Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Justiça em Números

Despesas da Justiça Eleitoral caíram em relação às últimas eleições, mostra CNJ

Em 2015, as despesas da Justiça Eleitoral somaram aproximadamente R$ 4,6 bilhões, uma redução de 13,5% em relação a 2014 e de 4,4% no último quinquênio. Os gastos equivalem a 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, a 0,2% dos gastos totais da União e a um custo pelo serviço de Justiça de R$ 22,39 por habitante.

De acordo com o relatório Justiça em Números 2016, do Conselho Nacional de Justiça, a redução nas despesas é atribuída ao fato de a Justiça Eleitoral organizar eleições a cada dois anos, fazendo com que em anos pares haja um gasto maior que nos demais anos.

Entretanto, o levantamento revela que também houve queda do custo pelo serviço de Justiça quando considerados apenas os anos não eleitorais, ou seja, 2011, 2013 e 2015, com a despesa decaindo de quase R$ 25, em 2011, para pouco mais de R$ 22, em 2015, uma diminuição de 12%. 

Os índices de execução orçamentária da Justiça Eleitoral estão disponíveis no portal da transparência do CNJ. O estudo tem como ano-base 2015 e apresenta um panorama completo de todos os ramos do Poder Judiciário.

Despesas com pessoal
Segundo o relatório do CNJ, em 2015 também houve diminuição dos gastos com recursos humanos em 8,2%, se comparado ao ano anterior.

Essas despesas são responsáveis por 89,3% do total e compreendem, além da remuneração com magistrados, servidores, inativos, terceirizados e estagiários, todos os demais auxílios e assistências devidos, tais como auxílio-alimentação, diárias, passagens, entre outros.

Os demais 10,7% de gastos são referentes a outras despesas correntes e de capital, tendo esta última apresentada queda de 61,6% entre os anos de 2012 e 2015.

Gastos com informática
O estudo mostra que as despesas com informática apresentaram tendência de queda, sendo o valor observado em 2015 o menor atingido na série histórica, totalizando RS 112,9 milhões. Uma diminuição de 9,3% com relação a 2014 e de 5,9% em relação a 2011.

Todavia, pela primeira vez, desde o ano de 2011, os gastos com informática ultrapassaram as despesas com capital. Tal fato ocorreu, principalmente, porque as despesas com o custeio da tecnologia de informação e comunicação foram 144% superiores às despesas com aquisições de softwares e hardwares.

Revista Consultor Jurídico, 27 de outubro de 2016, 17h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.