Consultor Jurídico

Notícias

Encontro de pares

"Imaginem se tudo que foi apontado nas delações for verdade", pede Moro

Comentários de leitores

7 comentários

Linha editorial

EVALCIR CHAGAS (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nitidamente a linha editorial move uma vasta máquina de artigos e opiniões contrárias a lava jato. Minha dúvida maior é: o que a Conjur ganha com isso? Será que pensa que escreve pra idiotas?

iludido advogado autônomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Agora, brasileiros e brasileiras, se este grande teatro estivesse nas mão dos juízes estaduais, a novela já teria seu finado sem defunto. No caso exposto, o Juiz deveria aplicar dura pena de litigância de má-fé sobre o ousado, sabendo que a dor do bolso dói mais que a dor do coração em estado de infarto, principalmente que estes atletas dos alcances são altamente materialistas pois, atacam o calado em grande monta, não por necessidade, mas por hábitos assustadores. E, depois destes atos ilícitos de inocência, apesar das idades avançadas, ainda vêm mentir para a justiça. Wood face.

Moro

Ricardo T (Advogado Assalariado - Civil)

JUIZ MORO orgulho de uma nação!!

Campanha contrária

incredulidade (Assessor Técnico)

Nitidamente a linha editorial move uma vasta máquina de artigos e opiniões contrárias a lava jato.
Sabemos que o segmento da advocacia fatura muito dinheiro com clientes de alto poder aquisitivo, muitos deles objeto de persecução penal, atualmente.
É um cenário inédito que gera frustração e impotência de quem sempre atuou com a certeza de que a normatização não lhe era aplicável, independentemente de praticar ou não ilícito. Afinal, sabes com quem está a falar?
No Brasil sempre existiu um sistema paralegal para o topo da pirâmide, que obedecia a regras individuais de ética e moralidade, isto é, agia corretamente apenas se assim desejasse. Basicamente, uma autodeterminação, onde a licitude ou ilicitude dependia exclusivamente da formação pessoal e familiar do indivíduo, e não de uma ameaça de sanção penal.
Vejo com muita alegria a nova aflição de se deparar, de repente, com a possibilidade de SER PRESO! Sim, essa possibilidade era inexistente para um certo segmento social. Era algo como ter um Iate próprio para o brasileiro médio. Algo totalmente intangível.
E, agora, essa possibilidade é extremamente palpável e a sensação é maravilhosa
Como negar o prazer que dá, o friozinho na barriga que traz, aquela dúvida se a pessoa será ou não presa? Se será ou não privada de ir e vir.
Isso deixa as pessoas mais alertas, mais felizes, mais vivas, mais atentas e produtivas.
Ou seja, só vantagens para todos!

Isso é um reportagem?

Cândido Alexandrino (Advogado Sócio de Escritório - Previdenciária)

Isso é uma reportagem? Parece "chorumela" em face do reconhecimento público ao trabalho do juiz.
"Texto" criticando os assentos reservados (como se fosse diferentes noutros lugares), o fotográfo pq precisa correr para uma boa foto (qdo eles apenas estão trabalhando), o fato dos presentes terem livros nas mãos.
Conjur segue ladeira abaixo

"pop star"

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Imaginem quando Moro colocar o chefão atrás das grades!

Colaborando...

Menslex (Advogado Assalariado - Administrativa)

Só para lembrar ao autor do texto que o José Dirceu e o Genoíno foram condenados porque não conseguiram provar que as alegações contra eles não eram inverdades.

Sérgio Moro admite, sim, que as delações possam não ser verdadeiras, apesar dessa tentativa do autor do texto de tentar colar uma imagem de injusto nele.

O TRF tem confirmado as decisões do Juiz Moro. As sentenças do STF contra Dirceu, Genoíno e Pizzolato não foram no sentido de absolvição no caso do mensalão e provavelmente não serão no petrolão, apesar das defesas escancaradas desses réus pelo Ministro Lewandowski - como visto pela televisão, do tipo "..foram apenas seis lavagens.." e outras que causaram perplexidade semelhante.

Visivelmente tendenciosa essa tentativa adicional de não reconhecer o trabalho do Juiz Sérgio Moro

Comentar

Comentários encerrados em 13/10/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.