Consultor Jurídico

Prova testemunhal

Julgamento de deputado André Moura é anulado pelo STJ por falta de contraditório

O líder do governo federal na Câmara dos Deputados, André Moura (PSC-SE), será julgado novamente pelas acusações de improbidade administrativa. Ele já tinha sido condenado em primeiro e segundo graus, mas a ação foi reformada no Superior Tribunal de Justiça.

Por unanimidade, a 2ª Turma da corte determinou o retorno dos autos à primeira instância por entender que a defesa do parlamentar foi cerceada depois que não foi aberto prazo para produção de prova testemunhal.

Segundo denúncia do Ministério Público de Sergipe, entre 2005 e 2007, André Moura teria usado três linhas telefônicas pertencentes à Prefeitura de Pirambu mesmo não sendo mais o prefeito da cidade. Na ação civil pública, que também cita o envolvimento de familiares do deputado e de seu sucessor no cargo municipal, Juarez Batista dos Santos, é estimado prejuízo de R$ 40 mil.

Em primeira instância, Moura, sua mãe e Santos foram condenados por improbidade administrativa. Em segundo grau, o Tribunal de Justiça de Sergipe alterou parcialmente a condenação, retirando a obrigação de ressarcimento ao erário e diminuindo a multa.

Ao STJ, a defesa dos envolvidos alegou que a sentença e o acórdão foram proferidos apenas com os elementos colhidos pelo MP-SE, pois não foi aberta a fase para produção de prova testemunhal. A relatora do caso, ministra Assusete Magalhães, entendeu que, de fato, as provas que fundamentaram a condenação vieram, exclusivamente, do inquérito civil, sem que houvesse o exercício do contraditório pelos réus ao longo da fase judicial.

A ministra também destacou que a sentença utilizou prova emprestada de processo criminal no qual os recorrentes não eram partes e que apurou fatos distintos daqueles tratados na ação civil pública. “Não obstante sejam fortes os indícios da existência de atos de improbidade administrativa, tendo os réus, em suas defesas, negado a ocorrência dos fatos e requerido a produção de prova testemunhal, com o objetivo de contraditar aquela produzida no inquérito civil público, bem como contextualizar a conversa telefônica objeto da referida prova emprestada, forçoso reconhecer que, no caso, o julgamento antecipado do feito violou os artigos 330, I, e 333, II, do Código de Processo Civil de 1973.”

Acompanhando o voto da relatora, o colegiado decidiu anular as decisões judiciais proferidas na ação civil pública até a sentença e definir nova produção de provas no processo. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

REsp 1.554.897




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 29 de setembro de 2016, 13h22

Comentários de leitores

1 comentário

Justiça combatendo injustiças

Flávio Souza (Outros)

Parabéns ao Judiciário e aos causídicos, afinal a Justiça é o que sempre deve ser perseguido a luz do direito e que todos tenham um justo julgamento.

Comentários encerrados em 07/10/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.