Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Afeto obrigatório

Enfermeira coagida a pagar jantares para chefe vence ação indenizatória

Afeto e carinho e não são obrigatórios nas relações de trabalho. Por isso, parece absurdo um subordinado ser coagido a pagar almoços e jantares para o chefe. Com esse entendimento, a juíza Audrey Choucair Vaz, da 15ª Vara do Trabalho de Brasília, estabeleceu em R$ 10 mil a indenização que uma enfermeira deverá receber de sua gestora.

O depoimento de uma testemunha foi a prova que guiou a decisão. Segundo o relato, a trabalhadora sofreu humilhação ao ser coagida a pagar almoços e presentes para gestoras, sob pena de demissão.

No entendimento da juíza, a empregada foi submetida a tratamento cruel e degradante, que violaram sua honra e dignidade por meio de constrangimentos e humilhações injustificáveis. “A humilhação no ambiente de trabalho é, assim, das mais odiosas, porque ataca a forma de sobrevivência do indivíduo, que se vê na difícil escolha entre o desligamento do emprego e aceitação do tratamento degradante”, observou.

Em sua decisão, a juíza ponderou que não se espera um ambiente de trabalho marcado pela total paz e harmonia, porém, os conflitos devem existir dentro de um nível mínimo de urbanidade e respeito.

“É impressionante que ainda aconteçam situações dessa ordem no ambiente de trabalho, que as pessoas ainda não consigam separar a esfera de trabalho da privacidade, e que os gestores da ré não compreendam que o afeto e o carinho não são obrigações do trabalhador, mas algo que ele, pessoa humana e indivíduo, dá àqueles que voluntariamente escolher”, ressaltou. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-10. 

Processo 0001435-04.2016.5.10.0015 

Revista Consultor Jurídico, 24 de abril de 2017, 19h08

Comentários de leitores

2 comentários

Super proteção...?

Alexandre (Advogado Assalariado)

Prezado, a reclamação era de uma enfermeirA contra sua gestorA e a sentença tem cunho feminista???

É realmente inimaginável que alguém possa obrigar outra pessoa a pagar almoço, por isso que a Justiça do Trabalho condenou a gestora a indenizar a enfermeira.

Super proteção

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Sentença de cunho feminista. Fora os outros temas que são realmente problemas, é inimaginável que alguém possa obrigar outro a pagar almoço! Que absurdo!

Comentários encerrados em 02/05/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.