Consultor Jurídico

Comentários de leitores

17 comentários

Incompreensividades !

Jadir Sant Anna (Contabilista)

Prendem o Sr. Maluf, já morimbundo e soltam um "garotinho", gordinho, sarado !
Home (como se diz no sertão), toma o dinheiro que esse pessoal roubou e aplica na educação, segurança, etc... Bota esta turma na rua porque o povo já sabe quem é quem, em todos os poderes da República, principalmente o Econômico, que é quem decide !, Devolva-se ao povo do Rio de Janeiro o que o pessoal subraiu! Por acaso, algum juiz no Brasil, já vendeu sentença ?
Vamos fazer o mais fácil : tragam o dinheiro de volta, mesmo que eles tenham que vender o patrimônio construido com o dinheiro do povo e solte a rapaziada, que já estão condenados pela população.

Quem defende muito a bandidos, bandido é

adv__wgealh (Advogado Autônomo - Ambiental)

Uma coisa é defender um bandido, outra é torcer a lei para beneficiar conhecido e escancarado bandido, provado, comprovado, mas solto.
Esta cada dia mais dificil um julgamento sério, SOLTAR BANDIDO DEVERIA SER DECIDIDO PELO PLENO, jamais por decisão monocrática de conhecido "solta geral".
Porque até hoje a infalivel Receita Federal não investigou a origem e evolução astronomica da fortuna do ilustre ministro do STF... ninguem tem a resposta, porque está protegido pelas influências palacianas.
MAS O FIM ESTÁ CHEGANDO.

Salve o ministro Gilmar Mendes!

Erminio Lima Neto (Consultor)

concordo em gênero, numero e grau+ com as palavras do dr. Carvalho; as criticas que o ministro Gilmar Mendes está recebendo, tem como principio a indignação, de todos nós, pela estratosférica corrupção, mas não traz no seu bojo, uma linha sequer que são ilegais. No mais, a "esquerda" da Suprema Corte, também solta os "seus" até perdoa condenação, sem receber as mesmas críticas.

Aragão X Mendes

MMoré (Outros)

Oportunas as palavras de Eugênio Aragão: "Gilmar Mendes age feito um bom jogador de buraco. Não desdenha as cartas do lixo, pensando na canastra futura. Para fazer ativo jurisprudencial a ser usado em caso de algum amigo precisar, mostra-se benevolente com os inimigos. Profundo conhecedor do Direito Constitucional, sabe que benefícios extraordinários só conseguem se legitimar na aparência de alguma isonomia."

Salve, Min. Gilmar Mendes!

CARVALHO (Advogado da União)

Nós, sobretudo os advogados, deveríamos cumprimentar o Min. Gilmar Mendes, que vem corajosamente nadando contra a correnteza na defesa dos DF com âmbito de proteção estritamente normativo (a presunção de inocência é o mais ameaçado), que são os mais frágeis em tempos de ativismo judicial e jurisprudência dos valores; direitos que, sendo uma "construção" do Estado, dependem de densificação/preservação/autocontenção pelo PJ. Se basta uma geração para desfigurar esses direitos, fazendo-o pela via interpretativa (Hitler não alterou a Constituição para criar o Nazismo), o Min. Gilmar, no STF, e o Prof. Streck, na academia, tem papel importante contra esse risco.

Pf, vamos investigar

Fogaça (Outro)

O que resta agora é a PF Investigar. Iniciando pela quebra de sigilo, bancário, telefônico do próprio Gilmar, como também dos seus assessores diretos e familiares e os próprios beneficiários, pois, como bem se sabe, sempre tem um "laranja" que segura as pontas. Sabemos também, que o beneficiário sempre vai negar a propina.

Aguardamos uma ampla investigação.

João B. G. dos Santos (Advogado Autônomo - Criminal)

Gilmar Mendes não possui o comportamento que se deseja de um magistrado e isto é fato. Joaquim Barbosa em debate no plenário do STF disse que Gilmar Mendes iria destruir a credibilidade e a própria Justiça do Brasil e isto é fato. Luís Roberto Barroso em debate no plenário do STF afirmou que Gilmar Mendes não trabalha com a verdade, muda de jurisprudência de acordo com o réu e tem parceria com a leniência em relação à criminalidade do colarinho branco e isto é fato. Cláudio Fonteles e Marcelo Neves apresentaram ao Senado um pedido de impeachment de Gilmar Mendes e há uma petição virtual com o mesmo desiderato com quase dois milhões de subscritores e isto é fato. Portanto, é muito acertado que se investigue o Juiz de Direito Glaucenir Oliveira, titular da Zona Eleitoral e da Vara Criminal de Campos dos Goytacazes, ouvindo-se como testemunhas Joaquim Barbosa, Luís Roberto Barroso, Cláudio Fonteles, Marcelo Neves e o povo brasileiro, para vermos o que sobra de Gilmar Mendes e isto é fato. No mais, eu concordo com o comentarista Marcelino Carvalho, pois realmente é fácil de resolver, discordo do comentarista Observador, pois o Brasil aprende sim e lembro ao comentarista Le Roy Soleil, que latim não se acentua.

É o fim da picada

Observador.. (Economista)

Igual ao Presidente da República no início deste ano, cria-se uma situação, não apresentam provas, e o "acusado" que se vire para explicar o que o acusador deveria estar provando.

É o fim da picada terminar o ano do jeito que se começou.
O Brasil nunca aprende?

