Consultor Jurídico

Comentários de leitores

33 comentários

Min. Gilmar Mendes, Jcandal (Advogado Autônomo - Civil)?

Hermano Theunater Radegodha (Outros)

Caro Jcandal (Advogado Autônomo - Civil), talvez a reticência quanto à tecer comentários sobre o Min. Gilmar Mendes se dê pelo quanto noticiado pela Joven Pan hoje: ele pretenderia deixar a toga em setembro/2017 e se candidatar a senador por MT (Fontes:
http://bit.ly/2sJLSSP; e http://bit.ly/2wrDntW)!

(Alguém lembra do Min. Nelson Jobin, que também negava ter pretensão político-partidária?)

Desse modo, não teria graça atacar suas decisões ou aparições ou falas, vez que ele logo deixaria de ser magistrado e a coluna "Reipert jurídica" só teça comentários que afetem o Jurídico e o mundo dos jurídicos (Isso deveria ser franquia... se já não é...).

Boato? Mais "Fabíola Reipert do mundo jurídico", agora de minha parte? Esperemos.

Quanto à permissão solicitada pelo Prof. Cid Moura (Professor), considere dada, afinal, por que restringir a galhofa quando o motivo da invenção da expressão é uma pretensão a sátira contra os problemas do Direito e do Judiciário, sem apresentação de qualquer solução viável?

E sátira produzida do alto do conforto de uma polpuda aposentadoria auferida após anos de atuação em cargo concursado, cujo ingresso duvido se deu com a leitura de José Frederico Marques, Pontes de Miranda, José Cretella Jr, Nelson Hungria "et alli" e até ousaria apostar que, na verdade, é tributário de manuais e apostilas "concurseiras".

Desse jeito o articulista não será indicado a Ministro, caso a vaga se confirme.

Mas acho que nem se queira, mesmo por que, qual a vantagem de ingressar numa carreira toda errada, da teoria à prática?? Consertar tudo? Ser o salvador da pátria jurídica? A anterior atuação já deveria ter iniciado esse processo, mas se não o fez...

Presidente do TRF4 comenta sentença de Sergio Moro

Bia (Advogado Autônomo - Empresarial)

Também estranho e muito, que existam tantas e tantas críticas aos juízes em geral, mas especialmente ao Dr. SERGIO MORO - inclusive quanto a sua sentença contra o aparentemente mais importante réu de ações penais brasileiras, o "intocável" ex-presidente Lula - mas tanto a revista CONJUR como seus ilustrados comentaristas jamais mencionaram a total falta de ética de seus advogados (um deles teve a audácia de tentar inverter os fatos e imputar tal atitude a um colega, que elogiou o teor da sentença divulgada), ao chamar a imprensa - e até EXIGIR sua presença - a cada audiência, seja ela qual for, que se relacione ao citado réu ou criminoso (ao menos até que sua sentença seja alterada em 2a. instância). O artigo 33, incisos II e V do Código de Ética da OAB determinam o seguinte: 33-O advogado deve abster-se de: ...II - DEBATER, em qualquer veículo de comunicação, causa sob seu patrocínio ou patrocínio de colega; ...V - insinuar-se para reportagens e declarações públicas. SIMPLES ASSIM. Portanto, Professor Lênio, se deseja que suas criticas tenhas credibilidade, não seja parcial.Também aponte as condutas muito antiéticas dos ilustres advogados do citado indivíduo. Afinal, sem abordar o mérito da própria defesa técnica, o sr. não incorrerá nas proibições ditadas pelo mesmo art. 33 de nosso Código de Ética!

Será esquecimento?

Jcandal (Advogado Autônomo - Civil)

Estranho, muito estranho, que o Prof. Lenio não tenha feito tais comentários a respeito do Min. Gilmar Mendes, o juiz que mais se destaca quando se trata de tecer comentários midiáticos a respeito de temas ainda pendentes de julgamento, muitos deles passíveis de serem julgados pelo próprio STF ou pelo TSE!

Pedido de autorização

Ciro C. (Outros)

Gostaria de autorização para usar expressão Fabiola Reipert do mundo jurídico . Sensacional ! Definição perfeita!

