Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Efeito cascata

Isenções fiscais da União afetam verbas repassadas aos municípios, diz STF

Os benefícios fiscais concedidos pela União impactam no repasse ao Fundo de Participação dos Municípios. A decisão foi tomada, por maioria, pelo Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira (17/11), no julgamento do Recurso Extraordinário 705.423, que teve repercussão geral reconhecida em 2013.

A tese da repercussão geral referente ao julgamento será fixada na sessão da próxima quarta-feira (23/11). Na ação, o município de Itabi (SE) pedia que as desonerações de Imposto de Renda e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) concedidos pela União fossem excluídos do cálculo dos repasses ao orçamento local.

Os repasses da União às administrações municipais são definidos pelo inciso I do artigo 159 da Constituição Federal, que obriga o governo federal a entregar 22,5% do produto da arrecadação do IR e do IPI ao Fundo de Participação dos Municípios.

O recurso foi movido pelo município de Itabi porque o Tribunal Regional Federal da 5ª Região negou seu pedido para receber valores que não teriam sido recolhidos em virtude de incentivos fiscais concedidos pela União. Para o TRF-5, entendimento contrário significaria uma restrição à competência tributária da União.

Ao STF, o município negou que seu pedido limite a competência tributária da União e reafirmou que ela deve preservar a parcela dos municípios ao conceder favores fiscais. Para a cidade sergipana, os incentivos podem ser concedidos pela União desde que afetem os 52% do total recolhido que lhe são de direito.

Para o relator, ministro Edson Fachin, o recurso deve ser negado porque o poder de arrecadar da União também garante o direito de isentar. Segundo Fachin, quando a Constituição Federal determina que o FPM será composto do produto dos dois impostos, isso inclui o resultado das desonerações.

De acordo com o inciso I do artigo 159 da Constituição Federal, a União deve entregar 22,5% do produto da arrecadação do IR e do IPI ao fundo. “O poder de isentar é decorrência lógica do poder de tributar. O verso e o inverso de uma mesma moeda”, afirmou o ministro.

Fachin considerou constitucional a redução da arrecadação que lastreia o FPM quando ela é decorrente da concessão regular de incentivos, benefícios e isenções fiscais relativas ao IPI e o IR. Apesar de reconhecer a importância dessas transferências para os municípios, o relator explicou que aceitar o pedido do recurso iria contra o modelo de repartição de receitas previsto na Constituição Federal.

A divergência foi aberta pelo ministro Luiz Fux, que foi seguido pelo ministro Dias Toffoli. Para os julgadores, a participação no produto da arrecadação dos dois tributos é um direito dos municípios que não pode ser afetado pela competência tributária da União. “As desonerações devem ser suportadas por quem desonera”, afirmou, complementando que o contrário seria “fazer favor com o chapéu alheio”.

Estados também
Em seu questionamento ao Supremo, Itabi também usou como argumento o julgamento do RE 572.762, no qual o STF garantiu a municípios catarinenses parcela da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Um caso envolvendo poderes municipal e estadual chegou a ser suspenso em abril deste ano pelo ministro Luís Roberto Barroso.

Na ação, Goiás recorria de um acórdão do Tribunal de Justiça do estado que o condenou a repassar ao município de Nova Crixás a sua parte do ICMS por ter sido beneficiado em programas de incentivo de investimentos.

"A despeito de não se tratar da mesma espécie tributária, a matéria em discussão foi inserida na sistemática da repercussão geral no RE 705.423, porquanto neste último caso se discute, à luz do art. 159, I, b e d, da Constituição Federal, se a concessão de benefícios, incentivos e isenções fiscais relativos ao Imposto de Renda (IR) e ao Imposto de Produtos Industrializados (IPI) pode impactar no cálculo do valor devido aos municípios a título de participação na arrecadação dos referidos tributos. O mesmo raciocínio se aplica ao ICMS, pelo que a matéria é semelhante àquela ora em exame", disse Barroso ao suspender a ação. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Revista Consultor Jurídico, 18 de novembro de 2016, 16h37

Comentários de leitores

1 comentário

Isenções

O IDEÓLOGO (Outros)

No aspecto financeiro, se você diminui os rendimentos, diminui, também os repasses aos Estados.

Comentários encerrados em 26/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.