Consultor Jurídico

Briga interna

Promotores de SP reclamam de supervisão do MPF em caso de ativistas presos

Os promotores e procuradores de Justiça de São Paulo não gostaram de ter a supervisão do Ministério Público Federal em audiência de custódia, ocorrida nessa segunda-feira (5/9), de 18 jovens detidos em protesto contra o presidente Michel Temer. Eles acabaram sendo soltos pelo juiz Rodrigo Tellini.

Na ocasião, o MPF acompanhou a sessão por enxergar, nas prisões dos manifestantes, “graves indícios de violação de direitos fundamentais, como liberdade de manifestação e devido processo legal”, conforme afirmou o procurador regional da República Marlon Weichert.  

Mas a Associação Paulista do Ministério Público (APMP) manifestou descontentamento com essa fiscalização. Em nota, a entidade afirmou que os promotores e procuradores de Justiça de São Paulo “nunca foram omissos”, e não atuam de forma política.

Além disso, a APMP ressaltou que esses profissionais atuam apenas dentro do que a Constituição e as leis lhes autorizam.

Leia a nota:

"NOTA DE APOIO DA APMP AOS PROMOTORES DE JUSTIÇA PAULISTAS E AO MP-SP

Diante da informação, publicada no portal do Ministério Público Federal e amplamente repercutida pelos órgãos de imprensa, de que a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) do MPF acompanhou audiência de custódia de jovens detidos em manifestação contra o governo federal realizada no Fórum da Barra Funda, em São Paulo, a Associação Paulista do Ministério Público (APMP), entidade que representa 3 mil Promotores e Procuradores de Justiça da ativa e aposentados do Estado de São Paulo, vem a público ressaltar que:

O trabalho do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) nunca foi omisso, ao contrário, é uma Instituição ativa, protagonista e incisiva em todas as ocorrências, dentro da sua competência constitucional e de suas atribuições legais;

Da mesma forma, os Promotores de Justiça que atuam nas audiências de custódia trabalham sempre de forma aguerrida e profissional, sem qualquer conotação política, sendo cotidiana a interposição de recursos e mandados de segurança.

Por isso, a APMP externa veementemente seu apoio irrestrito aos Promotores de Justiça paulistas e ao Ministério Público do Estado de São Paulo.

São Paulo, 8 de setembro de 2016.

Diretoria da Associação Paulista do Ministério Público".Com informações da Assessoria de Imprensa do MPF.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de setembro de 2016, 11h46

Comentários de leitores

3 comentários

Ministério público

O IDEÓLOGO (Cartorário)

O Ministério Público somente age quando o prejuízo foi consumado.

So para lembrarmos quem é o MPSP

Alexandre (Advogado Assalariado)

http://www.conjur.com.br/2015-fev-13/stf-mantem-punicao-promotor-texto-manifestantes

So para lembrarmos quem é o MPSP

Alexandre (Advogado Assalariado)

mantem-punicao-promotor-texto-manifestantes

Comentários encerrados em 18/09/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.