Consultor Jurídico

Colunas

Segunda Leitura

Liberdade para o goleiro Bruno: compreendendo o incompreensível

Comentários de leitores

4 comentários

O goleiro assassino

Andarilho, o Bravo (Outros)

Não acredito na injusta justiça brasileira!
Quem mata por motivos banais deveria usufruir da pena de morte e trabalhar pesadamente enquanto estivesse enjaulado! O homicida Bruno ficou no lucro!

Só mais um caso comum!

Henrique Passsos (Funcionário público)

Penso que na prática, trata-se mesmo de mais um caso entre muitos de violência que chocam o país.
Dar tratamento diferenciado ao caso? Me parece que assim haveria um prejuízo do réu, o "Estado vingativo" pelo "clamor social" vai andar mais rápido com o processo daquele réu por questões políticas, sim porque se preocupar com opinião pública quando o caso passa do material para processual em âmbito penal é inclusive errado, além de político, visa acalmar e "agradar" aos inquisitores.
Por clamor social eu retiro direitos e garantias individuais do réu?
Sobre as férias do desembargador, é férias dele, ele poderia ter sacrificado, o verbo não é imperativo, e ele quis gozar suas férias.
Penso apenas com isso tudo que Bruno cumpriu pouco tempo da pena em regime fechado, mas isso é questão legislativa, vide LEP.

Assino embaixo

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Dr. Vladimir, congratulações. O senhor conhece muito bem as rotinas dos Juízos e Tribunais e pode perfeitamente aquilatar o grau de responsabilidade dos magistrados e as dificuldades operacionais do sistema. Simplesmente, assino embaixo de tudo o que o senhor disse.

Errou o stf

O IDEÓLOGO (Outros)

É compreensível que, em uma comunidade na qual se cultua o ilícito, gerando muitos processos criminais, trabalhistas, cíveis, eleitorais, administrativos, exista retardamento da prestação jurisdicional. Porém, o acusado, o goleiro Bruno, utilizou a demora no julgamento em seu benefício e, data vênia, em uma sociedade civilizada, não pode o criminoso ser favorecido pelo tempo do processo.
Alguns estudiosos de Direito Penal, conhecidos como Garantistas, dizem que a punição é única, e a demora no processo constituiria outra punição sem definição na ordem jurídica.
Puro sofismo.
Todos estão submetidos à lei e às falhas do sistema processual. Inclusive, em demanda cível, o credor que busca incessantemente a satisfação de seu crédito, submetido também ao tempo do processo.
A inversão de valores, que também ocorre na aplicação das leis, no caso retratado no artigo, revela o desprezo do sistema à vítima e a sua família. O pior é a mídia insensata, que transformou o criminoso em astro.
A Democracia se revela perniciosa ao cidadão de "bem".

Comentar

Comentários encerrados em 10/04/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.