Consultor Jurídico

Colunas

Ambiente Jurídico

Vaquejada, farra do boi e briga de galo na pauta do Supremo

Comentários de leitores

5 comentários

Juízes togados desçam dos tapetes

Zeno (Bancário)

É preciso conhecer primeiro para julgar. A vaquejada hoje é encarada como esporte, mas tem por base a pega dos bois na lida do campo e tem como ator principal o vaqueiro do sertão de todo o Brasil e não só do nordeste, patrimônio cultural e imaterial Nordestino, com peças, registros e outros feitos históricos em arquivos e museus de cultura e tradição popular. Falar de mãos tratos aos garrotes e cavalos é um absurdo. Não é nem de longe um espetáculo desumano, é uma competição organizada em bases reconhecidas por associações esportivas e de criadores de renome nacional a exemplo da ABQM - Associação Brasileira de Cavalos Quarto de Milha, associada a Norte Americana AQUA - American Quarter Horse Association, com sede nos Estados Unidos. A Vaquejada constituiu-se em significativo evento público socio esportivo expressão de afirmação da cultura nordestina por todo o país aonde estados e Distrito Federal possuam expressivo contingente de migrantes e seus descendentes. Os senhores juízes do supremo e parlamentares que insistem em virar as costas e desconhecer esta realidade prestam um imenso desserviço a nação no plano social e econômico. Muitos desses negam suas origens nordestinas e resolvem surfar a onde verde dos green-peaces e de defensores de animais na onda dos pets. Agora só faltam proibir as Churrascarias em Brasília e acabarem de vez com picanhas, bifes de filé ao tornedor, e fraldinhas mal passadas e sangrentas, afinal isso também agride ao paladar e a saúde de vossas excelências, e também não seriam a luz da "interpretação" legal considerado maus tratos?

Responder

Falta de Cultura

Gilberto Strapazon - Escritor. Analista de Sistemas. (Consultor)

Três casos diferentes citados.
Bem, rinhas de galo e de cães, são o prazer da violência gerada DE PROPÓSITO para que os animais lutem entre si.
Animais tem o instinto de território, de líderes e que o mais forte se imponha. Mas eles apenas se impõem ao natural, sem se matar geralmente.
Quem tem um galinheiro ou tenha cachorros sabe que um deles vai ser o líder e as vezes rosnar ou até morder outros para manter seu status. Isso é normal, claro que não tão bonito, MAS não se matam assim.
O que não é normal é FORÇAR a situação, como nas rinhas. Aí é crueldade pura e simples.
Já a famigerada Farra do Boi é um absurdo total. Um elogio a crueldade mais completa.
A farra consiste simplesmente em soltar o animal no meio das pessoas que vão espancar, bater, agredir das piores e mais horríveis e cruéis formas possíveis pelo simples prazer de causar dor e ver o animal se debater.
Inclui usar paus, facões, correntes, barras de ferro, tijolos, pedras, e até estupro do animal com objetos, etc. É um linchamento!
EU VI isso nos anos 90, quando já estava proibida, em Ilha Bela, SC e estava acontecendo uma destas patrocinada por um vereador, com carro de som tocando a música eleitoral daquele imbecil covarde.
Dantesco aos mais baixos níveis. Pessoas enlouquecidas para espancar cruel e covardemente aquele animal.
Fomos "sutilmente" convidados a sair dali.
Bem, as duas acima são apenas simples e pura crueldade absoluta. O mais baixo nível possível pelo simples prazer de ver o sofrimento e muito sangue.
Mas a vaquejada, bem, isso tem a ver com práticas usadas no campo com a lida dos animais?
Uhm?
Ou é como nos rodeios que aplicam pancadas e choques elétricos para atiçar o medo e a reação violenta?
Hum? Justiça por favor! A Justiça não é cega, é uma Deusa!

Responder

Vaquejada.

Felismino Oliveira Neto (Administrador)

Conhecer é preciso.
A vaquejada é uma reprodução autêntica da lida do campo.
O bois não é instigado a correr, ele é um animal de rebanho e no final das pistas tem um curral e ao sair do brete, eles só corem para se juntar aos demais. Tire um tempinho e vá em uma fazenda para saber que um boi conhece bem os bretes pois são vacinados/trados ali. E verás a carreira de um boi na fazenda quando ele sai do brete. Vocês não sabem que não existe mais ruptura de cauda com a instalação do protetor. Com essa leitura de crueldade os senhores irão por na cadeia dos os brasileiros que trabalham no campo ou os patrões que ao contratar um vaqueiro ele quer o serviço feito. Vocês irão inviabilizar a atividade pecuária do Brasil. Nós evoluimos até na doma do animal. o Sr. sabia que antes um cavalo passava dias amarraados em um tronco para depois ser montado? A mudança foi nossa e não foi de ambientalista algum. O Sr. sabia que uma égua também tem pré-natal e acompanhamento médico veterinário, atendimento que muitas mulheres não as tem. Saiam dos gabinetes e visitem o nordeste, sobretudo, as regiões inóspitas e conhecerás o Brasil que estou lhe apresentando. Vaquejada é cultura, tradição e esporte. Pense nisso: Como pode uma atividade aberta e de conhecimento de todos chegar a 100 anos e passar a ser crime por o STF julgou um lei do Ceará? Se não houvesse uma lei para ser julgada viveríamos mais 100 anos sem sermos criminosos? Será que os nossos pais, avós, bisavós poderão ainda ser julgados por crimes de maus tratos porque correram vaquejada em suas fazendas, povoados e cidades do nordeste/

Responder

Enquanto isso

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Enquanto isso Cunha zerou as contas. Esse é o estado lamentável a que se encontra nosso pais.

Responder

Prioridades

Hans Zimmer (Assessor Técnico)

Compreendo a preocupação de todos os que consideram a vaquejada e as brigas de galo como práticas "desumanas", com o perdão do gracejo - mas enquanto o Plenário do STF dedica tardes e tardes à essas discussões, mofam nos escaninhos os processos de poupança, desaposentação e tantas outras...

Responder



Comentar

Comentários encerrados em 30/10/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.