Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Apoio eclético

Juízes, políticos e artistas fazem ato de desagravo a Marcelo Bretas

Juízes, artistas, políticos e procuradores reuniram-se nesta quinta-feira (24/8) na sede da Justiça Federal no Rio de Janeiro em apoio ao juiz Marcelo Bretas, responsável por processos do braço fluminense da operação “lava jato”. A manifestação foi marcada depois que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, definiu como “atípicos” mandados de prisão assinados por Bretas. 

Agência Brasil

O ministro havia concedido HC aos empresários Jacob Barata Filho e Lélis Teixeira no dia 17 de agosto. Horas depois, porém, o titular da 7ª Vara Federal Criminal do Rio determinou a expedição de novos mandados de prisão preventiva contra os dois.

Para Gilmar Mendes, nenhum juiz pode ceder à pressão de um grupo de trêfegos e barulhentos procuradores, nem se curvar ao clamor popular, pois a prisão no curso de processos só se justifica em casos excepcionais, devidamente fundamentados.

Marcelo Bretas recebeu apoio em manifestação nesta quinta, no Rio.
Cauê Diniz

Estiveram no ato de desagravo o cantor Caetano Veloso; o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP); os deputados Alessandro Molon (Rede), Elionar Coelho (Psol) e Marcelo Freixo (Psol); e os atores Marcelo Serrado, Maria Padilha, Paula Burlamarqui, Lucinha Lins e Thiago Lacerda, de acordo com a Folha de S.Paulo.

Entre representantes de entidades de classe, compareceram o presidente da Associação de Juízes Federais (Ajufe), Roberto Veloso, e a procuradora Maria Cristina Cordeiro, representante da Associação Nacional dos Procuradores (ANPR).

Revista Consultor Jurídico, 24 de agosto de 2017, 21h09

Comentários de leitores

8 comentários

"A Educação em queda!"

Rui Telmo Fontoura Ferreira (Outros)

Prezados Senhores,

01 - A primeira fonte de educação é, inquestionavelmente, a Família;
02 - A segunda referência em educação é em Sociedade;
03 - A terceira possibilidade em educação é na Escola;
04 - O quarto viés na educação é o tempo de Formação Profissional;
05 - Agora, quando há uma queda, consubstanciada, nesses pilares culturais, permanece o "nada vezes nada" em termos de contribuição e exemplo para a Sociedade, como fator contributivo, no que se aprende e no que se ensina!
06 - Independente, do conhecimento científico inerente a cada um, é um dever de todo o cidadão brasileiro tratar o seu semelhante em tons respeitosos;
07 - Assim, na hora em que, cada um estiver consciente de sua representatividade, em relação à sua formação, pensará duas vezes; pela verdade, o caminho e a vida em benefício da própria Nação!
08 - Diante do exposto, vamos parafrasear o Almirante Barroso: "O Brasil espera que, cada um cumpra com o dever! ......
09 - Enfim, no popular a "educação vem de berço!"
Com os meus agradecimentos,
Cordialmente,
RT

"A Educação em queda!"

Rui Telmo Fontoura Ferreira (Outros)

Prezados Senhores,

01 - A primeira fonte de educação é, inquestionavelmente, a Família;
02 - A segunda referência em educação é em Sociedade;
03 - A terceira possibilidade em educação é na Escola;
04 - O quarto viés na educação é o tempo de Formação Profissional;
05 - Agora, quando há uma queda, consubstanciada, nesses pilares culturais, permanece o "nada vezes nada" em termos de contribuição e exemplo para a Sociedade, como fator contributivo, no que se aprende e no que se ensina!
06 - Independente, do conhecimento científico inerente a cada um, é um dever de todo o cidadão brasileiro, tratar o seu semelhante em tons respeitosos;
07 - Assim, na hora em que, cada um estiver consciente de sua representatividade, em relação à sua formação, pensará duas vezes; pela verdade, o caminho e a vida em benefício da própria Nação!
08 - Diante do exposto, vamos parafrasear o Almirante Barroso: "O Brasil espera que, cada um cumpra com o dever! ......
09 - Enfim, no popular a "educação vem de berço!"
Com os meus agradecimentos,
Cordialmente,
RT

Mimados da república

olhovivo (Outros)

O MPF - salvo raras exceções de alguns de seus membros - age como criança mimada. Aquela que não admite bronca e puxão de orelha (que o Min. Gilmar acertadamente lhes aplica corriqueiramente tentando educá-los processualmente) e nem serem contrariados (prova disso é que somente depois de concedidos os HCs é que alegam impedimento, mesmo não sendo hipótese taxativamente prevista em lei). Pena que só o Min. Gilmar puxa suas orelhas. Se todos os ministros assim fizessem, talvez já estariam mais educados juridicamente.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.