Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Suspeita de corrupção

PF investiga ligação de ex-secretário da prefeitura do Rio com empresas de ônibus

A Polícia Federal cumpriu, na manhã desta terça-feira (15/8), mandados de busca e apreensão contra o ex-secretário de Governo da prefeitura do Rio de Janeiro Rodrigo Bethlem. As ações, que ocorreram em sua casa, em seu escritório e em dois endereços na Barra da Tijuca, zona oeste da capital fluminense, foram determinadas pelo juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, Marcelo Bretas, conforme informa o jornal O Globo.

O objetivo da operação é investigar se o ex-integrante do governo Eduardo Paes (PMDB) negociou vantagens ilícitas com os empresários de ônibus Jacob Barata Filho e Lélis Teixeira. Interceptações telefônicas e e-mails indicam, segundo os investigadores, que Bethlem prometeu a continuidade de esquema de corrupção na gestão Marcelo Crivella (PRB). O ex-secretário prestou depoimento à PF para esclarecer as suspeitas.

Prefeitura do Rio "repudiou" insinuações de qualquer possibilidade de escândalos do governo anterior ter continuado na gestão de Marcelo Crivella.
Reprodução

Em nota, a prefeitura do Rio repudiou “com veemência as insinuações descabidas de qualquer possibilidade de escândalos no setor de transporte do governo anterior ter continuado na atual gestão”.

Denúncia contra Cabral
O juiz federal Marcelo Bretas aceitou, segunda-feira passada (7/8), mais duas denúncias contra o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB). Nas petições, ele é acusado de ter recebido propina de empresários de ônibus.

Outras 23 pessoas, incluindo empresários e servidores, são acusados pelo MPF de crimes com a participação da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), que reúne 10 sindicatos, como o Rio Ônibus.

O MPF denunciou o grupo por corrupção (ativa e passiva), centenas de crimes de lavagem de dinheiro, crimes contra o sistema financeiro e participação em organização criminosa. Para os procuradores, há provas de que, a partir da “caixinha da propina”, 26 empresas de ônibus fizeram repasses a políticos e agentes públicos de mais de R$ 250 milhões entre janeiro de 2013 a fevereiro de 2016.

Revista Consultor Jurídico, 15 de agosto de 2017, 11h15

Comentários de leitores

1 comentário

O xorume se aproxima rapido do "nervosinho" repugnante

hammer eduardo (Consultor)

Muito interessante ver como o oceano de xorume em estado de ressaca explicita se aproxima cada vez mais do "puro" Eduardo paes que é citado em varias planilhas das empreiteiras da vida como o "nervosinho". Já passou da hora de ligarem o nome dele ao do Al Capone maior Sergio Cabral aquele que multiplicou por 1000 as famosas "sobras de campanha" que vagam pela politica brasileira desde os tempos de Fernando Collor.
Bethlem já estava fartamente encrencado a anos tras com historias mal arrumadas de agressão a própria mulher , o disse me disse padrão para enrolar a Justiça , fora as bandalheiras de "casas de caridade" que aparentemente fechavam o escopo da tal atividade em volta do dito cujo. Na época a Imprensa berrou mas não futucou como deveria.

Parabéns ao Juiz Bretas que tirando a desastrada soltura da primeira dama do crime , esta fazendo um trabalho digno de tempos de Moro aqui no Rio de janeiro.

Aguardemos agora o "nervosinho" que ADORA o Rio de Janeiro se enrolar aos poucos mas continuadamente o que deverá encrencar seus planos de virar Governador em 2018.

Comentários encerrados em 23/08/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.