Consultor Jurídico

Entrevistas

Lares destroçados

"Penas por tráfico de drogas atingem as famílias das mulheres condenadas"

Comentários de leitores

12 comentários

Para Bia (Advogado Autônomo-Empresarial)

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Quero crer que a colega fez seu comentário sob forte emoção devida a alguma experiência pessoal nefasta. Acusar os colegas de forma generalizada é injusto e, no nosso caso, sem provas, é ato ilícito. Em todas as profissões existem "os bandidos" que, após a apuração de suas condutas, perdem a qualidade profissional de que foram investidos. Assim são os advogados, médicos, policiais, juízes, promotores, procuradores, etc. Quanto à defesa na área criminal, está prevista na Constituição e em muitas outras leis. Assim como o tratamento por médico de dependentes químicos, de criminosos feridos a bala em confrontos com a polícia. A defesa na área criminal também se faz para pessoas descontroladas que matam parceiros por ciúmes, matam por intolerância religiosa, racial, etc.Quanto ao valor dos honorários, a princípio, não me parece correto criminalizar o recebimento de honorários acima de uma determinada quantia que a colega não estipulou. Se for cabível essa discussão, também deveria ser aplicada a vencimentos de servidores públicos, lucros de empresas, cachês de artistas, salários de jogadores de futebol, etc. Isso lembra muito um sistema sanguinário que surgiu no século XX, chamado de comunismo, que não deu certo em lugar nenhum. Penso que a colega deveria refletir se tem mesmo vocação para a área jurídica, a despeito de ter demonstrado conhecimento teórico e ter obtido a carteira da OAB.

Responder

Traficantes "vítimas"????

Bia (Advogado Autônomo - Empresarial)

Pessoas insensíveis como os advogados criminalistas que ganham muito dinheiro com os criminosos citados, a exemplo dos que também defendem com intensidade midiática (ferindo o Código de Ética da própria OAB) os políticos tb criminosos, só revisariam ou revisarão sua opinião a respeito do assunto quando tiverem um/uma FILHO/A morto/a de overdose. Qualquer outro parente não os faria se intimidar. Continuarão a defender os verdadeiros assassinos em série (literalmente, não se trata apenas de mortes por drogas) que são os traficantes e suas quadrilhas. Entrevista com viés pura e simplesmente ideológico. Só faltou gritarem, no fim: "É GOLPE"!!!! Brasil e brasileiros já estão cansados dessa ladainha apátrida! Todos, traficantes e seus defensores, merecem ser mandados para a Indonésia!!!

Responder

Lastimável!

Serpico Viscardi (Professor)

Poucas vezes li tanta baboseira reunida num só texto.

É repleto de preconceitos e inverdades!

Quem destrói a família da traficante é ela mesma, quando decide vender drogas. E ainda leva junto pro buraco centenas de famílias de viciados.

Uma traficante é péssima influência pra sua própria família, e a melhor coisa que pode acontecer é ficar longe de seus filhos, para não exercer influência e, por vezes, aproveitar da menoridade para utilizá-los no crime!

Em resumo, busca-se emprestar um roupagem científica para ideias absurdas, que só servem para levar o Brasil pro buraco!

Responder

Lamentável!

FelipeF (Servidor)

Dar espaço a pessoas para propagar inverdades e desinformação, com argumentos patéticos e outros tantos repletos de falácias naturalistas... O pluralismo de ideias, conquista das sociedades democráticas, já não é mais posto em prática nesta revista eletrônica há algum tempo, apostando na imposição de ideologia rasteira e ingênua, típica do fascismo cultural que se instalou na academia.

Até parece que esse espaço se tornou uma sucursal do "Carta Capital/Justificando"...
Enfim, em vez de se apostar no debate de concepções para o aperfeiçoamento das instituições, prefere-se o radicalismo ideológico.

Lamentável!

Responder

A mulher traficante

Bellbird (Funcionário público)

não se preocupou com os familiares dos viciados. Famílias destruídas, sem dinheiro, muitas vezes sem nem onde morar.

Responder

Quanto $$$$

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

A pergunta que faço é quanto estão recebendo das empresas que serão beneficiadas com a liberação das drogas? Perguntas cuja formulação já induz sempre a mesma resposta, eco entrevistados ou são coligados ou da mesma corrente de pensamento.

Responder

Para o nobre colega que escolheu trabalhar

GL Silva (Servidor)

Quem fabrica, distribui e comercializa cigarro e bebidas alcoólicas também escolheu trabalhar, nem por isso vai ser morto pela polícia, ter sua casa arrombada e passar anos e anos na cadeia.

Responder

Os criminosos vagabundos também afetam a vida do familiares

daniel (Outros - Administrativa)

Os criminosos vagabundos também afetam a vida do familiares dos usuários..... Quem opta por servir ao crime, tem que assumir as consequências e riscos.....

Responder

Penologia e Cidadania

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Congratulações Dra. Maíra e Dr. Sérgio pela excelente entrevista. Vou iniciar o comentário a partir da assustadora estatística de encarceramento feminino depois a Lei de Drogas. É assustador pensar que as mulheres que ficam muito tempo em casa sejam presas como traficantes se encontrarem drogas que seus companheiros ou filhos traficam. E o caos familiar é evidente. Se elas transportam para auxiliar o companheiro, às vezes sem saber, é muito triste ver a ânsia com que os policiais querem apresentar um culpado e não em descobrir que é realmente culpado. Com relação às penas, há muito tempo defendo a tese de que só devem ser encarcerados os delinquentes que praticam crimes com violência. Também acho que o réu primário nunca deveria ser encarcerado, deveria receber várias penas e medidas alternativas. É muito interessante a proposta da Dra. Maíra sobre a criação de varas de execução de penas alternativas. Entendo que a recuperação do delinquente é problema de toda a sociedade, mas, se no contato individual, os temores e preconceitos das pessoas impedem a ressocialização, a nível institucional, o Estado deveria abrir vagas de trabalho para aqueles em regime semiaberto e aberto, e vou mais longe, critico a Dra. Maíra com relação à recente atuação dos militares nos motins dos presídios. Os militares têm suas funções e plena consciência delas e se foram ao presídios é porque avaliaram a necessidade. E gostaria de propor uma participação ainda maior, que fosse colocada como pena alternativa ou, no caso de cumprimento de pena de prisão, como meio de remir a pena, o serviço militar que muitas pessoas consideram como benéfico para a formação de cidadãos. Mais uma vez, doutores, congratulações pela entrevista.

Responder

Solução e escolha

Alair Cavallaro Jr (Outros)

Solução, liberar as drogas, escolha, eu escolho trabalhar ao invés de traficar.

Responder

E os homens?

Márcio Alves Pinheiro (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

As penas por tráfico também atingem as famílias dos homens. Vamos liberar geral? Isso que dá colocar mulher machista pra fazer artigo. Justifica o injustificável.

Responder

Mais uma parcial.

Professor Edson (Professor)

Essa gente é boa pra fazer discurso, mas na hora da realidade andam de carros blindados com medo da violência.

Responder



Comentar

Comentários encerrados em 2/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.