Consultor Jurídico

Crueldade estatal

Paulo Maluf é vítima do arbítrio que um dia representou, dizem seus advogados

Retornar ao texto

Comentários de leitores

9 comentários

Ex deputado maluf

Rocha advogado do ES (Advogado Assalariado - Empresarial)

Sinto fraqueza em nossos Tribunais Superiores que trancafiaram um Idoso de 86 anos nesse degredo insustentável. A fraqueza está em falta de Autoridade de mandar o Idoso para casa sendo que tiveram sua juventude inteira para que o punissem sem nenhuma providência. Agora como mea culpa, fazem uma publicidade inconcebida alhures que na medida do entendimento médio sabemos que uma pessoa trancafiada dentro de casa fica com sua vida insuportável. São 86 anos e desmereceu o respeito por tantos quantos foram apadrinhados pelo ancião. Então respeite o Estatuto do Idoso, muitos de vocês já estão sob sua proteção. Dai a Cesar o que é de Cesar e a Deus o que é de Deus. O Brasil não possui prisão digna para um Senhor de 86 anos. Bola prá frente.

Código de ética e disciplina da oab

Leopoldo Luz (Advogado Autônomo - Civil)

Art. 33. O advogado deve abster-se de:
...
II – debater, em qualquer veículo de divulgação, causa sob seu patrocínio ou patrocínio de colega;

Advogado em caso ativo não tem opinião.

Leopoldo Luz (Advogado Autônomo - Civil)

Ao contrário do que diz o preâmbulo do texto, não estamos diante, exatamente, da opinião de advogados do caso, senão da extensão da defesa, pela via da mídia, visando influenciar a opinião pública.

Como diria o saudoso Tião Macalé - NOJENTOS !

hammer eduardo (Consultor)

Palavra que não sei se fico perplexo ou enojado , talvez mais para a segunda opção.
Infelizmente no Brasil temos que assistir em nome desta hipocrisia de ampla defesa e contraditório estas verdadeiras agressões civilistas travestidas de demonstração de Justiça. Pena que só ocorram a favor de clientes de moral altamente duvidosa e que via de regra regaram principescamente bancas de divogadios de ocasião para se manterem soltos por décadas e neste caso , quase que por outra encarnação.
Esse turquinho comprovadamente SAFADO tem muitos admiradores que já devem ter arrancado uma belíssima grana dele , inclusive aqui no CONJUR já que muitas matérias de Debatedores que descascam em cima deste pilantra são sumariamente cortadas , destino provável desta aqui digitada no primeiro dia de Janeiro.
O fato da ABSOLUTA inoperância de nossa Justiça de fancaria PRINCIPALMENTE quando mexe com o andar de cima , é algo dispensável de comentários. Este safado esta "na pista" desde o período da Redentora de 64 na qual se pendurou de maneira bem abjeta como é seu perfil.
O insuspeito e informadíssimo Jornalista Jose Neumanne Pinto esta semana falou abertamente da desenvoltura completa que o turquinho mostrou num Restaurante pouquíssimo dias antes da cana o que ajuda a deduzir que aquela PALHAÇADA do velhinho decrepito só engana mesmo quem se dispuser a ser idiota adicional. OBVIO que tudo isto tem o dedinho dos rabulas de aluguel que tentam criar um clima emotivo entre os que porventura poderão vir a solta-lo , cacique boca mole no meio. Se demorou muito ou não é outro problema mas preso, que morra podre na cadeia o que certamente não ocorrerá.

Risível é pouco.

Professor Edson (Professor)

Vejam só, eles querem embargos infringentes em uma condenação unânime, risível e lamentável a exploração da impunidade nesse país.

Justiça e coerência

Eududu (Advogado Autônomo)

Não defendo (e nunca votei em) Paulo Maluf. Se condenado, com observância do devido processo legal, que cumpra a pena estipulada.

Mas, mesmo sem analisar o processo, tenho por princípio que a execução da pena antes do trânsito em julgado fere a garantia constitucional de presunção de inocência, de celeridade processual e, também, os princípios da moralidade e eficiência da administração pública.

