Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dinheiro na Bolívia

Battisti se torna réu por evasão de divisas e terá de usar tornozeleira eletrônica

Preso em 4 de outubro na fronteira com a Bolívia com US$ 6 mil e 1,3 mil euros, o italiano Cesar Battisti se tornou réu pelo crime de evasão de divisas. A denúncia foi aceita pelo juiz federal substituto Rodrigo Boaventura Martins, da 3ª Vara de Campo Grande (MS).

Battisti foi preso ao tentar entrar na Bolívia com dólares e euros. Reprodução

Na mesma decisão, o juízo federal indeferiu o pedido para que o italiano colocasse a tornozeleira eletrônica na cidade de Cananeia, em São Paulo — a Administração Penitenciária do estado disse não ser possível atender ao pedido.

Depois de intimado, ele terá mais sete dias para ir a Campo Grande colocar o equipamento. O monitoramento eletrônico foi umas das condições impostas pela 11ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região para revogar a prisão preventiva do acusado.

Boaventura Martins também ressaltou que Battisti, ao ser colocado em liberdade, concordou com as condições que lhe foram impostas no Habeas Corpus julgado pela 11ª Turma do TRF-3 para a concessão da liberdade, entre as quais está o comparecimento a todos os atos do processo.

“A alegação de insuficiência financeira para o cumprimento da cautelar não encontra ressonância nos fatos imputados ao acusado, relativos à tentativa de saída do país de quantia superior aos limites legais, sem autorização do órgão competente”, destacou.

Battisti declarou à Polícia Federal que o dinheiro com que foi preso era seu e que estava indo à fronteira para pescar e passear.

“Tal circunstância, por ele alegada, é reveladora de capacidade econômica para o custeio do deslocamento a esta Subseção Judiciária, desta feita para fins de colocação do equipamento de monitoração eletrônica”, completou Boaventura Martins. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-3.

*Texto alterado às 15h55 do dia 12/12/2017 para correção de informação.

Processo 00082609320174036000 – 3ª Vara Federal de Campo Grande/MS

Revista Consultor Jurídico, 12 de dezembro de 2017, 12h30

Comentários de leitores

5 comentários

Com todas as venias...

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Mas ridículo é esse terrorista assassino ainda não ter sido deportado para a Itália para pagar pelo crimes cometidos. Mas como tudo no Brasil, sendo do ParTido se dá um jeito de ajudar os "cumpanheiros", até mesmo porque o próprio PT possui vários que atuaram como terroristas no passado não muito distante.

Um assassino

O IDEÓLOGO (Outros)

O Senhor Battisti deveria ser excomungado pelo Papa, deportado do Brasil e fixar residência no inferno.

Ser insignicante

Silva Cidadão (Outros)

Qual interesse das autoridades brasileiras em perder tanto tempo com um ser desprezível como este ? O único que demonstrou interesse neste animal, foi o PT, representado pelo lula, e não a sociedade brasileira pelo presidente, pois, o perfil e as ideologias desse marginal são as mesmas do PT.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/12/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.