Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mira telescópica

Importar acessório militar pouco conhecido não viola Estatuto do Desarmamento

Por 

Se o Ministério Público não prova que o denunciado tinha conhecimento da ilicitude do seu ato, o juiz pode absolvê-lo por ‘‘erro de proibição’’, sobretudo se for uma pessoa de pouca instrução. Com base no artigo 21 do Código Penal, a 8ª Turma do Tribunal Federal da 4ª Região manteve a absolvição de um pequeno agricultor do interior de São Miguel do Oeste (SC), flagrado na posse de uma luneta de uso restrito do Exército, adquirida de um camelô no Paraguai.

O réu foi denunciado pelo Ministério Público Federal pela prática do crime previsto no artigo 18 combinado com o 19, ambos da Estatuto do Desarmamento (10.826/2003) — tráfico internacional de acessório de arma de fogo, de uso restrito, sem autorização da autoridade competente.

Ouvido pela 1ª Vara Federal de São Miguel do Oeste, o réu disse que não sabia da proibição e que só adquiriu o artefato por curiosidade, para ver a paisagem. Segundo ele, o camelô de Ciudade del Este (Paraguai) também não deixou claro se o acessório poderia ser acoplado a uma arma, como mira, embora admitisse que tem uma espingarda registrada na sua propriedade.

O juiz federal substituto Márcio Jonas Engelmann afirmou ser razoável que uma pessoa que desconheça materiais bélicos, numa simples visualização, não perceba uma lente de aumento acoplável como acessório de arma de fogo. O mesmo não vale, entretanto, para a compra e internalização de armas e munições, cuja ilicitude é cristalina, independentemente do nível de instrução do importador. Ou seja, miras telescópicas podem confundir alguém a cerca da licitude do fato.

"Trata-se, portanto, de erro de proibição, em que o agente sabe exatamente o que está fazendo, porém não sabe que é proibido. Se, pelas características dele (baixo nível sociocultural, vida rústica, estrangeiro etc.), comete erro inevitável, será isento de pena; se evitável e a conduta foi realizada sem a consciência da ilicitude do fato, quando lhe era possível, nas circunstâncias, ter ou atingir essa consciência, será reduzida a pena (art. 21, parágrafo único)", escreveu na sentença.

O relator da Apelação Criminal, desembargador Victor Luz dos Santos Laus, observou que o policial que fez a abordagem também não tinha ciência do caráter ilícito do objeto encontrado, tendo que se informar com a autoridade superior para autuar o homem. Ainda: o acusado transportava apenas uma unidade do acessório e não possuía outras mercadorias proibidas, como armas e munições, tampouco detinha o equipamento necessário para acoplar a mira telescópica à sua arma.

"Assim, não sendo exigível que o acusado possuísse conhecimento que nem mesmo o agente responsável por impor o cumprimento da lei detinha na integralidade, entendo ausente a potencial consciência da ilicitude. Configurado, portanto, o erro de proibição inevitável, do que resulta a exclusão da culpabilidade do agente e, por conseguinte, da pena", registrou no acórdão.

Clique aqui para ler o acórdão.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 23 de outubro de 2016, 9h05

Comentários de leitores

4 comentários

Absurdo o comentário do Daniel

Serpico Viscardi (Professor)

Quem "faz" política pública criminal são os Poderes Executivo e Legislativo e não o MP.

Aliás, isso explica muito a atual situação da Segurança Pública no Brasil.

Ademais, ainda vigora no Brasil o princípio da obrigatoriedade da ação penal pública, com algumas exceções não aplicáveis ao caso concreto.

Independentemente do mérito da questão, o processo é a forma de resolver a lide penal, de maneira transparente, impessoal e técnica, sem favorecimentos escusos.

Qualquer coisa fora disso é "jeitinho brasileiro".

Se acontecer caso semelhante na sequência, com outra pessoa desavisada, a PF deve lavrar APF e o MPF deve ajuizar ação penal, porque somente após a instrução processual é possível afirmar se o réu, de fato, não possuía consciência da ilicitude. Não existe bola de cristal.

Segundo o entendimento do Daniel, se um policial, diante de uma fundada suspeita, revista uma pessoa, mas nada encontra de ilícito (armas, drogas, etc), estará realizando ação ineficaz e que em nada contribui para reduzir a criminalidade.

Discordo totalmente!

Qualidade

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Considerando a qualidade da industria nacional, a importação via Polícia Federal e posterior registro no Exercito deveria ser lega e até estimulada. No tocante a armas de fogo, como soi ocorrer em vários países deveria se liberar a importação em massa em troca do know how, ao invés de deixar os bandidos contrabandearem de tudo do Paraguai e da Bolívia e impor à polícia brasileira a utilização de armas que emperram, disparam sozinhas mesmo sem premir o gatilho. Você desce da viatura com dois temores: o primeiro que a arma dispare e você mate uma pessoa inocente ou desnecessariamente; o segundo que a arma não dispare e você venha a morrer por isso como aconteceu com o Delegado de São Paulo.

Não somente, trata-se do MP punitivista

Yan Jeferson Gomes Nascimento (Estudante de Direito)

Daniel, não tenho dúvidas que o MPF se arrastou pra condenar a pessoa, se duvidar apelou. O punitivismo destes é tanto que, estão ficando cegos e desviando-os de sua atuação constitucional.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 31/10/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.