Por que o processo demorou tanto para ser julgado? Por que agora, as vésperas do recesso do Judiciário, o Min. Fachin decidiu prender Maluf? Não seria mais correto julgar os embargos infringentes, como é dever e função do Poder Judiciário, e, caso confirmada a condenação, mandar prender o acusado? Por que julgar os embargos infringentes é tão difícil e complicado? Por que o STF, com toda sua estrutura, não consegue entregar uma prestação jurisdicional segura, célere e efetiva?

Por fim, imperioso salientar que, com tantos corruptos em prisão domiciliar (a maioria mais jovem e em domiciliar sob questionáveis motivos), um octogenário está no regime fechado.

Não defendo nem tenho pena do Maluf. Mas, se queremos Justiça, sejamos justos.

E, aproveitando o comentário do prezado olhovivo (Outros), não custa lembrar que Fachin teve o apoio explícito e notório dos irmãos Batista para sua indicação ao STF ( os mesmos que tiveram o perdão de seus crimes homologado pelo próprio). Mas é proibido questionar sobre isso. É atentado à independência do Judiciário.

O Judiciário investe no ativismo e na demagogia para esconder suas mazelas.

Não adianta posar de paladino da ética e da Justiça. O estado no qual nos encontramos não ocorreu sem a complacência do Poder Judiciário, que, como as demais instituições, foi meticulosamente aparelhado.

É a triste realidade.

O submundo da nossa democracia

Antônio César Alves Fonseca Peixoto (Advogado Assalariado - Civil)

O artigo chama a atenção pela seguinte passagem:

"Talvez só assim, quando tiver sobrado pouco do ser humano lançado às chamas em praça pública, como exemplo, Suas Excelências quem sabe poderão sofrer um lampejo de humanidade e permitir que um cidadão de 86 anos possa cumprir sua pena de prisão trancafiado em casa. Enquanto isso, alguns continuam a aplaudir o espetáculo cruel da insensibilidade e da injustiça."

Não é assim com as vítimas dos crimes de colarinho branco? Quem se importa com o Natal de milhoes de famílias de desempregados, e tantos outros desafortunados, que foram despidos de direitos básicos que lhes permitiriam ascender socialmente, e que ao contrário, se arrastam pela vida carregando cruzes inimagináveis para qualquer de nós?

Tenho comigo que não há pena, nem castigo, há consequência, e atinge a todos igualmente, sem piedade.

Já as consequências para a sociedade dos crimes de colarinho branco, não são lembradas. A condenação do agente não significa que as vítimas desses crimes serão reparadas, se é que isso seria possivel.

Desse modo, falar que o combate a esse senhor passou a representar a derrota da cidadania, dos direitos individuais e da democracia tão arduamente conquistada, é um desatino que revela um dos fatores mais influentes para a desigualdade social. Essas pessoas, vítimas dos crimes de colarinho branco, são, simplesmente, ignoradas pelas classes dominantes.

Indaguem dessas pessoas qual a percepção que elas têm desses valores. Quando muito vão sintetizá-los no direito de votar, mal sabendo que os canditados são escolhidos pela própria classe dominante, e que em muitos casos o eleitor não tem opção, senão anular o voto.

Isso não é democracia, é oligarquia.

Esperavam o quê?

olhovivo (Outros)

Esperava-se o quê desse tal Fachin que ninguém conhecia no meio jurídico?
Foi cabo eleitoral da dona Dilma (aquela mulher-sapiens que adorava discursar sobre mosquitas e mandiocas) e depois recompensado por ela com a nomeação para o STF. Aliás, existe alguém nomeado por ela para o STF que esteja à altura do cargo?

Maluf irritado

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Maluf tem razão em estar irritado com a sua prisão.
Contratou advogados "a peso de dólares", que pensaram que a destemida Ministra do STF, Cármen Lúcia, iria ceder diante de suas notoriedades e da importância do acusado.
Com uma justiça eficiente, não será mais necessária a contratação de advogados "afamados". Basta um mestre ou doutor.

Comentar

Comentários encerrados em 7/01/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.