Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Direitos humanos

Para proteger filhos, Ricardo Lewandowski solta mães suspeitas de tráfico

Mães que, por estarem presas preventivamente, potencializam a vulnerabilidade de seus filhos, devem responder em liberdade, de forma a não prejudicar o desenvolvimento das crianças.

É preciso também pensar no futuro dos filhos das presas, diz o ministro Ricardo Lewandowski.

Com base nesse entendimento, o ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski determinou a soltura de três mães e uma gestante presas preventivamente pela acusação de crimes relacionados a tráfico de drogas.

Entre os fundamentos apresentados pelo relator nas decisões estão as Regras de Bangkok, que consistem em normas da Organização das Nações Unidas para o tratamento de mulheres presas e medidas não privativas de liberdade para mulheres infratoras, a partir de uma visão diferenciada, voltada às especificidades de gênero para a execução penal e na priorização de medidas não privativas de liberdade.

O objetivo dessas normas é evitar a entrada de mulheres no sistema carcerário. “Cumprir essas regras é um compromisso internacional assumido pelo Brasil”, enfatizou Lewandowski.

Súmula 691
Presa preventivamente sob acusação de ter praticado crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, G.V.F. é mãe de quatro filhos menores de idade (com 5, 7, 10 e 11 anos).

Sua defesa alega que ela é ré primária, com bons antecedentes, tem residência fixa e acrescenta que a prisão preventiva foi decretada apesar de ausentes os requisitos que autorizam a custódia cautelar. Informa que o marido dela, pai de três dos quatro filhos, também foi preso na mesma ocasião.

Os advogados questionavam decisão monocrática de ministro do Superior Tribunal de Justiça, sustentando haver constrangimento ilegal, uma vez que a acusada está presa há oito meses, sem que tenha sido recebida a denúncia oferecida pelo Ministério Público de São Paulo, nem marcado o julgamento.

Assim, argumentavam que o caso configura hipótese de superação da Súmula 691 do STF, que veda a tramitação de Habeas Corpus no Supremo contra decisão de relator que indefere liminar nesta ação constitucional impetrada em tribunal superior.

Ao decidir, o ministro Ricardo Lewandowski verificou que o caso apresenta situação que permite superar o entendimento do verbete, tendo em vista o “aparente constrangimento ilegal a que está submetida a paciente”. Ele observou que o suposto crime não teria sido cometido com violência ou grave ameaça à pessoa.

Segundo o relator, as mulheres presas têm demandas e necessidades muito específicas, “o que não raro é agravado por históricos de violência familiar e outros fatores, como a maternidade, a nacionalidade estrangeira, a perda financeira ou o uso de drogas”.

“Não é possível desprezar, nesse cenário, a distinção dos vínculos e relações familiares estabelecidos pelas mulheres, bem como sua forma de envolvimento com o crime, quando comparados com a população masculina, o que repercute de forma direta nas condições de encarceramento a que estão submetidas”, salientou.

Além disso, o ministro Lewandowski observou que Código de Processo Penal (artigo 138, incisos III e V) prevê hipóteses de substituição da prisão preventiva pela domiciliar, entre elas quando o agente for “imprescindível aos cuidados especiais de pessoa menor de seis anos de idade ou com deficiência” ou “mulher com filho de até 12 anos de idade incompletos”.

Também afirmou que a Constituição Federal e o Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/1990) dão especial proteção às crianças e aos adolescentes. “Portanto, tendo em vista as peculiaridades do caso concreto, entendo que se faz possível a substituição da prisão preventiva da denunciada por outras medidas cautelares que o juízo processante entenda necessárias, no melhor interesse dos menores”, concluiu.

Constrangimento ilegal
A Defensoria Pública de São Paulo impetrou HC em favor de T.D.G., mãe de um bebê e ré primária que foi presa preventivamente em 17 de março de 2016 pela suposta prática do crime de tráfico de drogas. Posteriormente, ela foi condenada à pena de 5 anos de reclusão, em regime inicial fechado. A Defensoria alega que decreto prisional não apresentou os requisitos autorizadores da custódia cautelar.

Ministro do Supremo entendeu ser o caso de superar a Súmula 691 da corte.
Carlos Moura/SCO/STF

O ministro Ricardo Lewandowski avaliou que a hipótese também é de superação da Súmula 691 do STF, em razão de aparente constrangimento ilegal. Ele avaliou que o decreto de prisão preventiva apresenta fundamento inidôneo “por ter caráter genérico, sem o devido exame individualizado para a imposição do regime mais gravoso”. Nesse sentido, lembrou que o Plenário do Supremo (HC 11.840) decidiu ser inconstitucional a obrigatoriedade do regime inicial fechado para crimes hediondos.

