Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Perda de preferência

Marco Aurélio libera ação sobre mudança de natureza de precatórios cedidos

Por 

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, liberou para julgamento do Plenário o recurso que discute se precatórios vendidos a terceiros podem mudar de natureza. O recurso é contra decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul que retirou o caráter alimentar de precatório vendido, por ele estar cedido a terceiro.

"Pode o crédito alimentício, presente o precatório, transmudar-se em normal?", indaga o ministro Marco Aurélio.

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, foi avisada nesta segunda-feira (28/8) de que o processo está liberado para julgamento.

O processo está no Supremo desde outubro de 2010, quando foi distribuído ao ministro Marco Aurélio. Em dezembro, a corte reconheceu a repercussão geral do recurso, por maioria de votos. O voto do relator, que diz haver questão relevante na discussão, venceu o da ministra Ellen Gracie, que dizia não haver discussão constitucional no recurso. Ela foi acompanhada pelos ministro Dias Toffoli e Ayres Britto.

De acordo com Marco Aurélio, o debate em torno do recurso é se o crédito alimentício pode perder a natureza alimentar para se tornar “normal”. Na prática, isso significa que o precatório deixa de ter preferência na fila de pagamentos e entra na ordem cronológica.

“É simples: o atrativo referente à busca da cessão acaba por desaparecer, prejudicando justamente aqueles a quem a Carta da República protege na satisfação de direitos, os credores ditos alimentícios”, escreveu Marco Aurélio, em sua manifestação.

RE 631.637

 é editor da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 30 de agosto de 2017, 9h54

Comentários de leitores

1 comentário

Precatórios e cessão de créditos no STF

Plinio G. Prado Garcia (Advogado Sócio de Escritório)

A natureza alimentar do precatório, no entendimento deste comentarista, não se altera pelo fato de seu titular ceder a terceiros seu direito.
O fato de ocorrer essa cessão não tem o condão de transformar o crédito em crédito não privilegiado.
Essa cessão nem mesmo precisaria ocorrer, fossem os precatórios pagos nos prazos constitucionais. Transformar o crédito em crédito comum, a ficar para pagamento nas calendas gregas, seria impedir seu titular de, ao menos, receber algum valor antes do final pagamento do precatório. Assim, a natureza privilegiada do crédito alimentar não se desnatura pela simples ocorrência da cessão. O cessionário "veste as mesmas roupas" do cedente, nesses casos.

Comentários encerrados em 07/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.