Consultor Jurídico

Comoção social

Mulher que bateu em cão até a morte é condenada por danos morais coletivos

Retornar ao texto

Comentários de leitores

4 comentários

Decadência total

Contribuinte Sofrido (Outros)

Concordo plenamente com a condenação dessa desumana que espancou um indefeso animal até a morte. Mas gostaria de saber se o MP vai ter a mesma disposição para, além da ação penal, deflagrar ação por danos morais coletivos contra os monstros que degolaram e/ou fatiaram outros seres também nada humanos, mas que causou, como no caso do cão, uma repulsa nacional e internacional com as imagens também veiculadas na internet.

Por que não põe para trabalhar?

Observador.. (Economista)

Em lugares que abrigam animais perdidos, ou que sofreram algum tipo de maltrato?
Qual o problema do trabalho, no Brasil?
Seria muito melhor a pessoa ser obrigada a trabalhar do que simplesmente pagar algo.
Mas, em Bruzundanga, como bem já disseram os outros comentaristas, preferimos ter pena do transgressor do que da vítima, seja esta humana ou não.
Em Bruzundanga, ser vítima é sofrer de todas as formas possíveis.
Só temos olhos e indenizações para transgressores.
Na lógica ilógica atual, famílias de presos mortos recebem indenização porque o estado falhou, mas vítimas de crimes, causados pela falha do estado em dar segurança, não recebem nenhum tipo de apoio....de ninguém.
Conseguiram deformar corações e mentes nestes tristes trópicos....

Lamentável

incredulidade (Assessor Técnico)

Falta ao Judiciário brasileiro mais proporcionalidade na fixação de danos morais, individuais e coletivos.
Não cabe ao Judiciário verificar a situação econômica do agressor, na fixação da punição, senão para majorar a pena.
Que se desfaça dos seus bens voluptuários para a quitação da dívida. Certamente deve ter automóvel, tv a cabo, outros mimos, dos quais deve ser privada por determinado período, para entender as consequências do que fez. Enquanto pensarmos naquele que pratica algo ilícito como alguém que deve ser protegido e não punido, o sistema preventivo jamais vai funcionar.
O praticante de ilícito deve, primariamente, sofrer (sim, sofrimento) as consequências do seu ato, para ser recuperado, se possível, após a pena. A finalidade primária do sistema não é recuperar.. é punir...
Isso não legitima tortura pelo Estado, mas não permite ao Juiz que pense em tornar o cumprimento da pena algo menos gravoso possível para o condenado. Ele deve sentir sim desconforto, incômodo, privação de itens não essenciais. Uma criança aprende (ou assim deveria ser) que se desobedecer os pais, ficará privada de diversões, doces, jogos, etc, por determinado período.
Da forma como o Judiciário vê as coisas, provavelmente os seus integrantes, enquanto pais, privam a criança apenas de ver o desenho tal, e na hora tal, com a devida compensação posterior.
Por isso temos uma geração de mimados, esquerdistas burgueses, que sentem pena e remorso de tudo e que enxergam no Estado uma entidade má e "repressora".
Oito mil reais não é NADA. Esse é o valor que a criminosa vai pagar somadas todas as penas. Por torturar e matar com requintes de crueldade um ser indefeso.
Isso indica um claro desvio de personalidade, e uma propensão à prática de outros ilícitos.

e praticamente impune

hammer eduardo (Consultor)

Nos últimos dias as discussões tem sido logicamente direcionadas para a barbárie entre as "feras" enjauladas naquela região norte do que sobrou do Brasil.

Outros assuntos ficaram meio que parados no acostamento porem esta noticia realmente provoca revolta pois apesar de todas as campanhas de educação de nossa População eminentemente IGNARA , ainda ocorrem casos de bestialidade humana como essa aqui descrita. Não perderei tempo me debruçando sobre esta fera ensandecida que praticou um ato como este porem acho muito "suave" a pena imposta baseada única e exclusivamente nos esotéricos "danos coletivos".
Acredito que para ao menos se tentar amansar uma FERA deste calibre , mais proveitoso seria ter condenado esta repugnante figura a prestação de serviços em alguma SUIPA , de preferencia bem longe da casa dela por um período bem longo para de repente aprender um pouco com os Animais do que falta em seu miserável dia a dia.
Doloroso é saber que nos dias de hoje com esta infestação descontrolada de telefones com cameras , a preocupação maior de nossa sub-população não é tentar ajudar ou diminuir a gravidade destes atos mas apenas gravar para depois postar nas tais "mídias sociais" que via de regra colaboram mais um pouco para nosso processo de imbecilização coletiva.
O saudoso Stanislaw Ponte Preta já na década de 60 chamava de maneira visionaria a televisão de "maquina de fazer doido" , imagino o que diria nos dias atuais em que a comunicação de massas virou este bestialógico em larga escala.

Comentar

Comentários encerrados em 19/01/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.