Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Divergência de valores

Defesa de Edemar Cid Ferreira pede suspensão de leilão de obras de arte

Por 

Por achar que os valores colocados são muito inferiores aos praticados no mercado, o ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo para suspender o leilão de suas obras de arte. As vendas foram autorizadas pelo juiz Paulo Furtado, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais, e começaram na última sexta-feira (11/11) e vão até o dia 29.

A escultura Tríade Trindade, de Tunga, é uma das obras que estão no processo do leilão. Divulgação 

O contexto do pedido de suspensão continua o mesmo dos outros episódios do processo de falência do Banco Santos, que já se arrasta por mais de dez anos. O banqueiro e parte dos credores acusam o administrador judicial, Vânio Aguiar, de agir com má-fé e de tentar obstruir a finalização do processo. O juiz Paulo Furtado é acusado de ser ineficiente e não perceber os supostos desmandos de Aguiar, ou de agir em conluio.

A defesa de Edemar, representado pelo escritório Winther Rebello, alega que as obras foram avaliadas com preço muito abaixo do valor de mercado. Para esclarecer, citam alguns exemplos: uma obra de Franz Waissman valeria, segundo o especialista Max Pelingro, R$ 900 mil (em vez de R$ 130 mil); a obra Vestal, de Victor Brecheret, vale, segundo o galerista Ricardo Camargo, R$ 4 milhões a mais do que o estipulado para o leilão.

Segundo a defesa de Edemar, o administrador judicial não permitiu que o perito escolhido pelo banqueiro concedesse seus pareceres sobre os valores das obras, mesmo tendo sido autorizado pela Justiça a fazê-lo. Além disso, teria sido desenvolvido um clima de punição para o ex-banqueiro, com o objetivo de ser divulgado pela imprensa.

Escultura 'Touro (Zebu)", de Victor Brecheret, uma das obras que compõem acervo do leilão.Divulgação

“A pergunta sempre presente é a seguinte: a quem interessa tal queima de ativos? A quem interessa criar obstáculos para uma segunda opinião técnica nos autos quanto as obras arrecadadas? Por que tanta celeridade, tanta pressa do Sr. Administrador Judicial, nem que para isso o processo tenha transcorrido às expensas do devido processo legal?”, questiona a defesa.

Credores querem falar
O caso da falência do Banco Santos teve em 2016 seu ano mais atribulado. Em maio, a Assembleia Geral dos Credores elegeu um plano elaborado pelo banco Credit Suisse para gestão dos ativos. Mas o juiz Paulo Furtado anulou o que foi decidido, afirmando que a proposta fazia Edemar Cid Ferreira receber antes de alguns credores. O Credit Suisse então retirou sua proposta.

O banco europeu demonstrou discordar da atuação do juiz e do administrador judicial no caso. Já um grupo de credores que comporta 27% dos credores quirografários do Banco Santos foi mais incisivo e acusam Vânio de manipular o processo.

Sobre o titular da 2ª Vara, Paulo Furtado, dizem que ele convalidou “os abusos e erros crassos cometidos por seu principal auxiliar [Vânio Aguiar], inclusive deixando-o o ostensivamente imune e impune por seus atos e omissões” e de se voltar contra os credores. A luta do grupo é para que a proposta do Credit Suisse volte a ter validade.

Já a defesa de Edemar, no pedido de suspensão do leilão, afirma que o juiz promoveu uma inversão de valores ao anular a decisão da assembleia. O ex-banqueiro diz que independente da proposta elaborada para resolver o impasse, o juiz, o administrador judicial e o Ministério Público sempre colocarão algum entrave.

"De qualquer forma, Vossas Excelências estão diante de mais uma grave denúncia de manipulação e uso abusivo do Poder. Daí porque a suspensão do leilão e nulidade da decisão são medidas que se impõe", conclui a defesa.

Clique aqui para ler a petição. 

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de novembro de 2016, 17h16

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 24/11/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.