Consultor Jurídico

Comentários de leitores

7 comentários

Quero parabenizar o autor do texto

com absoluta certeza (Advogado Autônomo)

É um texto que sem sombras de dúvidas assinaria com assim o faço. Realmente, necessitamos urgentemente de que nossos juristas contemporâneos se unam e não permitam a verdadeira corruptela que nossa Carta Magna e vítima; sempre por interesses políticos e pessoais. Valeu a leitura.

Walkiria Miranda(advogada)

Walkiriagm (Outros - Trabalhista)

Parabéns ao articulista pelo brilhante texto.

A Eududu (Advogado Autônomo)

ABSipos (Advogado Autônomo)

O Caro Colega citado trouxe à tona uma informação muito importante que já explica em boa parte os desmandos do judiciário e do MP que vemos hoje:

"Foram o militares que, através da Lei Orgânica da Magistratura de 1979 e da Lei Complementar nº 40 de 1981 deram os poderes e garantias para que Poder Judiciário e MP viessem a ser vistos hoje como o reserva moral da sociedade."

No mais, ótimo texto, parabéns ao articulista.

Parabéns

Eududu (Advogado Autônomo)

Cumprimento o articulista pela sensatez e coragem de defender aquilo que todo jurista deveria prezar: A ordem jurídica.

Veja que, a despeito do texto ser claro, coeso e ter inúmeras referências históricas, muitos leitores não entendem o óbvio ululante. Defender a Constituição tornou-se politicamente incorreto. Devemos então concordar pura e simplesmente com a ruptura da legalidade constitucional levada a cabo pelo próprio Poder Judiciário, porque está na moda, porque estão nos induzindo a crer que o Judiciário e o MP são as reservas morais da sociedade.

Com tanto processo parado em gabinetes, tantos casos de abuso e penduricalhos no contra cheque, rechaçando qualquer tipo de controle, a mim não enganam.

A Constituição é a Lei Fundamental do Estado. Se a Constituição não for respeitada, nenhuma outra regra será. Não tem nada a ver com ser bandido ou defender a corrupção! Se para um jurista é difícil entender isso, voltemos a idade média.

Só gostaria de acrescentar os militares tiveram protagonismo no golpe/revolução de 1964 não só por representarem a reserva moral da sociedade à época, mas pela irrelevância do Poder Judiciário e Ministério Público naqueles tempos. Foram o militares que, através da Lei Orgânica da Magistratura de 1979 e da Lei Complementar nº 40 de 1981 deram os poderes e garantias para que Poder Judiciário e MP viessem a ser vistos hoje como o reserva moral da sociedade. E hoje são os militares que estão alijados do debate. Que ironia.

Discurso dissimulado...

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

Entenda-se lutar "contra a corrupção da Constituição" como "dificultar a investigação e punição de bandidos corruptos".

Esse discurso retórico dissimulado é extremamente comum, isso ocorre também quando dizem lutar "em defesa da democracia", que na prática significa lutar "contra qualquer governo que não seja de esquerda".

Culpa

O IDEÓLOGO (Cartorário)

A culpa pelo estado de coisas em "terrae brasilis" é do próprio brasileiro.
A cordialidade brasileira gerou um ser que se apropria dos bens públicos.
Estudiosos, como Rui Ribeiro Couto, disse que a cordialidade é uma contribuição latina à humanidade. Tudo bem na esfera privada (que não é tão calma, diante das sucessivas mortes de mulheres por seus autoritários consortes).
O problema surge quando a cordialidade se manifesta na esfera pública. Isso porque o tipo cordial – uma herança portuguesa reforçada por traços das culturas negra e indígena – é individualista, avesso à hierarquia, arredio à disciplina, desobediente a regras sociais e afeito ao paternalismo e ao compadrio, ou seja, não se trata de um perfil adequado para a vida civilizada numa sociedade democrática.

Doutorando...

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

"A corrupção da Constituição é tão grave quanto a corrupção que ocorre pelas sombras do poder no desvio de dinheiro dos cofres públicos. Se no segundo caso a corrupção retira recursos da saúde e da educação direto para as contas bancárias dos agentes políticos ou empresários envolvidos com atividades ilícitas, no primeiro caso o que temos é a apropriação da lei por aqueles que fazem com as palavras o que bem entendem."
Faltou citar recursos da segurança.
No segundo caso a corrupção tira a vida de centenas de pessoas diariamente.
No primeiro caso a corrupção salva a vida de centenas de pessoas diariamente.
Unamo-nos contra a corrupção da inteligência!

Comentar

Comentários encerrados em 6/12/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.