Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opinião

Nosso compromisso com a democracia vai além das urnas, é diário e perene

Por 

*Texto originalmente publicado na edição deste domingo (31/12/2017) do jornal O Globo com o título "2018, o ano da incerteza"

O país vive tempos difíceis. E a fotografia do momento é, de fato, desalentadora. Os diuturnos escândalos de corrupção solapam em progressão geométrica a credibilidade das instituições democráticas e potencializam o descolamento entre os cidadãos e os seus representantes. Na economia, o controle da inflação e a melhora nos indicadores sociais não refletiram, ainda, o esperado (e almejado) aumento de qualidade de vida dos brasileiros. No social, os mais de 14 milhões de desempregados são o retrato triste do país. Se a fotografia atual é torpe, o filme, em contrapartida, pode (e deve) ganhar matizes distintos e melhores. E isso depende unicamente de nós.

Em 2018, temos encontro marcado com a superação dessas mazelas: é preciso buscar agenda de transparência na gestão da coisa pública, de fim dos favorecimentos escusos, de erradicação efetiva da corrupção e da redução real das desigualdades sociais. Nós, cidadãos brasileiros, imbuídos do amor mais genuíno ao país, não devemos nos furtar do imperativo moral maior de refundar as bases de nossa democracia. E isso não se esgota apenas no comparecimento formal às urnas em outubro.

É um compromisso republicano, diário e perene, calcado no maior engajamento cívico nas questões políticas de nossa sociedade. Somente por meio dessa atuação vamos expungir as patologias crônicas entranhadas na vida pública no país. Meu saudoso pai, imigrante romeno, foi acolhido por esta nação e aqui construiu sua vida, com suor e dignidade. Nutriu o nobre sentimento de gratidão pelo Brasil. E me legou um amor incondicional pelo país no episódio que relato. Quando jovem, fui convidado a trabalhar no exterior. Ele me disse: “Fique, meu filho, e sirva a este país, nosso país, e retribua, na maior medida possível, tudo o que ele nos deu, com todo seu empenho e determinação”.

E foi o que fiz ao abandonar a iniciativa privada e tornar-me um agente público aos 23 anos. O nosso caminho não pode ser o aeroporto. Nosso lugar é aqui, reconstruindo o país. É chegada a hora de realizarmos o Brasil, como preanunciava Mário de Andrade. Avizinhando-se a minha presidência no TSE, afirmo meu compromisso de manter a interlocução com a sociedade, a fim de emprestar a transparência, a lisura e a higidez, mandamentos cardeais do processo eleitoral. O roteiro do filme, somos nós quem fazemos, e, por isso, tenho certeza de que 2018 será o momento da virada positiva de nossa nação.

 é ministro do Supremo Tribunal Federal.

Revista Consultor Jurídico, 31 de dezembro de 2017, 17h17

Comentários de leitores

2 comentários

Compromisso republicano, Ministro Fux

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Um dos compromissos republicanos permanentes é diminuir as desigualdades sociais.
O Senador Álvaro Dias, há dez anos, "abriu mão" do auxílio moradia, não mora em apartamento funcional, paga as despesas com o salário puro e simples. Há 26 anos, "abriu mão" da aposentadoria a que têm direito os ex-governadores do Estado do Paraná. Feitas as contas, a estimativa é de que cerca de dez milhões de reais permaneceram nos cofres públicos do Estado do Paraná.
Essa atitude republicana está ao alcance imediato de todos os magistrados e membros do Ministério Público, bem como parlamentares e outros funcionários que recebem verbas excessivas quando tantos servidores não têm nem o necessário como os policiais civis e militares, os médicos, professores ....
Que 2018 seja o ano da mudança de rumo !

Assim seja!

Eliseu Belo (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Muito bom min. Luiz Fux: que Deus te ouça! Uma pena que o STF tem poucos ministros desse quilate. Feliz 2018, com muita paz e alegria a todos!

Comentários encerrados em 08/01/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.