da Assessoria de Imprensa do Planalto.

Revista Consultor Jurídico, 19 de julho de 2017, 20h22

Comentários de leitores

5 comentários

Para a Conjur

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Essa nova moda de encher de anúncios de artigos publicados e mais publicidade antes de chegar no ícone para comentar o artigo é altamente irritante ! O que antes era até um prazer participar do debate jurídico tornou-se um permanente desafio de paciência sem falar na total perda de tempo. Quem quiser ler determinado artigo, procurará por data ou na busca por assunto. É uma poluição visual e excesso de cliques desnecessários, cujo único efeito é o permanente "emputecimento" do leitor. Como se nós, brasileiros, já não estivéssemos "putos" o bastante com as notícias e artigos que são publicados na Conjur.

Responder

Para o governo federal

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Quaisquer verbas que se destinem à ONU e outras organizações internacionais, governos de outros países, pessoas de outros países, EMPRESAS de outros países devem ser suspensas até que a Economia brasileira esteja recuperada. A começar pela extinção da taxa de desemprego. Não esperem a extinção dos desempregados, pois é muito mais provável a extinção de vocês.

Responder

Dra. Simone Andrea, só um comentário

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Muito mais importante do que ser um documento de identidade, o passaporte é uma garantia constitucional de nosso direito de ir, vir, permanecer e se escafeder. Ninguém é obrigado a permanecer nesse País com seus bens para ser torturado, humilhado, ridicularizado sem ter feito nada errado. No mais, total apoio ao seu comentário.

Responder

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/07/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.