Consultor Jurídico

Combate intensificado

"Aumento da repressão ao tráfico de drogas reduziria número de presos"

Retornar ao texto

Comentários de leitores

23 comentários

Nenhum valor cientifico

_Eduardo_ (Outro)

A entrevista revela... a opinião do entrevistado e... Nada mais. Todas as considerações são feitas sem qualquer respaldo em dados concretos, inclusive ignorando o que ocorrer em outros países. Um amontoado de achismos. Eh algo meio próximo a fé. O entrevistado acredita nas suas premissas, e os leitores tem que acreditar tb. Para achar, eu também acho um monte de coisas.

Artigo lúcido e sensato

César Dario (Procurador de Justiça de 2ª. Instância)

Parabéns ao articulista. Sem dúvida nenhuma é a melhor entrevista que li sobre o tema. Profundo conhecedor do assunto e com ideias defensáveis e concretas.
A ideia da descriminalização do porte de drogas para uso pessoal me dá até arrepios. Penso nos inúmeros jovens que são contidos pela proibição. Com a legalização estariam livres, leves e soltos para fazerem uso das drogas e o vício iria aumentar sobremaneira. A falsa ideia de liberalização de tudo o que é ruim não é sensata e apenas visa a desafogar o sistema prisional e a sociedade que se vire. Pensar na ideia de "tráfico privilegiado" é uma falácia. Não existe pequeno traficante, mas traficante que é flagrado com pequena quantidade de droga, já que as porções maiores estão guardadas, visando, com isso, passar-se por usuário ou para ter direito à redução da pena. Santa ingenuidade ou pura má-fé de alguns. Todo traficante faz parte de uma grande engrenagem, que está destruindo famílias e corrompendo a sociedade. Só não vê quem não quer.
Nosso sistema de execução penal é uma piada. Na teoria, não é dos melhores, mas dá para ser aplicado. Na prática, não existe o regime semiaberto e o aberto. Na ausência de vagas no semiaberto é concedido o regime aberto. Como não há casas do albergado na imensa maioria dos Estados, a pena é cumprida em casa.
Sistema desse tipo só incentiva a criminalidade, pois o direito penal deixa de ter efetividade e faz valer a pena a prática delitiva.
Já está na hora desse sistema ser revisto para serem aplicadas penas que efetivamente previnam a prática de outros delitos e não a incentive, como ocorre atualmente.
Por isso, concordo plenamente com os argumentos trazidos por alguém que milita na área e sabe como as coisas funcionam na prática.

Na contra-mão

Antônio Pellizzetti (Advogado Autônomo - Criminal)

Com o devido respeito ao procurador MÁRCIO CHRISTINO ele está totalmente errado e na contramão de todas as fórmulas e orientações modernas. Não é pelo punitivismo que vamos resolver a situação das drogas no mundo, nem no Brasil!

Comentar

Comentários encerrados em 6/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.