Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Era só substabelecer

Doença de advogado não é motivo de força maior para suspender prazo recursal

Doença de advogado não é motivo de força maior para suspender prazo recursal. Com base nesse entendimento, a 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou provimento a Agravo de Instrumento de uma operadora de telemarketing contra decisão que julgou intempestivo o recurso apresentado por sua advogada. Nos documentos apresentados por ela, a turma não verificou qualquer indício de mal súbito que impedisse a advogada de exercer a profissão ou de substabelecer seus poderes a um colega.

O juízo da 27ª Vara do Trabalho de São Paulo e o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) indeferiram o pedido da teleoperadora de nulidade de sua dispensa. Após o transcurso do prazo legal sem que fosse interposto recurso, o TRT-2 determinou retorno dos autos à vara de origem.

A advogada da trabalhadora então pediu a devolução do prazo recursal, sustentando que não pôde interpor recurso em tempo hábil por estar de licença médica em decorrência de cirurgia para tratamento de hérnia umbilical.

O TRT-2 rejeitou seu pedido, com base no artigo 507 do Código de Processo Civil de 1973, segundo o qual o prazo recursal somente é suspenso em caso de morte da parte ou de seu advogado, ou motivo de força maior.

Para se obstar a prática do ato processual, segundo o regional, seria necessário comprovação absoluta de que a advogada não poderia substabelecer o mandato a ela outorgado, pois tal fato, por si só, não a impediria de atuar, principalmente quanto ao ato de substabelecimento.

Ao recorrer ao TST, a trabalhadora disse que, no atestado anexado aos autos, o próprio médico cirurgião da advogada determinou repouso de 30 dias após o procedimento, prorrogando-o para 45 dias. Assim, ela não poderia transferir o caso a outro advogado porque trabalhava sozinha no escritório.

A relatora do caso, desembargadora convocada Cilene Ferreira Amaro Santos, observou que, dos três documentos apresentados pela advogada, dois diziam respeito aos períodos de repouso e o terceiro apenas informava que a cirurgia estava programada para determinada data. E lembrou que a jurisprudência tem se orientado no sentido de que a doença do advogado não constitui motivo de força maior, a menos que o tivesse impedido de substabelecer a procuração.

A desembargadora afastou também a alegação de que a advogada trabalha sozinha. “É diligência intrínseca à profissão o estabelecimento de rede de contatos para a outorga de substabelecimento”, afirmou. “Assim, não se evidencia o evento imprevisto, alheio à vontade da parte, que a impediu de praticar o ato por si ou por mandatário, como preceitua o artigo 183 do CPC de 73”. Por unanimidade, a turma negou o Agravo de Instrumento. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Processo 2952-35.2013.5.02.0027

Revista Consultor Jurídico, 25 de abril de 2017, 14h56

Comentários de leitores

9 comentários

Indispensável? Só para a oab

Corradi (Advogado Autônomo - Civil)

Decisões desta natureza vêm comprovar que, de há muito, o judiciário não considera o advogado "indispensável à administração da justiça". Advogado é escravo do judiciário, sem receber absolutamente nada, dele. Haja vista férias, que o advogado tem que tirar quando o judiciário quer, enquanto juízes gozam duas férias por ano e tira quando quer. Advogados têm prazo peremptório de 5 dias para se manifestar, enquanto que processos ficam parados durante meses e até anos para um simples despacho. A cada dia me convenço mais das razões do que me dizia antigo colega, quando eu ainda estagiava, e isso há mais de trinta anos, que "o advogado, na visão do judiciário, não ajuda em nada, só atrapalha, interpondo recursos, impugnando despachos e reclamando da demora" e, agora, ainda quer ficar doente ou morrer. Vejam se pode isso! Ficar doente fora do período que o judiciário lhe destina para férias! Será que morrer, pode? Acreditem, ou não. O judiciário está encerrando as atividades e advocacia apagando a luz. De repente, a nova lei contra abuso de autoridade não começa iluminar um pouquinho mais. Tá certo que juiz ser jugado pelo judiciário vai ser uma piada. Embora tenha muitos que até gostariam de ser colocados em disponibilidade, recebendo proventos, só para passar a advogar.

Absurdo

Padinha (Advogado Autônomo)

Ratifico o que foi dito pelos colegas acima, todos com vários brilhantes posicionamentos que explanam o quanto esta decisão é ridícula! decisões que desvirtuam a lei maior devem levadas a apreciação do STF.

Errado Baitala

Prætor (Outros)

Quando um juiz adoece e precisa se afastar, é imediatamente substuído sem prejuízo às partes.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/05/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.