Consultor Jurídico

Notas Curtas

Da Redação

Blogs

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tricolor imortal

Juiz adia audiência para poder assistir ao Grêmio em Mundial de Clubes

Para poder assistir ao jogo do Grêmio na semifinal do Mundial de Clubes na próxima terça-feira (12/12), o juiz gaúcho Marcelo da Silva Carvalho decidiu adiar uma audiência na comarca de Vera Cruz. O objetivo, segundo ele, seria ajudar tanto torcedores como adversários “secadores” no horário da disputa, às 15h (horário de Brasília).

“Às partes, advogados e testemunhas que podem ser Gremistas ou Colorados, aqueles torcedores e estes em tese secadores, não os posso privar, nem mim, de com o olho no trabalho e outro em uma TV, assistirmos ao jogo do Grêmio na semifinal do Mundial”, disse o juiz em despacho.

Em prol da apreciação do tricolor gaúcho, os jurisdicionados teriam de esperar até o dia 22 de janeiro de 2018 para discutir conflito que tramita desde 2015, envolvendo uma empresa de seguros. A assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, porém, afirma que o juiz desistiu da ideia e manteve a audiência para o dia do jogo.

0001341-85.2015.8.21.0160

* Texto atualizado às 18h do dia 5/12/2017 para acréscimo de informação.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 5 de dezembro de 2017, 17h55

Comentários de leitores

8 comentários

Quanta vontade de criticar!

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Gostam de fazer chacota com os magistrados acusando-os de se acharem deuses. Aí, um Juiz de Direito mostra toda a sua humanidade e... é criticado também.
O jogo em questão não é qualquer partida, mas de uma equipe brasileira na Copa Mundial de Clubes. Contam-se nos dedos os times brasileiros que conseguem disputar tal competição.
Ah, mas é só futebol! E não se suspendem as atividades do País todo quando a Seleção Brasileira tem jogo pela Copa do Mundo?
O Juiz poderia ter tirado férias! Desde quando se soube que o jogo aconteceria (final da Copa Libertadores da América, 29.11), nem haveria tempo hábil para a tramitação de um pedido de férias. E, se houvesse tais férias, a audiência teria sido adiada de qualquer jeito.
Além disso, de acordo com a notícia, a audiência fora redesignada para quase o primeiro dia útil possível, na medida em que, a pedido da OAB/RS, há mais de uma década, a regra é de não ocorrerem audiências entre 20.12 e 20.01, o que ela chama de férias dos advogados.
Se tudo isso não bastasse, a decisão foi revista.
Parece que, mais do que futebol, esporte nacional é criticar Magistrados.

Fraude ocupacional!

Marcio Luciano Menezes Leal (Administrador)

A ministra Cármen Lúcia - presidente CNJ e do STF, cobrou dos presidentes dos Tribunais de Justiça o cumprimento da determinação para o envio ao CNJ dos dados referentes à remuneração dos magistrados de todo o país.
"Eu entreguei a todos uma planilha no dia 20 de outubro. Até hoje, não recebi as informações de novembro e dezembro", queixou-se a ministra, durante reunião com os presidentes dos Tribunais estaduais na sede do Supremo, nesta segunda-feira, 4.
"Espero que em 48 horas se cumpra essa determinação do CNJ para que eu não tenha que acioná-los oficialmente.”
Segundo a ministra, a demora na entrega das informações pode passar para a sociedade a impressão de que os tribunais estão agindo de "má-vontade.
Como se vê, nem a presidente do CNJ e do STF consegue banir à praga da procrastinação provocada por fraude ocupacional de alguns servidores públicos! É lamentável!

Mimimi

AP Advocacia (Advogado Autônomo - Civil)

Vejo um comentarista escrever que não há nada demais em postergar a audiência. Se a opção pelo adiamento fosse do promotor, do advogado ou mesmo das partes e o juiz discordasse o que ocorreria?

O pessoal esquece que um juiz pode bastante, mas não pode tudo; na verdade deveriam ser mais limitados e contidos, discretos por assim dizer, mas o que vemos hoje...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/12/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.