De resto, o comentarista " Le Roy Soleil" em seu escrito foi tão cristalino que não sobra o que acrescentar.
De qualquer forma, agora não se está em um show, agora há outra autoridade que deve reagir à altura diante do acontecido.
Gostemos ou não do Ministro, o país não pode virar uma nação onde fofocas desmontam a honra das pessoas e nada acontece.
Chega.

O último Natal de Gilmar Mendes como ministro

Luiz Fernando Cabeda (Juiz do Trabalho de 2ª. Instância)

O trecho que segue foi formulado por um dos jornalistas mais antigos e respeitados do país, Zuenir Ventura, na Folha de S. Paulo: "Gilmar ficou famoso por uma lista de beneficiados que inclui Abdelmassih, o de 278 anos de condenação por estupro de 48 pacientes, Eike Batista, Naji Nahas, Daniel Dantas e, mais recentemente, o poderoso chefão dos ônibus do Rio, um réu muito especial não só porque foi solto três vezes seguidas pelo ministro, mas por ser pai da moça de quem foi padrinho de casamento, além de tio do noivo. Aos que esperavam que ele se considerasse impedido diante dessas relações que poderiam comprometer a isenção do julgamento, ele respondeu entre irônico e cínico: “O casamento só durou seis meses”."
Outras considerações parecidas foram feitas por Augusto Nunes, na Veja, e Demétrio Magnoli, também na "Folha", mencionando o excesso de poder de Gilmar, formando uma "tropa de choque da toga".
Quando começou sua pregação, Gilmar Mendes voltou-se contra o hoje desembargador Fausto De Sanctis, querendo puní-lo por falta funcional, quando prendeu Daniel Dantas. A reação da magistratura de carreira fê-lo recuar.
Depois, GM se articulou com Toffoli e, ajudados por Lewandowski, soltaram José Dirceu.
Não se trata de grandes "teses" contra a prisão preventiva: trata-se de uma estratégia elaborada para soltar inclusive condenados, de "rever" as condenações por atos sumários, as vezes por decisões singulares ou por liminar em medidas cautelares.
Vale tudo porque é um "vale tudo".
O juiz de Campos dos Goytacazes fez soar as trombetas de Jericó. Não é mais possível retroceder.
Napoleão Maia, corregedor do TSE (que mostra de novo sua vocação para "Napoleão de birô") não pode investigar nada, pois já condenou o juiz carioca.
"Todo cambia", Gilmar cairá.

Eu ouvi o áudio

Le Roy Soleil (Outros)

"A MALA FOI GRANDE", diz o protagonista no indigitado áudio. Chega a ser RISÍVEL essa entidade defender tal fala como liberdade de expressão. A menos que se compreenda no direito à liberdade de expressão o suposto direito de assacar calúnia contra outrem. Ah, o vazamento da conversa é crime ! Outra ignomínia defendida pela nobre associação. Por acaso agora grupos de WhatsApp estão sob sigilo ou segredo, a ponto de configurar crime tornar público o que lá se posta ? E ademais, se é um grupo de magistrados, quem vazou magistrado o é. Ou não ? Ora, data máxima vênia !

Fácil resolver

Marcelino Carvalho (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Admitindo-se que a fala do audio é realmente do nobre Magistrado, basta ele passar ao CNJ de quem ele ouviu a história sobre a "mala" e porque ele, tendo notícia de um crime dessa gravidade, não o denunciou ou requereu de quem lhe trouxe a história que formulasse a denúncia.
No audio, pelos impropérios que ele assaca contra o outro magistrado (Gilmar Mendes), fica evidente que a pessoa ou as pessoas de quem ele ouviu isso são de sua grande confiança, pois ele demonstra ter acreditado piamente no que "ouviu" sobre a conversa da "mala".

acusação sem provas

Patricia Ribeiro Imóveis (Corretor de Imóveis)

acho que é injustificável uma acusação sem provas, principalmente quando feita por um juiz...

mas acho muito sintomático um outro juiz, sem qualquer prova, dizer de imediato que a acusação é absurda...

para mim, dois absurdos: o juiz que acusa outro juiz sem prova e o juiz que defende outro juiz também sem prova...

Correção

Aldir Junior (Jornalista)

Apenas para um esclarecimento: Glaucenir foi o juiz que decretou a prisão dos réus da operação Caixa d'Água, entre eles Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho, mas não é o magistrado que está à frente do processo atualmente, que é o Ralph Manhães.

Finalmente

Marcela Maria (Advogado Autônomo - Civil)

Finalmente alguém teve coragem de se levantar contra as decisões absurdas proferidas por GM e a crise que o Poder Judiciário está enfrentando, mas, infelizmente, sabemos que a corda sempre quebra para o lado mais fraco, espero que tenhamos uma exceção no caso do juiz.

Ele ouviu dizer de quem?

olhovivo (Outros)

Agora ele terá a chance de apontar quem disse a fofoca na qual se baseou para atacar a honra alheia. Além de espalhar fofoca esse juiz agride a própria independência do Poder ao qual pertence. Na sua visão, outros juízes não podem ter a liberdade de decidir em desacordo com o convencimento onisciente dele. Ridículo.

Implosão

O IDEÓLOGO (Cartorário)

Implosão do Poder Judiciário, desequilíbrio das instituições e consequência, retorno dos Militares.

Briga entre instâncias

Pekush (Advogado Autônomo)

Em nenhum momento o juiz acusou o ministro de ter recebido a mala, houve sim uma crítica em um grupo fechado, nada mais. Quem disponibilizou o áudio abertamente quer ver o circo pegar fogo, isso sim.

Comentar

Comentários encerrados em 1/01/2018.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.