Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Política distante

Soma de votos brancos, nulos e abstenções chega a 32% do eleitorado

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, a soma das abstenções, votos brancos e nulos neste segundo turno de eleições foi de aproximadamente 10,7 milhões de pessoas. Isso corresponde a 32,5% dos 32,9 milhões de eleitores aptos a votar neste domingo.

Em todo o país, 25,8 milhões de eleitores compareceram às urnas, de um total de 32,9 milhões que estavam aptos a votar. Ou seja, cerca de 7 milhões não votaram, levando a uma abstenção de 21,55% neste segundo turno.

No Rio de Janeiro, os índices de abstenção e de votos nulos superaram a média nacional. A abstenção na capital fluminense chegou a 26,85% (1,3 milhão de faltantes) e foram registrados 569,4 mil votos nulos (15,9% do total).

A soma de nulos e abstenções no Rio foi maior que a votação obtida pelo segundo colocado na disputa pela prefeitura, Marcelo Freixo (Psol), que teve 1,1 milhão de votos. O prefeito eleito, Marcelo Crivella (PRB), recebeu 1,7 milhão de votos. O total de votos brancos no município chegou a 149,8 mil.

Para o presidente do TSE, Gilmar Mendes, os altos índices de abstenção e de votos nulos registrados no segundo turno da eleição no Rio de Janeiro  representam uma “espécie de distanciamento entre o eleitor e os políticos”.

Mendes afirma que esses índices não devem ser desprezados, mas também devem levar em conta imprecisões do cadastro eleitoral, como pessoas que mudam de endereço e não fazem a atualização de seus dados.

“Percebe-se que alguma coisa ocorre no que diz respeito a esse estranhamento ou a esse distanciamento entre o eleitor e os políticos que eventualmente o representam. Alguma coisa traduz a ausência ou também na opção pelo voto nulo, especialmente no segundo turno”, disse o ministro.

Escolas ocupadas
Segundo Gilmar Mendes, a Justiça Eleitoral gastou cerca de R$ 3 milhões para realocar seções eleitorais que estavam localizadas em escolas públicas ocupadas por estudantes no Paraná em protesto contra mudanças no ensino médio. Para o presidente do TSE, o protesto estudantil teve “suas consequências”, como o deslocamento de 700 mil eleitores em Curitiba, por exemplo.

“O exercício de um dado direito [protestar] não deve levar a impedir o exercício de outro direito [votar]. Neste caso, esse protesto, com todas as boas intenções em que ele possa estar revestido, contribuiu para tumultuar o processo eleitoral, o direito de as pessoas votarem.”

De acordo com a Justiça Eleitoral, o custo do voto de cada eleitor no segundo turno foi em torno de R$ 4,5. O custo total do pleito, somando os gastos do primeiro e do segundo turno, foi de aproximadamente R$ 650 milhões.

Votação
Os eleitores que voltaram às urnas para a escolha de prefeitos e vice-prefeitos em 57 cidades de 20 estados do país utilizaram 90.532 urnas eletrônicas. A cidade de Maringá (PR) foi a primeira a terminar a apuração, às 17h51.

Cada eleitor que compareceu às urnas hoje gastou cerca de 40 segundos para votar nas seções eleitorais que não contavam com processo de identificação por biometria; e 60 segundos onde os equipamentos de leitura pela digital estavam disponíveis.

Por causa do horário de verão, nos municípios dos estados de Roraima, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia, o pleito terminou às 19h, pelo horário de Brasília.

Durante o segundo turno, 826 urnas eletrônicas foram substituídas e que não houve votação manual. Além disso, nenhum candidato foi preso. Contudo, tiveram ocorrências com não candidatos que totalizaram 293, sendo 94 com prisão.

As principais ocorrências registradas foram boca de urna (61 prisões), corrupção eleitoral (14 sem prisão), divulgação de propaganda (4 prisões), uso de alto-falante (1 prisão); e outros motivos (27 prisões). Com informações da Agência Brasil e Assessoria de Imprensa do TSE.

Revista Consultor Jurídico, 31 de outubro de 2016, 11h17

Comentários de leitores

2 comentários

Voto obrigatório!

Florencio (Advogado Autônomo)

O Voto em branco, nulo ou abstenções é consequência do voto obrigatório! Por que obrigar às pessoas a comparecerem a uma mesa eleitoral se não estão interessados em eleições?

Segundo Turno.

Neli (Procurador do Município)

Segundo Turno.
Andei meditando,após não ter segundo turno em São Paulo!
O dinheiro que se gasta na realização do segundo turno, deveria ser destinado a algo útil para a população.
No segundo turno, principalmente pelo que se viu no Rio de Janeiro, o vencedor não teve a maioria, perdendo, igualmente, para os nulos, brancos e ausências. Sacramentar no segundo turno, algo que possa ser definido no primeiro, com maioria simples, é tão democrático quanto sacramentar eleitoralmente no segundo.
Alguém ser eleito, num município de 199.999 mil habitantes em primeiro turno ou aguardar, num município de 200.000, no segundo turno? Ou alguém ser eleito por por um escoteiro voto num município de dez mil habitantes (ou de 5 mil), não teria respaldo democrático em relação a alguém eleito no segundo turno num local com mais de 200 mil?
O eleitor de um município pequeno é mais qualificado do que um de uma cidade de porte grande? E o que se gasta? Não seria mais conveniente carrear esse dinheiro para, por exemplo, a educação, melhorando os prédios escolares? Para presidente da República em tese, ainda seria conveniente, mas, em tese. O presidente não governa sozinho, e a maioria dos congressistas (pro ou contra) é eleita no primeiro turno. Assim, em eleições presidenciais, também poderia ser suprimido. (Nos EUA não existem 2º turno!)“De lege ferenda” .
Por falar em prédio escolar, consta na notícia que se gastou 3 milhões de reais, para mudança de locais das votações nas escolas, ilegalmente, ocupadas. Por que não se cobra esse dinheiro dos pais dos alunos e de quem os instigou a ocupar? Todos os contribuintes não podem arcar com despesas que uma minoria proporcionou.

Comentários encerrados em 08/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.