Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ranking de Notícias

Tese do STF sobre deveres do pai biológico foi destaque da semana

Por 

O Supremo Tribunal Federal definiu nesta semana que a pessoa criada e registrada por pai socioafetivo não precisa abrir mão da paternidade biológica e, portanto, nem de direitos como pensão e herança. Segundo o relator, ministro Luiz Fux, a Constituição Federal de 1988 rompeu com o conceito tradicional de família e não permite que o ser humano seja visto como mero instrumento “dos esquadros determinados pelos legisladores”. A corte definiu a seguinte tese, com repercussão geral reconhecida: “A paternidade socioafetiva, declarada ou não em registro público, não impede o reconhecimento do vínculo de filiação concomitante baseado na origem biológica, com os efeitos jurídicos próprios”. Clique aqui e aqui para ler sobre o assunto.

Serviços ao governo
Levantamento do Ministério da Transparência conclui que chegam a R$ 2,2 bilhões os contratos da União com escritórios de advocacia. A pasta fez o estudo para questionar estatais sobre os serviços jurídicos e começar a controlar esse tipo de negócio. As bancas não foram reveladas, mas o ministério diz que o mercado é concentrado em poucas delas. Do valor dos contratos, 91% correspondem a “sociedades de economia mista”. A Petrobras responde por 36% de todo o volume contratado pela União, ou R$ 819 milhões. Clique aqui para ler a notícia.

Mudanças curriculares
Também repercutiu na semana Medida Provisória que muda a política para o ensino médio no país, ampliando a carga horária mínima (de 800 para 1.400 horas anuais) e retirando Artes e Educação Física da lista de disciplinas obrigatórias. Conforme o texto assinado pelo presidente Michel Temer (PMDB), Português e Matemática continuam nos três anos de ensino médio. Somente parte da grade será igual para todos os estudantes. Depois, cada aluno poderá seguir “itinerários formativos específicos”.  Clique aqui para ler a notícia.


Entrevista da Semana
O ministro Napoleão Nunes Maia Filho, do Superior Tribunal de Justiça, reconhece que a Justiça por vezes demora demais para dar soluções a casos rumorosos, mas avalia que antecipar a prisão antes do trânsito em julgado não vai resolver os problemas. Vice-decano da corte, ele considera compreensível que a população clame por justiça, porém ressalta que é necessário manter garantias. Ainda segundo o ministro, os juízes do passado sofriam menos pressão da opinião pública. “Hoje com televisão, jornal, rádio e redes sociais é um circo danado.” Clique aqui para ler a entrevista.


Audiência
Medição do Google Analytics aponta que a ConJur recebeu 940,4 mil visitas e teve 1,4 milhão de visualizações de página entre os dias 16 e 22 de setembro. A quinta-feira (22/9) foi o dia com mais acessos, quando o site recebeu 176,7 mil visitas.

O texto mais lido, com 21,6 mil acessos, foi artigo do jurista Lenio Luiz Streck sobre denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Claro que membro do MP ou juiz não são neutros. E não são alfaces. Dentro de cada um bate um coração. (...) Preocupa-me — e posso falar disso porque passei longos 28 anos no Ministério Público — que hoje seus membros façam juízos morais e políticos (...). Dizer que o ex-presidente da República — por intermédio de um espalhafatoso organograma — era o comandante de um esquema de corrupção e não o denunciar pelo crime de chefiar uma organização é no mínimo temerário, beirando a irresponsabilidade”, afirma o autor. Clique aqui para ler o artigo.

Com 16 mil leituras, ficou em segundo lugar no ranking notícia de que o juiz federal Sergio Fernando Moro aceitou denúncia contra Lula. Segundo ele, as provas apresentadas são suficientes para a abertura de ação penal. O juiz afirma que nessa fase não cabe analisar profundamente o conjunto probatório. Clique aqui para ler a notícia.


As 10 mais lidas
Lenio Streck: Não é papel do Ministério Público adjetivar moralmente a acusação que faz
Moro aceita denúncia contra Lula e “lamenta” acusação contra Marisa
Pai socioafetivo não tira deveres do pai biológico, decide STF
Estado paga dano moral por grosseria de procurador do MP
Processo Familiar: A Lei de Alimentos e o que sobrou dela com o novo CPC (Parte 1)
Bancos em tribunais do Rio de Janeiro são obrigados a funcionar, mesmo em greve
STJ publica três novas súmulas sobre DPVAT, recuperação judicial e roubo
Ministério Público quer padronizar cursos de formação e concursos pelo país
Senso Incomum: Por que commonlistas brasileiros querem proibir juízes de interpretar?
Aluno que recebeu zero por colar em prova não ganha danos morais


Manchetes da Semana
Segurado só tem direito a auxílio-doença até que se reabilite ou se aposente
Existência de pai socioafetivo não tira deveres do pai biológico, diz STF
Terceirização de escritórios pela União é mercado concentrado de R$ 2 bilhões
Condenado que passou em concurso só assume cargo depois de cumprir pena
Falta de convencimento do julgador não justifica extinção do processo
Impedir sustentação oral é cercear defesa e faz processo ser novamente julgado
STJ afasta inépcia da petição inicial em ação de preferência sem depósito de preço
Entrevista – Napoleão Nunes Maia Filho: “Prisão antecipada é uma resposta à sociedade, mas não segue a Constituição”
Governo quer acessar informação fiscal de empresa alvo de processo administrativo
Estado não pode fornecer remédio sem registro, vota Marco Aurélio
Juízes não podem ser proibidos de usar sistema eletrônico, decide CNJ

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 24 de setembro de 2016, 11h14

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/10/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.