Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Decisão do Plenário

Vaga do Senado no CNJ é disputada por servidor da Casa e advogado de escritório

O Senado vai escolher nos próximos dias quem será o representante da Casa no Conselho Nacional de Justiça. Dois nomes disputam a vaga: o advogado de carreira do Senado Otavio Orzari e Henrique Ávila, advogado em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, sócio do escritório Sérgio Bermudes.

No início do mês, Orzari e Ávila foram sabatinados pela Comissão de Constituição e Justiça, fase que antecede a deliberação no Plenário. As seccionais de São Paulo e do Rio de Janeiro da Ordem dos Advogados do Brasil manifestaram apoio a Henrique Ávila. Ao apresentá-lo como candidato de São Paulo, o presidente Marcos da Costa dirigiu-se ao Senado falando de sua “dedicação e experiência” e de sua significativa contribuição para a advocacia paulista, como integrante da Comissão de Prerrogativas da entidade. 

Na comunidade jurídica, Ávila conta com a torcida de nomes como o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Sepúlveda Pertence, o ministro do Superior Tribunal de Justiça e corregedor nacional de Justiça, João Otávio de Noronha, e o advogado Arnoldo Wald.

"Ávila reúne as melhores condições para preencher a vaga. Além da sólida formação profissional, com o professor Sérgio Bermudes, ele associa grande experiência com formação acadêmica admirável", diz Wald. Na opinião do ministro Noronha, o candidato é um "excelente advogado, um profissional muito sério". Na opinião do ministro do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas, Ávila é um dos professores mais talentosos da escola de Direito Processual Civil da PUC/SP.

Já Otavio Orzari conta com o apoio do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal. Foi inclusive assessor dele quando ministro estava no Tribunal Superior Eleitoral. Recebeu também apoio das seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal e Goiás. É mestre e graduado pela Universidade de São Paulo, pós-graduado em Ciência Política pela Universidade de Brasília e em Direito Penal pela Universidade de Salamanca.

*Texto alterado às 21h19 do dia 28/10/2016 para acréscimo de informações.

Revista Consultor Jurídico, 28 de outubro de 2016, 17h58

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.