Consultor Jurídico

Notícias

Primeiro a saúde

TSE concede HC, e ex-governador Garotinho poderá se tratar em hospital particular

Comentários de leitores

12 comentários

Fantastico

mat (Outros)

Fantástica a matéria do fantástico sobre as conexões e motivacoes da ministra advogada. Pobre país em que advogada de defesa vira ministro por indicação e conversa com partes e o juiz de carreira que rejeita propina de milhões ainda é achincalhado.

Uma dúvida...

felipebottrel (Engenheiro)

Qualquer preso pode ser internado no hospital de sua escolha, desde que pague o tratamento?

Privilégio inaceitável

AC-RJ (Advogado Autônomo)

Concordo com o primeiro comentarista, o Dr. Juarez Pavão. Vivemos no país da impunidade. Se fosse um mortal comum, iria para o presídio do jeito que estivesse. Quanto aos demais comentaristas, não havia doença alguma do ex-governador, e se houvesse, que não pudesse ser tratada no sistema prisional. É só ver as várias filmagens disponíveis na internet. Antes da prisão estava perfeitamente saudável. Até mesmo quando descansava no quarto no hospital discutia agressivamente com os policiais sem problema de saúde algum. Para entrar na ambulância que o levaria ao presídio teve que ser contido por quase dez homens. Como um doente possuiria tanta força? Foi uma situação de doença claramente simulada. O próprio ex-governador declarou que o motivo para não ser levado para o presídio era o receio de ir para lá e não enfermidade alguma. É um tapa no rosto da população esta decisão que dá um tratamento diferenciado a alguém que claramente simulou doença para ardilosamente fugir da pena que lhe foi imposta. Lamentável.

Garotinho

O IDEÓLOGO (Outros)

Se comportou como um "garotinho" quando teve que prestar contas de suas peraltices políticas.

Decisão do TSE corrige uma indecência jurídica

J. Ribeiro (Advogado Autônomo - Empresarial)

Muito oportuna e bem fundamentada a decisão da ilustre ministra Luciana Lossio, em que pese o político A. Garotinho ser uma pessoa sem escrúpulos. As cenas realmente chocam a qualquer cidadão de bem e, ao mesmo tempo, mostram claramente o despreparo de magistrados exercendo impunemente a jurisdição de forma exacerbada em seus poderes confiados pela sociedade.
Ainda que se trate de forma articulada para não ser levado para o presídio, a eventual fraude a lei e a justiça, os responsáveis pelos laudos médicos devem ser responsabilizados, ao emitirem laudos que não correspondam a situação da saúde do paciente, isto deve apurado a posteriori com todo rigor.
Parabéns a i. ministra, demonstrou a lucidez que o magistrado deve se orientar e conduzir um processo - na lei e na constituição.
Espera-se uma providência por arte do CNJ.

Espetáculo bizarro!

Marcelo-ADV (Outros)

Uma prisão grotesca!

Mais um show do terceiro mundo.

Corrigindo

Observador.. (Economista)

O corretor
Lobbies, não lobbys .
Abaixo.

Quem tem que ser ...

Observador.. (Economista)

...tratado "no esculacho", é bandido matador, perigoso e valente.
Tratar assim uma pessoa que não oferece perigo algum, só demonstra o despreparo, o improviso e a necessidade do "pão e circo", que em Bruzundanga muda ao gosto do freguês .
Não aprecio em nada o Ex-Governador.
Mas esta guerra contra a política , onde todo o resto agora posa como "imaculados e puros" não terminará bem para o país.
Um pouco mais de serenidade, compostura e profissionalismo seria recomendado.
Se ele estava fingindo, que se apurasse através de um parecer médico; caso se comprovasse sua boa saúde e seu fingimento , fosse ele ( e seus familiares) avisado de que haveria a remoção e - caso o cidadão se recusasse - seriam tomadas as atitudes recomendadas quando há tentativa de obstruir a lei.
Achei um espetáculo patético e desnecessário .
Apenas deslustra o trabalho daqueles que, com seriedade e sem buscar os holofotes, lutam por um Brasil mais justo, democratico e onde todos sejam iguais perante a lei.
Todos.
Sem lobbys classistas no parlamento para que isto não ocorra.
Só assim seremos uma nação respeitada.
O resto é pão , circo e hipocrisia.

desmoralização intra corporis.

Luis vieira (Servidor da Secretaria de Segurança Pública)

Ninguém no Brasil reúne a capacidade necessária para desmoralizar o judiciário. O Judiciário passou a ser desmoralizado pelos seus próprios integrantes a partir do momento em que descobriram que a miséria sempre foi valiosa moeda de troca.

A Ministra do TSE é advogada.......

daniel (Outros - Administrativa)

não se poderia esperar outra decisão.... a Dra. Cóssio é parte do terço da OAB no TSE.....

Um dia triste

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nos últimos anos no Brasil nós vimos muitos absurdos. No entanto, o caso envolvendo o ex-governador citado na reportagem ainda chamou a atenção por dois motivos. Em primeiro, as cenas mostradas na reportagem são grotescas. Um enfermo sendo conduzido contra sua vontade para fora do hospital, sob cobertura imediata e transmissão quase que ao vivo para todo o País. Tudo bem que se tratava de um preso, mas a prisão nesse caso é processual, e nada justificaria tamanha afronta aos direitos de alguém enfermo. Em segundo, temos talvez a pior situação: aplausos gerais. Não me espantaria agora se alguém começasse a pregar enforcamento em praça pública, com julgamento realizado pela imprensa e pelas "redes sociais". Também não gosto desse ex-governador, e sempre disse isso. Em certa ocasião, ele andou se insinuando para obter cargos federais, quando eu disse que se no Rio de Janeiro tem quem vote em Garotinho, os demais eleitores do restante do País são pessoas de bem. Um sujeito desse não poderia ser eleito nem para síndico de prédio. Que me desculpem os cariocas. Porém, o apreço ou desapreço que nutrimos ou não pelos demais cidadãos não pode ser argumento para justificar atos de barbárie, grotescos, como vemos nessas imagens, lembrando que absolutamente nada foi provado até o momento, sendo a prisão processual. Hoje, infelizmente, é um dia triste, e pelo que ritmo que andam as coisas nesse País podemos esperar uma noite longa e escura na marcha desta jovem Nação para a maturidade.

País da impunidade

Juarez Araujo Pavão (Delegado de Polícia Federal)

Não há democracia nem estado de direito neste País, o que há é um estado de privilégios dos ricos e poderosos. Quando bandido pobre comete crime é preso e vai para a cadeia, e ao ser condenado vai para o presídio. Enquanto que, bandido rico ao cometer crime é preso no hospital, e quando é condenado vai para casa em prisão domiciliar. Conclusão: O Brasil é uma verdadeira esculhambação que está sendo dominado por malandros.

Comentar

Comentários encerrados em 26/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.