Consultor Jurídico

Diário de Classe

O símbolo Leviatã: o quanto de não dito há nas palavras da operação "lava jato"

Retornar ao texto

Comentários de leitores

9 comentários

Direito, a arte da EMPULHAÇÃO!!!

Gerson Caicó (Estudante de Direito)

para quem não entendeu a PS, como eu, mas que fui buscar no Google a relação (viu, Prof Lênio?), o nome Estagirita para uma operação que envolvesse alguém chamado Ari, alude a ARIstóteles, o filósofo de Estagira-Grécia.
Desculpem-me os doutos 'adevogados' leitores do Conjur, é que eu tenho dificuldades de acompanhar a retórica e o raciocínio do mestre agudense, daí a necessidade, bastante frequente, de lançar mão dos santos Google e Priberam para aclarar o entendimento....hehehehe
Enquanto a hermenêutica jurídica não purificar o Direito, este não passará de uma: arte da EMPULHAÇÃO!!!
A prática forense cotidiana é prova cabal disso!

Ecco qua !!!

Sersilva (Advogado Associado a Escritório - Administrativa)

Diz-se que o hábito faz o monge, mas sobretudo, o devoto.
Parabéns aos articulistas (é rir para não chorar).

Um inferno com legislação angelical e anjos com rabo de seta

Daniel miranda da Silva (Policial Militar)

Leio sempre os textos do professor Lenio, brilhantes argumentos embalados em irretocaveis fundamentos.Não cabe aqui qualquer crítica aos reiterados manifestos contrários ao rolo compressor chamado " operação lava jato". Não obstante as ilegalidades cometidas na ânsia de buscar punição para essa quadrilha que a décadas dilapida os cofres da União, dos Estados e municípios,prefiro ver tais críticas como possíveis, "cartões de visita" para atuar nas milionárias sociedades enganjadas em defender esses dilapidadores do património público. Me assusta a falta de sensibilidade de muitos juristas com a atual situação do Brasil. Se um país dependesse apenas de bons juristas e de críticas rebuscadas defensora de oligarquias para se desenvolver, deixariamos em pouco tempo os paises escandinavos corados de vergonha com o nosso IDH.

Glória aos autores

Rivadávia Rosa (Advogado Autônomo)

Nada de novo, [re] lembrando o Eclesiastes.
A oligarquia nativa acredita piamente no “deus Estado” para resolver os problemas nacionais.
Assim, determinada facção erigida a oligarquia uma vez ungida pelo voto, finge ignorar a Constituição e nos impõe justamente a Armadilha Hobbesiana que operou ‘alegre, feliz e saltitante’, forjando a maior rede delitiva do Planeta, enquanto não atingiu a própria oligarquia, pela reversão da tática contra o tático.

P.D.: a “armadilha hobbesiana” é uma analogia do homem armado que supreeende em sua casa um ladrão também armado, e cada um deles é tentado a atirar no outro para não ser baleado primeiro. Esse paradoxo às vezes é chamado de armadilha hobbesiana, que na arena das relações internacionais configura o dilema da segurança.
Buenas, se o cidadão estiver desarmado o ladrão faz a festa.

Haja paciência!!!

Raquel Scarpelli (Professor)

Acho que a jornalista teria se saído melhor se justificasse que a escolha do nome Leviatã se deve ao fato de termos paciência de Jó! Ao menos seria uma melhor saída para o impasse.

Excelente artigo!

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

À evidência, os estultas e idiotas sempre encontram dificuldades na cognição dos bons e pedagógicos artigos. Existem os frustrados, malfadados, e por aí vai, é compreensível... Ora, presumir desclassificar fantástica argumentação em que se corrige distorções semânticas de operações policialescas sensacionalistas e midiáticas, é o fim da picada! Não por outro, o "homem é o lobo do (próprio) homem"! Por fim, parabenizo os articulistas pela pertinência do assunto.

Lênio...

Luciano L. Almeida (Procurador do Município)

só sossega quando conseguir negociar uma delação premiada.
Só fico triste de acompanhá-lo há longo tempo, no meu pouco tempo no Direito, e não conseguir lembrar um escrito dele sobre corrupção, "assaltos" monstruosos ao erário, política nojenta, etc., enfim, coisas envoltas em lama grossa que a "lavajato" fez aparecer, mas que sempre se soube existir. Preferia seus escritos sobre decisão judicial.

A hora do cidadão

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Doutores Rafael e Lenio, congratulações. A operação não se chama Leviatã por causa do Lobão, o pessoal da PF e da LJ não é trouxa. É exatamente o que quer dizer, os súditos alienam sua liberdade para receber segurança do Estado, é assim que pensam. Nos últimos tempos, depois dos motins dos presos, dos motins dos policiais, das decisões judiciais sem fundamento legal, só fundamento na arbitrariedade (ressalvadas as honrosas exceções), passei a advogar a defesa do cidadão. E isso significa :
1) reivindicar que o Congresso Nacional regulamente o exercício do direito à legítima defesa de si e de outrem.
2) concessão de porte de arma e autorização para comprar munição para todos os cidadãos.
3) admissão da candidatura independente de filiação partidária sem coeficiente eleitoral, apenas contagem de maioria de votos sobre outros candidatos. O coeficiente continuaria valendo para candidatos por partidos.
4) eleição direta pelos cidadãos para os membros dos tribunais e com mandato não superior a mandato parlamentar, e Júri Popular na primeira instância para todas as causas
Para mim, a gota d'água foi a greve dos policiais em seguida aos motins dos presos. Estão nos chantageando de todas as formas com a segurança. E pagamos cada vez mais tributos e somos cada vez mais espoliados para sustentar um Estado (Executivo, Legislativo e Judiciário) que só pensa em suas futilidades (ressalvadas as exceções) e enxergam os cidadãos como "coisas" que mexem para cá e para lá, mudam de posição, colocam de cabeça para baixo, deixam sem comer, machucam, etc., etc., etc.
Os cidadãos devem lutar pela cidadania, pelo Estado que trabalha para o povo. Somos duzentos milhões, eles são uma minoria.

então...

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Uma coisa é certa: "mente vazia é oficina do diabo".
Os "cumpanheiros" precisam procurar algo para se ocuparem.
Em especial, tomar conhecimento da máxima do ridículo.

Comentar

Comentários encerrados em 26/02/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.