Matérias estranhas

CarlosDePaula (Advogado Autônomo)

Bom dia para todos...
Não sou mesmo a favor da ditadura da toga. Mas espere um pouco: cada manifestação do Juiz ou de algum Magistrado sobre os processos são atacadas constantemente...
Contudo, não vejo uma única linha questionando a atuação dos Advogados que fazem entrevistas coletivas atacando as decisões, tentando desmoralizar o Judiciário, conclamando o "povo" para a briga e entrando com CENTENAS de recursos para cada decisão...

Os profissionais da área jurídica parecem ter interesse pessoal nos casos, pois essa defesa diuturna é estranha...

Liberdade de Expressão

Maxuel Moura (Advogado Associado a Escritório - Civil)

Prezado comentarista Gelson Jorge de Oliveira, a liberdade de expressão existe, o cidadão é livre para ser magistrado ou não. Se não for, pode falar sobre qualquer decisão. Agora se escolher a carreira da magistratura, tem o dever de obedecer as normas do seu próprio código de ética.

Veja bem, eu, como advogado, não concordo com a vedação à publicidade dos meus serviços, mas como escolhi esta carreira, me cabe obedecer o código de ética da Ordem e lutar para modificar os pontos que não concordo.

Simples assim.

Vontade de cassar a palavra

Edesio Braga (Comerciante)

O colunista manifesta a vontade expressa de ter o poder para calar o paciente. Sugiro o próximo concurso ou constar da relação para indicação presidencial para o cargo de presidente do TRF5.

Críticas, criticados e críticos

Hermano Theunater Radegodha (Outros)

Leio sempre esta coluna em busca de maiores e melhores informações, mas constantemente o que tenho sentido é que o comentarista está se tornando uma versão jurídica da Fabíola Reipert, vez que só faz buscar notícias jurídicas para comentar com aquela suposta intenção de causar furor e angariar, na forma dos comentários de apoiadores, os equivalentes aos "likes" de redes sociais.

Tenho ficado um tanto cansado de sempre ler artigos de um comentarista aposentado com proventos maiores de R$ 35 mil e que, não bastasse isso, abre escritório de advocacia para competir com profissionais liberais que não dispõem desse amparo previdenciário para "dar aquela forcinha".

A mim parece fácil, quando não se tem que lutar pelo cliente de cada dia para sobreviver, podendo contar com tal amparo, perder tempo fazendo coluna social do meio jurídico.

Gostaria de ler artigos edificantes, que mostrassem soluções ao invés de problemas, pois estes todo mundo sabe que existem, sem necessidade de articulista evidenciar.

Lembro-me do artigo falando sobre resumocracia ou sobre os silicones da professora... quer maior evidência de falta de assunto e de "síndrome de Fabíola Reipert" que isso? Se há gênios que não precisam de atalhos ou facilitadores para aprender o Direito, fato é que a maioria dos estudantes não está nessa categoria, usa essas "escadas" para auferir algum êxito inicial na carreira e depois se tornam bons profissionais, à despeito dos exemplos e macetes usados para isso. E daí? Qual apoiador do articulista não matricularia o filho num curso preparatório para ingresso em carreira jurídica, se essa é uma opção financeiramente atraente? Depois de aposentados, até poderiam abrir escritório e escreverem artigos, também.

Sugiro uma guinada, por favor.

Onde está a ética?

Arthur Fraga (Jornalista)

Não posso deixar de ridicularizar a entrevista. Até parece o Tim Maia falando: "Pode o que quiser, pode o que ier, só não pode dançar homem com homem e mulher com mulher. Brincadeirinha, agora Pode!" Alguns membros do judiciário estão chegando as raias da insanidade, levados pela histeria do "poder". E A LEI QUE SE DANE. Não quero uma ditadura de toga co o não quis uma ditadura de farda. O que eu, e o país quer, é DEMOCRACIA E ESTADO DE DIREITO. Alguém disse que o melhor remédio contra a democacia é ... MAIS democracia.

Eu não to loko, q bom!

FAB OLIVER (Médico)

Qdo vi a matéria na folha, achei que eu estivesse louco. Disse à mim mesmo. "Karamba, seu sempre achei q ele não pudesse dizer isso, opinar assim".

Bom, o prof. nos mostrou que das duas uma, ou a loucura tá prevalecendo, de modo que os loucos agora são os sãos, e os sãos, agora, são os ou loucos, ou de fato o desembargador tá louco mesmo. Quanta loucura.

