Consultor Jurídico

Salário de servidores

STF reforma acórdão da 2ª Turma que julgou lei do RJ constitucional

Por considerar que a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal contrariou decisão anterior do Plenário do STF, o Pleno da corte desconstituiu acórdão da turma que havia considerado constitucional a Lei municipal do Rio de Janeiro 1.016/1987. A decisão se deu por maioria de votos, prevalecendo o entendimento do ministro Gilmar Mendes, relator da ação.

A Lei 1.016/1987 determinava que o reajuste da remuneração dos servidores ficava vinculado automaticamente à variação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC). Ao julgar o RE 145.018, em 1993, o Plenário considerou inconstitucional a vinculação de vencimentos, salários, gratificações e remunerações em geral ao IPC. Posteriormente, um grupo de servidores ajuizou Mandado de Segurança pedindo reajuste salarial com base na norma. Após sucessivos recursos, a questão chegou ao STF, e a 2ª Turma deu provimento ao pedido, determinando ao município que fizesse os reajustes com base na lei. O município então ajuizou Ação Rescisória sustentando descumprimento do artigo 101 do Regimento Interno do STF (RISTF).

Gilmar Mendes observou que, segundo o artigo 101 do RISTF, a declaração de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo pronunciado por maioria qualificada, como ocorreu no RE 145.018, aplica-se aos novos feitos submetidos às turmas e ao Plenário. A exceção, prevista no artigo 103 do Regimento, ocorre apenas se algum ministro apresentar proposta de revisão de jurisprudência.

O ministro Ricardo Lewandowski, revisor da AR 1.551, acompanhou integralmente o voto do relator, observando que a norma do RISTF tem como objetivo manter a força normativa da Constituição Federal e que não faz sentido que decisões de turmas contrariem decisão anterior do Plenário. Com a decisão, foi reformado o acórdão e negado provimento ao RE 193.285, mantendo-se a inconstitucionalidade da lei municipal.

O único vencido foi o ministro Marco Aurélio, redator do acórdão objeto da ação rescisória. Segundo ele, a declaração de inconstitucionalidade da lei municipal pelo Plenário não foi arguida pelo município no julgamento efetuado pela 2ª Turma, o que impossibilitaria sua reforma sob esse fundamento. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

AR 1.551




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de outubro de 2016, 14h16

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/10/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.