Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Diversidade nas bancas

Facebook só contratará escritórios de advocacia com cotas para minorias

Por 

O Facebook anunciou neste sábado (8/4) uma nova instrução que obriga as bancas contratadas por sua assessoria jurídica a ter cotas para as chamadas minorias (mulheres, negros, pessoas com deficiência e homossexuais, por exemplo) na equipe de advogados que representa a empresa. A exigência é de 33% profissionais com esses perfis (ou um terço da equipe).

HP, Metlife, Walmart e outras empresas já adotaram o mesmo caminho recentemente. Para todas elas, não basta colocar minorias na equipe, só para cumprir a cota; todos os advogados da equipe devem estar igualmente bem preparados e treinados para defender os interesses da empresa.

Até o início do ano passado, o Facebook não teria “moral” para fazer essa exigência, segundo o New York Times e o Bloomberg Law. Tal como outras gigantes do Vale do Silício, o Facebook era muito criticado pela predominância de homens brancos em sua força de trabalho. Mas a corporação mudou sua política e começou a contratar – e se esforçar para reter – integrantes das minorias.

Facebook decidiu estender às bancas contratadas uma política que passou a adotar no ambiente interno.
Reprodução

A empresa gostou do que fez e passou a pressionar seus fornecedores a fazer a mesma coisa. Chegou a vez dos advogados, e a empresa espera ainda mais das bancas. “Queremos ver as bancas ganhando nossos casos, mas também criando oportunidades de liderança mensuráveis para mulheres e pessoas de cor”, disse aos jornais o assessor jurídico geral do Facebook, Colin Stretch.

Essas oportunidades incluem servir como gerentes de relacionamento com o Facebook e representar a empresa nos tribunais, explicou Colin Stretch. Ele avalia que as bancas irão cumprir essas determinações, porque elas sempre fazem o que os clientes pedem.

Novo cenário
De acordo com estatísticas divulgadas no ano passado, negros e latinos ocupavam 3% dos cargos de liderança nas bancas, e as mulheres 27%. Levantamentos mais recentes mostraram que advogados negros passaram a ocupar 9% dos cargos de liderança, os latinos 5% e as mulheres 29%.

A assistente jurídica geral da HP, Kim Rivera, disse aos jornais que a falta de diversidade nas bancas americanas é um problema persistente, mas isso vai mudar. “Hoje, exigimos que, entre os sócios de relacionamento da banca com a empresa, deve ter pelo menos uma advogada e um advogado de raças minoritárias, cada um desempenhando pelo menos 10% das horas trabalhadas para a HP”, declarou.

A Gibson, Dunn & Crutcher, banca que representa hoje o Facebook e a HP, já criou um departamento de diversidade. Assim, para a advogada Zakiyyah Salim-Williams, chefe do setor, a banca não terá problemas em cumprir as determinações das duas empresas.

O assessor jurídico geral da Metlife, Riacardo Anzaldua, declarou aos jornais que, ainda neste mês, vai se reunir com representantes de cerca de 50 bancas que representam a empresa para discutir uma nova iniciativa para promover a contratação, retenção e patrocínio de advogadas e de advogados pertencentes a minorias raciais ou étnicas. As bancas terão um prazo para melhorar, sob pena de perder o contrato.

O assessor jurídico geral do Walmart, Alan Bryan, disse que a empresa criou um departamento que monitora as “operações jurídicas”, as despesas decorrentes delas e a questão da diversidade, no que se refere à constituição das equipes das bancas que prestam serviços jurídicos à corporação.

“A empresa não monitora apenas o número de advogadas ou advogados pertencentes a minorias raciais que integram as equipes. Monitora também quanto tempo uma advogada de cor trabalha na revisão de um documento jurídico, se ela exerce um papel de liderança e se emprega mais ou menos horas em um serviço jurídico complexo”, declarou.

A Morgan Stanley ainda não faz nenhuma exigência, mas criou um prêmio anual para a banca melhor colocada na categoria “diversidade e inclusão”.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 9 de abril de 2017, 14h31

Comentários de leitores

5 comentários

O texto é claro, mulheres representam menos de 30% na chefia

Pablo VR (Advogado Associado a Escritório)

Daniel, ao menos aqui no Brasil, de fato as mulheres são a grande maioria nas faculdades de direito, nas aprovações em concursos para Magistratura, Ministério Público e outros, assim como estão quase chegando a ser metade nas subseções da OAB nos estados mais desenvolvidos, ao que se sabe nos EUA o cenário não é muito diferente, mas a questão é o número de mulheres em posições de destaque ou de chefia, tanto na advocacia, quanto em outros lugares, como nos Tribunais. O texto é claro e expressa em números que as mulheres, infelizmente, são sim minorias:
"
[...]
De acordo com estatísticas divulgadas no ano passado, negros e latinos ocupavam 3% dos cargos de liderança nas bancas, e as mulheres 27%. Levantamentos mais recentes mostraram que advogados negros passaram a ocupar 9% dos cargos de liderança, os latinos 5% e as mulheres 29%."
Ou seja, o único "absurdo" é elas serem metade da população e menos de 1/3 das lideranças.

Minorias

Rodrigo Chaves_ (Assessor Técnico)

Daniel, mulher é minoria nos espaço de poder, de decisão, na advocacia e em outros campos.
É nesse sentido que a palavra minoria é comumente utilizada; não no sentido de mera quantidade na massa populacional.
Espero ter ajudado.

Exemplo

O IDEÓLOGO (Outros)

O Facebook demonstra exemplo de Democracia integrativa.
Muitos criticam a aplicação do Direito alienígena em "terrae brasilis" mas ele proporciona, quando comparado com os textos nacionais, soluções mais democráticas.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/04/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.