Hoje eu não me surpreendo com mais nada. Depois de ver "advogados" defendendo injustiças, não duvido de mais nada. Do mesmo modo que bandidos podem entrar para PM, pessoas podem obter uma OAB sem estudar/respeitar o devido processo legal e, com isso, trazer o achismo para o Direito. Enfim... salve-se quem puder!

A quem não gosta do Streck,

Paulo Moreira (Advogado Autônomo - Civil)

...simplesmente não leia nada dele ou então publique um texto melhor, pois ofendê-lo não adianta nada.
E corretíssimo o comentarista Casoconcreto (Professor Universitário): se todo mundo fosse "chato", ''estrela'' e "juiz frustrado" que nem o Lênio Streck, o Direito no Brasil seria muito melhor.

E a liberdade de expressão ?

Gelson de Oliveira (Servidor)

Doutores !
Será que não seria conveniente questionar a constitucionalidade da norma que proíbe o magistrado de se manifestar ? Será que os magistrados não têm direito a liberdade de expressão ? Será que só é permitido falar quando é contra o juiz Sergio Moro ? A Constituição Federal, em seu artigo 220, parágrafo 2º, diz que "é vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística". Enquanto alguns têm liberdade demais outros não têm liberdade nenhuma.

Não critiquem o estudante do direto

rode (Outros)

Os estudantes de direito que conheço são melhores que a muitos advogados. Mas muitos mesmo.

Interpretação extensiva de norma restritiva

rode (Outros)

Um tanto exagerada a crítica pelo simples fato de ter dito que tecnicamente a sentença é irretocável, durante uma entrevista, sem adentrar no mérito do processo. Em nenhum momento o presidente do TRF comentou o processo, nem fez manifestação depreciativa da sentença.
Mas, como críticas aos juízes chamam a atenção, pois são questões que satisfazem a ânsia de recalcados para menosprezar os juízes, tipo complexo de vira-latas, tá valendo para permanecer na mídia.
Seguidores que chegam quase ao orgasmo com isso não faltam.

Pedro 234 (Estudante de Direito)

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

Pedro 234 (Estudante de Direito)
.
Vê-se que o senhor AINDA é estudante de direito.
.
Quando começar a advogar, irá ver como funcionam (ou não funcionam...) as coisas no Judiciário de um modo geral...

pedro 234, o chato-mor do conjur

R. G. (Advogado Autônomo)

O Prof. Streck vem, há anos, buscando arduamente alternativas para um sistema cujas decisões hoje em dia são completamente aleatórias e autoritárias. No Brasil, como o professor refere, isso já se tornou uma constante; uma constante a ponto que nem conseguimos mais nos dar conta do tamanho do problema. Naturaliza-se o inaceitável. Aliás, justamente por isso que aqueles que procuram denunciar esse estado de coisas são chamados de chatos. E assim caminha Terrae Brasilis...

Todos somos suspeitos

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Dr. Lenio, aplausos por seu artigo irrepreensível, irretocável, perfeito como disseram outros em comentários anteriores. No entanto, é forçoso reconhecer que, no que concerne à Lava Jato, todos os brasileiros, de qualquer área, são suspeitos para falar, ou calar, ou falar nos autos, ou falar nos livros, ou falar em mesa de bar. Todos fomos atingidos a nível pessoal de uma forma ou de outra. Talvez fosse o momento de conclamar uns aos outros para observar a objetividade, a imparcialidade e sobretudo a idoneidade nas manifestações, segundo a formação técnica de cada um.

Link...

João Ricardo 1 (Outros)

..alguém pode passar o do artigo no qual o articulista faz a mesma crítica ao Gilmar Mendes ou ao Marco Aurélio?
Desde já agradeço.

A propósito !!!!!!!!!!

Thadeu de New (Administrador)

Mais uma vez, PARABÉNS, Professor. Apesar deles, chatos mores e coxinhas, continue nos orientando e falando por nós. Sem "medo" de ser feliz. Abraços.

Convicção da telinha.

Thadeu de New (Administrador)

Poder, poder, não poderia. Mas depende de quem "pode". É assim que está nossa sociedade. Claro que quem faz poder ou não é a mídia, lógico. Essa, leva no colo de simples cidadão desavisado e volúvel até doutos e demais. Qdo sairmos das telenovelas talvez vejamos o Brasil real, até lá, dá-lhe convicção.

Comentar

Comentários encerrados em 15/08/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.