Ainda conforme o ministro, o artigo 33, parágrafo 2°, do Código Penal dispõe que é faculdade do magistrado fixar regime mais brando para o início do cumprimento da pena privativa de liberdade, avaliadas as peculiaridades de cada caso.

Além disso, acrescentou que o parágrafo 3° do artigo 33 determina ao juiz sentenciante que, assim como no procedimento de fixação da pena, observe os critérios estabelecidos no artigo 59 do Código Penal no momento da determinação do regime inicial de cumprimento da reprimenda.

“Destaco, finalmente, o fato de que a paciente, de acordo com as informações constantes nos autos, é mãe de uma criança lactante e cumpriu aproximadamente 12 meses e 9 dias da reprimenda imposta”, concluiu o ministro ao deferir liminar para assegurar à T.D.G. o direito de cumprir a pena no regime aberto, até o julgamento definitivo do HC.

Outros HCs
Pedidos de liminares também foram deferidos pelo ministro Ricardo Lewandowski nos HCs 140.122 e 140.595, que tratam, respectivamente, do caso de uma mãe de criança de três anos de idade e de uma grávida de 26 semanas, ambas presas preventivamente sob a acusação de tráfico de drogas.

Medida polêmica
Encarcerada desde dezembro, Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), teve sua prisão convertida em domiciliar no dia 17 de março. A decisão, de ofício, foi do juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, Marcelo Bretas, que levou em consideração o fato de que tanto ela quanto o marido estarem presos dificulta a criação dos dois filhos menores, de 11 e 14 anos.

O Ministério Público Federal no Rio impetrou Mandado de Segurança, com pedido de liminar, para que a decisão do juiz Marcelo Bretas fosse suspensa. O desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região Abel Gomes deu razão aos procuradores da República, e concedeu a liminar determinando que Adriana Ancelmo retornasse à prisão.

Mas a ministra do Superior Tribunal de Justiça Maria Thereza de Assis Moura concedeu liminar em Habeas Corpus e voltou a permitir que a mulher de Cabral fique em prisão domiciliar. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HCs 142.479; 142.614; 140.122 e 140.595

Revista Consultor Jurídico, 12 de abril de 2017, 20h26

Comentários de leitores

9 comentários

iludido advogado autôno

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Sem dúvida! Este é um caso de super direito. Extra direito em que a desvinculação é necessária para suprir a norma que vem do legislativo, velha e incompleta. De fato. A preocupação do pulítico brasileiro sempre foi a de resolver seus problemas e não os da sociedade. Usam o povo para conseguir seus objetivos familiares e profissionais com toda a pompa e o povo (|) depois, dá isso. Os fatos necessitam de complementos psicológicos que os atos os formam. O judiciário deve pautar neste particular para suavizar a aplicação da pena, principalmente no caso em guerra. Louvores! Pois, como se pode ver, o STF não é só a casa amada pelos puliticos.

Ser mãe...

Neli (Procurador do Município)

Ser mãe é dar exemplo para os filhos.
Mães: na hora que estavam praticando ilícito penal, dando péssimo exemplo para os filhos, não se lembravam que eram mães?
Numa hora dessas, santifico e enalteço minha ora defunta mãe que criou seis filhos numa pobreza miserável e ensinou:nunca pegue nem uma agulha "dozotro".
O Brasil é o único país da Terra onde sua Constituição Nacional outorgou cidadania para bandidos comuns, de lá para cá, implicitamente consta: ser criminoso compensa.
E desde 1988, quando foi promulgada a Constituição Cidadã, a violência se exacerbou.
A cada modalidade de crime (que a televisão passa), vai ensinando outros "cidadãos constitucionais" pelo Brasil afora.
Não teve, desde a Democratização, educação, mas, tem a televisão que ensina aos criminosos novas modalidades de crimes.
Até quando?
Lava jato: lamentável é ter alguns ainda defendendo esses cancerosos do erário.
Todos, sem exceção, que respondam pelo latrocínio do erário praticado.
O pior criminoso é o latrocida do erário, porque graças a ele o Brasil está sem saúde, educação, segurança .
Mais pior ainda do que o corrupto(latrocida do erário) é aquele que pratica o Caixa 2.
Esse é pior, porque frauda o processo eleitoral à custa do erário.
É um criminoso da Democracia.
No mais, ótima Páscoa para todos e que Deus proteja o Brasil e nos livre dos cancerosos do erário , do criminoso da Democracia e dos malfeitores comuns.

Julgadores ou Vigários

J. Ribeiro (Advogado Autônomo - Empresarial)

A cada dia se confirma que este país é, realmente. o paraíso para bandidos.
Será que a exigência de creches, públicas e privadas, não seria mais adequado para os cuidados dessas crianças? Entretanto, como a solução dos que se dizem ou se auto intitulam de "humanistas", se confundem com verdadeiros vigários. Esses juízes deveriam está realizando missas ao invés de julgar.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/04/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.